Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Sábado, 15 Mai 2021

O NFT, a Criptoarte e suas novidades – Parte I

O NFT aparece como o grande movimento dentro da internet, desde a transformação provocada pelo Blockchain e pela criptomoeda Bitcoin. E o NFT é um cripto-colecionável, isto é, uma tecnologia que envolve transações de ativos digitais.

Os NFTs podem ser vídeos, criptoarte, jogos e itens colecionáveis. Os casos de vendas de NFT que repercutiram, recentemente, foram o meme Nyan Cat, peças de arte da cantora Grimes e o primeiro tuíte do CEO do Twitter.

A grande transformação do NFT, contudo, é sim na arte digital ou criptoarte. A sigla significa non-fungible token (em tradução livre, token não fungível) e se trata de um tipo de chave eletrônica criptográfica usada de forma única.

A pessoa que compra um NFT se torna proprietária de uma espécie de certificado de propriedade intelectual, com autenticidade e unicidade garantidas por esta chave criptográfica, o que lhe garante o caráter de um bem original, e não uma cópia.

O conceito de não-fungível é dizer que algo não pode ser cambiável por outro semelhante, como uma nota de cem pode ser trocada por duas de cinquenta, por exemplo. O NFT, então, é diferente de bens digitais ou criptoativos fungíveis como Bitcoin, Ethereum e a maioria das criptomoedas. Um bem não-fungível tem o caráter de ser único e original.

O NFT, envolvendo um bem não-fungível e digital, portanto, quando falamos da criptoarte, se refere a um mercado que se torna semelhante ao das obras de arte físicas. O ambiente virtual toma emprestado conceitos que vêm deste mercado e aplica às transações de criptoarte.

O NFT surgiu em 2012, com a apresentação da Coloured Coins, também conhecida como Bitcoin 2.x, uma criptomoeda que não vingou. O NFT mais comum, hoje em dia, é o padrão ERC-721, que opera na rede Ethereum, tendo NFTs de outros padrões, também, como o ERC-1155, da Enjin, que tem foco em videogames.

O Ethereum é a segunda criptomoeda mais famosa do mundo, atrás somente do Bitcoin, e, no caso do NFT, o Ethereum é fundamental, pois a chave criptográfica é armazenada no Blockchain Ethereum (ETH), que suporta a gravação de informações extras que diferenciam uma ETH (moeda virtual) de um NFT (ativo único).

A base do NFT está no Blockchain, pois este pode rastrear a troca de certas informações pela internet, criando uma rede de blocos entre os envolvidos nessa troca. Todas as vendas de NFT, portanto, estão registradas em detalhes no Blockchain.

Um NFT é único, por sua vez, pois comporta um valor específico e, também, tem propriedades próprias de seu token, pois este possui um hash digital, um tipo de função que converte letras e números em criptografia, que é diferente em cada padrão adotado, garantindo a originalidade de um NFT, e impedindo a sua falsificação.

O NFT de uma obra de arte, por exemplo, pode ser comprado como um tipo de investimento para uma possível venda futura se esta peça se valorizar no mercado. No caso do meme do Nyan Cat, o GIF foi leiloado por Chris Torres e arrecadou 300 ETH, o que equivale a cerca de US$ 600 mil e, a não ser que esteja especificado em contrato, o novo dono pode até explorar comercialmente o meme, lucrando com este NFT que agora lhe pertence.

E a indústria fonográfica também começa a explorar o mercado de NFTs, a banda Kings of Leon, por exemplo, lançou um novo álbum que incluía versões em NFT com certos benefícios exclusivos para o comprador.

Pode se dizer que a tecnologia não vai acabar com a pirataria, mas pode recriar e recuperar um mercado que entrou em crise com o surgimento do MP3, e depois, com uma pequena melhora, mas ainda ínfima, com as reduzidas compensações do streaming.

Com o NFT, então, podemos ter o caso de verdadeiros fãs desembolsando dinheiro para angariar reconhecimento de seu artista escolhido ou favorito e dar apoio às suas iniciativas.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 15 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/