Dólar Comercial: R$ 5,02 • Euro: R$ 6,11
Quarta, 27 Janeiro 2021

​O avanço da direita

A derrota de João Coser (PT) em Vitória tem um significado muito além de simples eleição municipal, na medida em que representa o avanço de forças reacionárias que afloram não apenas do bolsonarismo de raiz, ou seja, da extrema direita, mas, também, de setores do centro que se equivalem à direita defensora das pautas morais, igualmente retrógadas, autoritárias e preconceituosas. Adaptadas a círculos mais desinformados do eleitorado, garantiram a vitória do delegado. 

Esse quadro é registrado tanto em nível local quanto na política nacional, à qual a ascensão do Delegado Pazolini está intimamente ligada. Vale lembrar, por exemplo, postagem nas redes sociais da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, eufórica, parabenizando o "amigo" Pazolini pela vitória. Uma personagem que o futuro prefeito tentou manter no anonimato durante a campanha eleitoral.

Mesmo tratamento foi dado ao deputado Capitão Assumção (Patriotas), derrotado no primeiro turno, que só declarou publicamente que tinha acordo de apoiar o Delegado Pazolini, guardado discretamente, próximo da votação desse domingo (29), com medo da rejeição ao bolsonarismo.

Uma rejeição que cresceu a partir de 2019, juntamente com a meta principal que é o encolhimento do PT e dos partidos de esquerda, estratégia colocada em campo desde 2012, com a utilização do terrorismo mental, principalmente relacionado à moralidade de costumes, discurso proferido de forma distorcida, embasado no ódio, preconceito e no fantasma do comunismo. Como resultado, ocorre o crescimento da alienação eleitoral, demonstrado na soma das abstenções e dos votos brancos e nulos. Em Vitória, esse índice chegou perto dos 30%.

A direita ampliou o seu campo de atuação e, com Pazolini, o eleitor de Vitória quebra a tradição de eleger prefeitos alinhados mais à esquerda, como ocorria desde a redemocratização do país após 21 anos de ditadura militar. O futuro prefeito da cidade é declaradamente de direita, ligado ao bolsonarismo, que visa a ampliação de sua influência ao colocar as forças progressistas como um dos extremos que precisam ser contidos.

A partir de agora, começam as articulações para a eleição de 2022, dentro de um quadro em que a correlação de forças está mais para a direita, apesar das divisões de grupos que já não suportam o bolsonarismo, pela incompetência da gestão presidencial, mas que ainda mantêm elos para aniquilar o campo da esquerda. Nesse domingo, para aliviar a tensão, surgiu uma figura capaz de empunhar essa bandeia de luta em defesa das alas mais progressistas do país, juntamente com o ex-presidente Lula: Guilherme Boulos, do Psol.

Embora derrotado em São Paulo, Boulos se firma como liderança nacional, capaz de ampliar a capilaridade do campo progressista nas casas legislativas onde a esquerda conseguiu colocar seus representantes. Em Vitória, as vereadoras eleitas Camila Valadão (Psol) e Karla Coser (PT) têm essa responsabilidade. 

Será a partir de uma oposição responsável, no tom esperado para provocar uma alteração no atual cenário político, com o assombro de uma direita cada vez mais voltada ao retrocesso e ao obscurantismo, que as duas poderão se juntar ao fortalecimento da resiliência do campo da esquerda. Da mesma forma, João Coser, o ex-candidato a prefeito, carrega a responsabilidade de mais de 70 mil votos dos que esperam mudanças na política nacional. 

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 10

Machado em Segunda, 30 Novembro 2020 16:25

Não existe direita no Brasil; por isso, esse artigo é uma piada.

Não existe direita no Brasil; por isso, esse artigo é uma piada.
Guilherme Pereira em Quarta, 02 Dezembro 2020 07:09

Machadando no vazio de ideias e de conhecimento sobre Brasil! como piada bem criativo.

Machadando no vazio de ideias e de conhecimento sobre Brasil! como piada bem criativo.
4lex5andro em Segunda, 30 Novembro 2020 18:08

Parece mais uma centro-direita, e muitas ressalvas na parte da direita no caso do Brasil, o maior vencedor nas eleições desse ano foi o Centrão.

Parece mais uma centro-direita, e muitas ressalvas na parte da direita no caso do Brasil, o maior vencedor nas eleições desse ano foi o Centrão.
Rafael em Terça, 01 Dezembro 2020 11:21

A esquerda teve seu momento e o que fez ? roubou pra se manter no poder eternamente jogando o País nessa crise econômica e moral infindável.
Graças a Deus somos uma democracia e hoje temos uma semente de direita liberal nascendo pra ampliar o espectro político.
Jornalismo não é militância.

A esquerda teve seu momento e o que fez ? roubou pra se manter no poder eternamente jogando o País nessa crise econômica e moral infindável. Graças a Deus somos uma democracia e hoje temos uma semente de direita liberal nascendo pra ampliar o espectro político. Jornalismo não é militância.
Guilherme Pereira em Quarta, 02 Dezembro 2020 07:21

Roberto Junquilho mantém sua tradição de análise lúcida e bem informada, com as quais sempre concordo. Mas, desta vez vou divergir nas suas projeções de futuro: Não faço muita fé que este grupo virá com força para eleição de 2022. Eles prometem tanto e se evolvem em tantas questões de fundo ideológico que sequer conseguem apresentar projetos coerentes e viáveis; dificilmente farão boa gestão. Sem contar que - talvez com exceção de Vitória - estes municípios dependem financeiramente do Governo estadual. Donde fica a pergunta de como será a relação deles com o Governador. Será que RC criará cobras em seu quintal? Talvez nem consiga quebrar a relação deles que já existe com alguns dos patrocinadores destes novos prefeitos.

Roberto Junquilho mantém sua tradição de análise lúcida e bem informada, com as quais sempre concordo. Mas, desta vez vou divergir nas suas projeções de futuro: Não faço muita fé que este grupo virá com força para eleição de 2022. Eles prometem tanto e se evolvem em tantas questões de fundo ideológico que sequer conseguem apresentar projetos coerentes e viáveis; dificilmente farão boa gestão. Sem contar que - talvez com exceção de Vitória - estes municípios dependem financeiramente do Governo estadual. Donde fica a pergunta de como será a relação deles com o Governador. Será que RC criará cobras em seu quintal? Talvez nem consiga quebrar a relação deles que já existe com alguns dos patrocinadores destes novos prefeitos.
Ecyr domingos Santos em Quarta, 02 Dezembro 2020 16:06

jornalista parcial e esquerdista ,assim como Rogerio Medeiros , nao cita que em Sao paulo o pt nao apoiou o Psol e lançou candidato proprio, a esquerda virá dividida com boulos, ciro, alguem indicado pelo presidiario, entre outros, o centro e a direita darao o tom em 2022, só nao vê quem nao quer

jornalista parcial e esquerdista ,assim como Rogerio Medeiros , nao cita que em Sao paulo o pt nao apoiou o Psol e lançou candidato proprio, a esquerda virá dividida com boulos, ciro, alguem indicado pelo presidiario, entre outros, o centro e a direita darao o tom em 2022, só nao vê quem nao quer
Fanny Maria Bittencourt Daniel em Quarta, 02 Dezembro 2020 17:22

Parabéns ao jornalista Roberto Junquilho pela matéria lúcida. Ele foi capaz de analisar que em Vitória a vitória foi da extrema-direita obscurantista, encarnada na atitude do ex-deputado Pazolini... Agora, observamos que ele se rodeou de elementos relacionados ao ex-governador Paulo Hartung, e ficou mais chique. Entretanto, o apoio de Evandro Figueiredo, envolvido com divulgação de fake news, tornou mais claro uma delas, falada pelo próprio Pazolini numa entrevista à Gazeta Online, onde ele acusa que na secretaria de educação de Vitória há livros que ensinam e orientam pais a terem relações sexuais com filhas! Agora, como prefeito,, será que ele vai conseguir encontrar tal bibliografia? Fake news requentada da campanha de Bolsonaro... Ele justificou a invasão do Hospital Dório Silva alegando que havia sido chamado pelo COREN-ES e Sindienfermeiros - o que ambos negaram. Agora o chique é dizer fake news em lugar de mentiras... Além disso, a pedido de Damares, tentou intervir junto à familia da menininha de São Mateus, para impedir o aborto legal, alegando estar defendendo o direito da garotinha. Lamentavelmente, nada disso está relacionado ao centro, à direita de raiz, MAS À EXTREMA-DIREITA fascistóide... Isso é muito triste, termos um filhote de Magno Malta com Damares na gestão da prefeitura de Vitória, que se faz de santinho. Parabéns à matéria, por sua lucidez e capacidade de análise.

Parabéns ao jornalista Roberto Junquilho pela matéria lúcida. Ele foi capaz de analisar que em Vitória a vitória foi da extrema-direita obscurantista, encarnada na atitude do ex-deputado Pazolini... Agora, observamos que ele se rodeou de elementos relacionados ao ex-governador Paulo Hartung, e ficou mais chique. Entretanto, o apoio de Evandro Figueiredo, envolvido com divulgação de fake news, tornou mais claro uma delas, falada pelo próprio Pazolini numa entrevista à Gazeta Online, onde ele acusa que na secretaria de educação de Vitória há livros que ensinam e orientam pais a terem relações sexuais com filhas! Agora, como prefeito,, será que ele vai conseguir encontrar tal bibliografia? Fake news requentada da campanha de Bolsonaro... Ele justificou a invasão do Hospital Dório Silva alegando que havia sido chamado pelo COREN-ES e Sindienfermeiros - o que ambos negaram. Agora o chique é dizer fake news em lugar de mentiras... Além disso, a pedido de Damares, tentou intervir junto à familia da menininha de São Mateus, para impedir o aborto legal, alegando estar defendendo o direito da garotinha. Lamentavelmente, nada disso está relacionado ao centro, à direita de raiz, MAS À EXTREMA-DIREITA fascistóide... Isso é muito triste, termos um filhote de Magno Malta com Damares na gestão da prefeitura de Vitória, que se faz de santinho. Parabéns à matéria, por sua lucidez e capacidade de análise.
Fanny Maria Bittencourt Daniel em Quarta, 02 Dezembro 2020 17:31

Complementando. COncordo com o leitor acima, Guilherme Pereira. Preocupa-me o jogo desleal de Pazolini, com inverdades descaradas e arrogando para si fatos de outras pessoas, tal como a participação no Fórum Araceli (antigamente chamado de Fórum Municipal de Enfrentamento ao Abuso e Exploração de Crianças e Adolescentes). Esse fato TAMBÉM foi negado pela entidade. Ele prometeu que iria reformular o ensino médio da capital. Ele DESCONHECE que não há ensino médio municipal. Pertence ao Estado! Ele, na fala da ex-candidata Neuzinha que dizia que ele havia sido responsável pela criação do terceiro conselho tutelar de Vitória! INVERDADE, pois foi feito uma ação civil pública movido pelo próprio conselho tutelar, que resultou na abertura do necessário conselho tutelar da capital... Assim, discurso ideológico forte, entremeado com inverdades. Isso, infelizmente não é um candidato de direita! Oxalá o fosse!! estaríamos bem melhor de candidato... É extrema-direita, com extrema hipocrisia! Lamento.

Complementando. COncordo com o leitor acima, Guilherme Pereira. Preocupa-me o jogo desleal de Pazolini, com inverdades descaradas e arrogando para si fatos de outras pessoas, tal como a participação no Fórum Araceli (antigamente chamado de Fórum Municipal de Enfrentamento ao Abuso e Exploração de Crianças e Adolescentes). Esse fato TAMBÉM foi negado pela entidade. Ele prometeu que iria reformular o ensino médio da capital. Ele DESCONHECE que não há ensino médio municipal. Pertence ao Estado! Ele, na fala da ex-candidata Neuzinha que dizia que ele havia sido responsável pela criação do terceiro conselho tutelar de Vitória! INVERDADE, pois foi feito uma ação civil pública movido pelo próprio conselho tutelar, que resultou na abertura do necessário conselho tutelar da capital... Assim, discurso ideológico forte, entremeado com inverdades. Isso, infelizmente não é um candidato de direita! Oxalá o fosse!! estaríamos bem melhor de candidato... É extrema-direita, com extrema hipocrisia! Lamento.
Fabio F. em Quarta, 02 Dezembro 2020 22:20

A esquerda está em estado de paranóia. Surpreendente a análise distorcida e adjetivada desse artigo, cheio de paixões pessoais. A esquerda não está entendendo o fenômeno atual. Está enxergando o “Boulos” como uma solução. Arrogância. Perderão novamente em 2022 e nos anos seguintes.

A esquerda está em estado de paranóia. Surpreendente a análise distorcida e adjetivada desse artigo, cheio de paixões pessoais. A esquerda não está entendendo o fenômeno atual. Está enxergando o “Boulos” como uma solução. Arrogância. Perderão novamente em 2022 e nos anos seguintes.
Vinícius em Sexta, 04 Dezembro 2020 08:38

Enquanto Cientista Social, em minha concepção, Pazolini pertence ao campo da extrema-direita, pois guarda relação com Damares, Assumção, Magno Malta, Madureira e Gratz, ou seja, com o bolsonarismo, com a bancada da bíblia, da bala e com o crime organizado. Já quanto a essa "tradição de esquerda" mencionada na gestão da PMV, desde a redemocratização, é um equívoco. Hartung e Rezende, p. ex., nem centroesquerda são.

Enquanto Cientista Social, em minha concepção, Pazolini pertence ao campo da extrema-direita, pois guarda relação com Damares, Assumção, Magno Malta, Madureira e Gratz, ou seja, com o bolsonarismo, com a bancada da bíblia, da bala e com o crime organizado. Já quanto a essa "tradição de esquerda" mencionada na gestão da PMV, desde a redemocratização, é um equívoco. Hartung e Rezende, p. ex., nem centroesquerda são.
Visitante
Quarta, 27 Janeiro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection