Dólar Comercial: R$ 5,76 • Euro: R$ 6,79
Segunda, 19 Abril 2021

Mesmice

Após Jorge Jesus e ao reiniciar o Campeonato brasileiro, me senti um paraguaio barato, ridículo, vendo os jogos. Até a transmissão da TV voltou a ser a mesma, ou seja, sem nenhuma emoção. Alguns clubes contrataram técnicos estrangeiros, até o Flamengo com Domenec. Nós acompanhamos a Liga dos Campões da Europa, naqueles jogos de passes rasteiros certos. Tem muitos brasileiros lá.

O futebol brasileiro está em decadência acentuada. O jogo que vemos aqui é bola lançada pelo alto, que na maioria das vezes não dá em nada até com técnicos estrangeiros. Todos jogam assim no Brasil. Por isso o sucesso de Sampaoli o único diferente, como era Jesus. Está na cara de todos. Até pouco tempo atrás a gente exportava jogadores, hoje importamos. Vejam os estrangeiros. Todo time brasileiro tem um ou dois.

Vamos jogar a culpa em todos, não só nos jogadores, que aqui fazem corpo mole para as disciplinas, diferente de lá fora. Vamos culpar os dirigentes. Tem cabimento um Marin ter dirigido a CBF? Assim como o Caboclo ser presidente, sendo também Conselheiro do São Paulo? Tem cabimento, depois de um 7 a 1 em Copa, aparecer com um Juninho Paulista para dirigir o futebol brasileiro? Quem é ele? O Tite já é um técnico previsível, um perigo!

Aqui, a culpa vem de dirigentes, tanto dos clubes como do órgão máximo capixaba. Antes os dirigentes davam a vida pelos clubes. Vi assim no Rio Branco, na Desportiva, no Vitória. Hoje, eles não estão nem aí. Mesmo assim tem torcedores e eles sofrem. Ah! Um reconhecimento: Viva Perovano no Vitória!!! Exceção.

De que adianta Copa ES, Campeonato Capixaba? Não leva a lugar nenhum, pelo contrário, piora como ocorre com o RB. E quando tem um time capixaba na série (deixa me ver....) D ou F, não sei bem, dão vexame. E ainda tem imprensa que leva fé, acompanha, mas para no fim dar em nada.

É preciso profissionalizar, tornar empresa o futebol como um todo. Chega de amadorismo. Amadorismo era na época de Salustiano Sanches, Kleber Andrade, Manoel Ferreira, que mesmo amadores, sabiam dirigir um clube. Depois que a Desportiva virou Capixaba e o Rio Branco perdeu o estádio, acabou tudo. Vai ser difícil reerguer. Verdade nua e crua!


PARABÓLICAS (DO FUTEBOL)
O que faz Amaro Neto quando sente saudades, sente necessidade de narrar uma partida de futebol?

Lembrava outro dia de um expoente da crônica esportiva falada (e escrita), Jair Andrade Gonzaga. Hoje tem até nome de rua em Vila Velha.

Justiça seja feita. A crônica esportiva teve seu ápice em Vitória na época que Oswaldo Amorim dirigia a Rádio Vitória, na época, Associadas.

O Vitória é um clube simpático e sobrevive. Tem um dirigente de respeito: Perovano e tem um estádio no centro da capital ou melhor, em bairro nobre.

ACESSE
http://jrm50anos.blogspot.com.br/

ACESSE TRADUÇÃO JRM YOUTUBE
The Spinners – Could it be I'm falling in Love
https://www.youtube.com/watch?v=GQBqW7vEJck

MENSAGEM FINAL
"Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos..." Nelson Rodrigues

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 19 Abril 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection