Sexta, 12 Julho 2024

O fiasco de Bolsonaro

A reunião feita com embaixadores no dia 18 de julho, uma segunda-feira, pelo presidente Jair Bolsonaro, foi algo sem precedentes, no pior sentido, em matéria de diplomacia mundial. Isto é, não existe nada parecido com o que aconteceu nos anais da diplomacia mundial. Foi uma reunião surreal.

Em uma tentativa mambembe de contestar a lisura das urnas eletrônicas, que tem sido mais uma arenga, dentre várias, deste governo que começou em 2019, o presidente, desta vez, viu o tiro sair pela culatra, numa repercussão péssima, em dimensões nacionais e internacionais.

Os ataques ao sistema eleitoral e a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), contrariando qualquer recomendação da diplomacia tradicional, não conseguiram nenhum apoio do corpo diplomático, e vai de encontro a critérios de razoabilidade e até de factibilidade do que o que era mesmo que estava sendo dito, proposto ou tratado neste encontro, isto é, soou como algo inusitado, e mais duramente, como uma coisa sem pé nem cabeça.

E para dizer outra coisa importante deste encontro com embaixadores, não houve respaldo algum entre parceiros comerciais do país, pelo contrário, estes atores reforçaram o recado de confiança nas urnas eletrônicas e, portanto, no sistema democrático do Brasil.

Embora a delegação da União Europeia tenha evitado comentar o evento, a embaixada norte-americana emitiu uma nota no dia seguinte em que reforça a confiança nas urnas eletrônicas, colocando o sistema eleitoral brasileiro como um modelo para o mundo. E a declaração do porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Ned Price, reafirmou esta posição de aprovação deste sistema eleitoral eletrônico do Brasil, e que as eleições brasileiras serão acompanhadas com grande interesse.

Entidades como a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Organização de Cooperação e Segurança Europeia (OCSE) possuem vasta experiência técnica em fiscalização de eleições, assim como entidades privadas, como a Fundação Carter. Se houvesse suspeita real destas urnas, por exemplo, bastava convidar estas organizações para missões de observação com as condições dadas para isto.

Contudo, o que poderia ser chamado de fake news, factoide, boato, na verdade podemos chamar de pretexto, com um outro sentido etimológico bem conhecido, que é a conversa fiada. Ou seja, não existe nem fundamento para que haja fiscalização sistemática por parte destas entidades e organizações, pois as vulnerabilidades de segurança das eleições no Brasil já foram testadas por hackers, dentre outras medidas.

Para saber, o que ocorreu no Palácio do Alvorada, uma preparação amadora de contestação golpista das eleições, não existe em política externa, em que a visão pessoal de um presidente é discutida com representantes estrangeiros, algo sem sentido do ponto de vista diplomático e um fiasco do ponto de vista internacional e nacionalmente, dada a repercussão.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rebateu declarações de que um hacker teve acesso a tudo dentro da corte eleitoral. Esta narrativa já é desmentida há anos, pelo fato, por exemplo, de o sistema das urnas eletrônicas não funcionarem em rede. As urnas eletrônicas também não estão conectadas à internet, em que o dispositivo funciona de modo isolado e não realiza transmissão dos resultados da eleição, pois estes são conferidos logo após o término da eleição, com a impressão do Boletim de Urna.

O fiasco desta reunião de Jair Bolsonaro, em teoria diplomática, foi ao mundo real quando uma série de cartas em defesa da democracia começaram a ser redigidas e divulgadas, incluindo a carta principal, que foi uma nova Carta às brasileiras e aos brasileiros da USP, inspirada na carta de 1977 lida pelo professor Goffredo da Silva Telles Junior, que comemorou agora 45 anos, e que denunciava o regime militar.

Esta nova carta foi lida em 11/8/2022, uma quinta-feira, em um evento na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. A adesão foi enorme, alcançando mais de um milhão de assinaturas. Com grande repercussão, foi assinada até pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), e uma das poucas instituições que tergiversaram e não assinaram foi a CNJ (Conselho Nacional de Justiça). Os principais presidenciáveis, Lula da Silva (PT), Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB) também assinaram a carta. Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Dilma Rousseff também apoiaram a iniciativa.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) não assinou a carta da USP, contudo, redigiu documento próprio, em que recebeu adesão de políticos, ONGs, sindicatos de trabalhadores, universidades, etc. Jair Bolsonaro declinou do convite de assinar esta carta e desdenhou a iniciativa, pois parece que a carapuça serviu, o que coloca mais uma pá de cal nesta tese estapafúrdia e renitente, uma das diversas arengas deste governo, que podemos presenciar desde 2019.

Outra carta foi de órgãos de imprensa, em que três associações de comunicação redigiram documentos defendendo a liberdade de imprensa, incluindo a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ). Tivemos também a carta da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), intitulada "Manifesto à nação em defesa da democracia".

Historicamente, em 24 de outubro de 1943, tivemos o chamado Manifesto dos Mineiros, no aniversário da vitória da Revolução de 1930, publicada por importantes nomes da intelectualidade liberal mineira em que se defendia a redemocratização e o fim do regime do Estado Novo sob Getúlio Vargas.

A carta não abalou o regime, que ainda se encontrava forte em 1943, mas foi uma referência no processo de redemocratização que se deu em 1945, dando fim ao Estado Novo, o que incluiu em janeiro deste ano a exigência feita no Primeiro Congresso Brasileiro de Escritores por um governo eleito por sufrágio universal, direto e secreto. O Manifesto dos Mineiros depois foi publicado em jornal e resultou em prisões, demissões de cargos públicos e perseguições aos signatários.

A Carta aos Brasileiros de 1977, que inspirou esta agora de 2022, foi redigida pelo jurista Goffredo da Silva Telles Jr, sendo lançada em 8 de agosto de 1977, ocasião em que se comemorava o sesquicentenário da fundação dos cursos jurídicos no Brasil, no Largo de São Francisco da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, como repúdio à ditadura militar. Esta carta foi feita como uma reação contra o Pacote de Abril, em que o presidente Ernesto Geisel alterava a Constituição Federal, outorgada em 1969 pela Junta Militar, para a criação dos senadores biônicos e com várias medidas de restrição à liberdade.

Em declaração recente, na cerimônia de formatura de aspirantes a oficiais do Exército de Resende - RJ, onde ele acompanhou uma motociata em sua homenagem na via Dutra, o presidente Jair Bolsonaro afirma que respeitará o resultado das urnas, mesmo que sofra uma derrota.

Parece que este discurso ambíguo, um tipo de jogo duplo, se repete nas declarações deste governo, e certo que a ressalva vem em seguida, com o compromisso do presidente em contestar o resultado, caso seja derrotado, mas que diante da repercussão civil e institucional, com diversos órgãos e fundações reagindo, abaixo-assinados e refutações internacionais, com um convescote ridicularizado pela diplomacia mundial, o pior momento para a imagem do Itamaraty, com o Barão de Rio Branco se rebatendo na tumba, ficou de bom tom Bolsonaro fazer este recuo aparente.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 5

Eli em Quarta, 24 Agosto 2022 18:03

O sujeito quando é grosso, desequilibrado e despreparado acaba acontecendo isso. O MINTO já era.

O sujeito quando é grosso, desequilibrado e despreparado acaba acontecendo isso. O MINTO já era.
Walter em Quarta, 24 Agosto 2022 21:06

Tem muita gente querendo ver o Brasil saqueado novamente onde roubaram até nossos sonhos. Mas isto não irá se repetir. É Bolsonaro de novo. Quem quiser que vá pra Cuba, Venezuela etc

Tem muita gente querendo ver o Brasil saqueado novamente onde roubaram até nossos sonhos. Mas isto não irá se repetir. É Bolsonaro de novo. Quem quiser que vá pra Cuba, Venezuela etc
Eli em Quarta, 24 Agosto 2022 22:43

Quem saqueou o Brasil foi o bozo desviando 220 milhões da educação junto de pastores, rachadinhas, motociatas com dinheiro público, compra de votos com a reforma da previdência etc. O gado está descontrolado. LULA está eleito no Primeiro turno e expulsarem o Anticristo junto com o seu gado.

Quem saqueou o Brasil foi o bozo desviando 220 milhões da educação junto de pastores, rachadinhas, motociatas com dinheiro público, compra de votos com a reforma da previdência etc. O gado está descontrolado. LULA está eleito no Primeiro turno e expulsarem o Anticristo junto com o seu gado.
Walter em Quinta, 25 Agosto 2022 00:05

Não consigo imaginar o que passa na cabeça de uma pessoa defender ladrão. Realmente o ser humano nunca decepciona.

Não consigo imaginar o que passa na cabeça de uma pessoa defender ladrão. Realmente o ser humano nunca decepciona.
Agmarcarioca amigo do Mito em Quinta, 25 Agosto 2022 11:31

Lula ajudou muitos paizes la fora e esqueceu do povo do nosso paiz,colocou a Dilma para esconder o rombo,e tao bom que nao socorreu a Dilma que parou o Brasil e ainda foi cassada,nao se fala mais nos processos do Lula,universidades publicas para quem vem da escolas publicas

Lula ajudou muitos paizes la fora e esqueceu do povo do nosso paiz,colocou a Dilma para esconder o rombo,e tao bom que nao socorreu a Dilma que parou o Brasil e ainda foi cassada,nao se fala mais nos processos do Lula,universidades publicas para quem vem da escolas publicas
Visitante
Sexta, 12 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/