Sexta, 12 Julho 2024

​Movimento Woke - parte I

Woke é uma palavra inglesa que significa "acordei" e ganhou um sentido cultural contemporâneo que herdou tiques do que nos anos 1990 se chamava de politicamente correto. No caso do Movimento Woke, o exagero de uma pretensa virtude pode descambar para posições caricaturais sobre o certo e o errado, numa construção moral exacerbada e que tenta realizar uma patrulha irreal de escrutínio linguístico e com o famigerado cancelamento, que é a imagem cristalizada de um viés irrealista, de falta de conhecimento do mundo real, da vida como ela é.

Verdadeiros estetas do mundo, a superioridade do movimento é esboroada, parecendo um pastiche involuntário de palmatória do mundo. A origem do uso da palavra woke em contexto cultural surgiu na comunidade afro-americana, como um modo de estar alerta em relação à injustiça racial.

O editor de notícias e cultura Elijah Watson, do website de música norte-americana Okayplayer, que escreveu artigos sobre a origem do termo woke, por sua vez, afirma que o termo foi cunhado pelo romancista William Melvin Kelley. Este romancista publicou, em 1962, um artigo com o título "If You're Woke, You Dig It" (Se você estiver acordado, entenderá).

Na última década, o movimento Black Lives Matter fez ressurgir o termo, que foi criado para denunciar a violência policial contra pessoas negras. Contudo, seu uso se ampliou e ganhou os contornos do que se chama Movimento Woke. Em 2017, finalmente, o dicionário Oxford definiu o termo como "estar consciente sobre temas sociais e políticos, sobretudo, o racismo".

O termo Woke pode ser motivo de orgulho ou ser usado como insulto, dependendo da interpretação dada. As ideias progressistas do termo, portanto, podem representar uma quebra de paradigmas, e sua deturpação produzir pessoas que se sentem moralmente superiores, querendo impor suas ideias aos demais.

A crítica principal sobre o que se chama de Movimento Woke recai sobretudo no exagero de patrulha do uso de expressões linguísticas e na prática de cancelamento que ocorre nas redes sociais, sempre em relação a polêmicas que nem sempre existem, mas que na interpretação woke ganha contornos de julgamento moral e que levam a boicotes sociais e profissionais. O policiamento da linguagem, por sua vez, se refere a expressões consideradas homofóbicas, racistas ou misóginas, dentre outras..

Da esfera cultural podemos passar à realidade política, em que o termo woke pode se relacionar às pautas afirmativas de igualdade racial ou social, como o feminismo, o movimento LGBTQIA+, o ativismo ecológico e do direito ao aborto, a vacinação, o uso do gênero neutro na linguagem, o multiculturalismo etc.

Nos Estados Unidos, é registrada a presença do termo woke na política, que tem crítica do Partido Republicano, e no Partido Democrata, por sua vez, existem críticas por parte de Barack Obama, porém, ganhando aderência na parte mais radical, em figuras como os congressistas Bernie Sanders e Alexandria Ocasio-Cortez.

No mundo empresarial, o debate woke levou a alguns casos marcantes, como da campanha da Gillette, em 2019, em que se condenava a masculinidade tóxica, contra o sexismo, o bullying e o assédio sexual. A campanha foi bem vista por muitos, mas no YouTube levou a um boicote contra a marca, e a empresa dona da marca, a Procter & Gamble, sofreu um golpe econômico e ainda teve que lidar com um meme que se popularizou na direita política : "Get woke, go broke" ("vire woke, vá à falência").

O que se vê é que jovens progressistas, que no começo da década passada se levantaram contra a Grande Recessão, ocupando as ruas (Occupy Wall Street), e trazendo à baila a obra de Thomas Piketty, Teoria das Desigualdades Econômicas, mudaram, e agora vemos a juventude tomada pelo termo woke, com questões raciais e de gênero sobrepondo pautas econômicas.

O exagero woke, contudo, leva à autocensura universitária, a questionamentos em escalações de filmes, tem influência na publicidade, no jornalismo se começa a citar o supremacismo branco, etc. No Movimento Woke, um fato mais irrealista se dá na tentativa de interferir em obras literárias, peças de teatro e demais obras que foram feitas em outras épocas, com contextos de costumes e comportamentos antigos em que pode detectar diversos problemas e pedir uma revisão no texto, em desfechos e desenlaces, etc.

O maniqueísmo do movimento tende a entender os próprios valores como absolutos, inquestionáveis, e a hipersensibilidade é uma característica que leva a estas ondas de cancelamentos e de controle quase delirantes da linguagem. O crivo do ativismo woke, portanto, atua com um moralismo irreal, revisionista, meio que palmatória do mundo, e intolerante para com erros supostos e imaginários. Ou seja, o Movimento Woke, quando se torna deturpado e exagerado, perde o contato com a realidade mais elementar, de que há gradações na realidade e de que nem tudo é condenável ao menor deslize.


Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 2

Prof. Vinicius em Domingo, 25 Dezembro 2022 14:21

A cultura woke foi criada pelo partido democrata estadunidense para embeber as classes médias do mundo inteiro, a partir de "agenciamentos coletivos de enunciação" (Deleuze, Guattari), sobretudo da epistemologia e da "indústria cultural" (Adorno, Horkheimer), visando agitar a flor do socius e desarticular as demandas na direção da relação capital x trabalho, soberania nacional, economia popular, direitos sociais e econômicos do povo, focalizando-se em pautas pós-identitárias, isto é, direitos civis reificados e inflacionados.

A cultura woke foi criada pelo partido democrata estadunidense para embeber as classes médias do mundo inteiro, a partir de "agenciamentos coletivos de enunciação" (Deleuze, Guattari), sobretudo da epistemologia e da "indústria cultural" (Adorno, Horkheimer), visando agitar a flor do socius e desarticular as demandas na direção da relação capital x trabalho, soberania nacional, economia popular, direitos sociais e econômicos do povo, focalizando-se em pautas pós-identitárias, isto é, direitos civis reificados e inflacionados.
Prof. Vinícius em Domingo, 25 Dezembro 2022 14:22

A cultura woke é um veneno que atinge as camadas médias sociais e, portanto, ainda está longe do grosso do povo.

A cultura woke é um veneno que atinge as camadas médias sociais e, portanto, ainda está longe do grosso do povo.
Visitante
Sexta, 12 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/