Dólar Comercial: R$ 5,62 • Euro: R$ 6,67
Sábado, 24 Outubro 2020

​O fantasma da fome

Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) são reveladores e comprovam a existência de um quadro assustador e mais denso com pandemia do coronavírus. O fantasma da fome está cada dia mais presente na vida dos brasileiros. 

A pesquisa mostra que mais de 10,3 milhões viveram em situação de insegurança alimentar grave, ou seja, passaram fome em algum momento entre 2017 e 2018 e, com a pandemia e seus efeitos econômicos, o Brasil caminha para voltar ao Mapa da Fome.

O Programa Mundial de Alimentos (WFP, na sigla em inglês), a maior agência humanitária da Organização das Nações Unidas (ONU), estima que cerca de 5,4 milhões de pessoas passem para a extrema pobreza em razão da pandemia. O total chegaria a quase 14,7 milhões até o fim de 2020, ou 7% da população, segundo estudos do Banco Mundial.

O Brasil saiu do Mapa da Fome em 2014, mas caminha a passos largos para voltar, afirmam especialistas, críticos da política do governo federal, responsabilizado pela omissão na condução da crise sanitária. O quadro motivou o surgimento de medidas alternativas, como "Gente é pra brilhar, não pra morrer de fome". Neste fim de semana acontece o "Marmitaço" em várias cidades, inclusive em Vitória, Espírito Santo. 

O movimento visa despertar a necessidade de serem adotadas políticas públicas capazes de alterar a situação, por meio de reformas estruturantes voltadas para as comunidades formadas por pessoas em maior risco de vulnerabilidade. Desse modo, além da distribuição e comida, os militantes encontram oportunidade de estimular o despertar para direitos inerentes à cidadania, entre os quais a segurança alimentar se sobressai, por ser vital ao ser humano e, além disso, está diretamente relacionada à dignidade das pessoas.

No Estado, a campanha pretende apoiar as iniciativas que trabalham nos locais mais vulneráveis socialmente, mas o trabalho não se resume apenas a essa atividade. Igualmente importante é a denúncia à falta de políticas públicas voltadas para as necessidades comunitárias vitais, muitas vezes deixadas sob a responsabilidade de instituições privadas, a maioria religiosas, cujas ações se enquadram no vazio filantropismo, que gera conformismo e em nada contribui para mudar o cenário.

Movimentos como "Gente é pra brilhar, não pra morrer de fome" são extremamente necessários, mais ainda em épocas eleitorais, pois representam caixas de ressonância à agonia que atinge milhões de brasileiros, que passam por insegurança alimentar grave, que atinge, também, crianças. Um quadro que somente será alterado com participação e cobrança de toda a sociedade.

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 24 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection