Dólar Comercial: R$ 5,02 • Euro: R$ 6,11
Quarta, 27 Janeiro 2021

Política, politiqueiros e politicagem

Muitas vezes penso que o andamento da política brasileira traz, mesmo diante de tantos absurdos, um benefício maior à população que é a sua popularização, o que teoricamente enriqueceria o debate. Contudo, o que assistimos é bem o contrário. O debate está cada vez mais reduzido ao confronto de interesses menores, como se dá nas competições em que as torcidas se formam por bairrismos e outros valores ligados à individuação dos competidores.

Para refletirmos sobre o caso, precisamos entender o que aconteceu com os rumos da discussão política na história da humanidade que fez com que chegássemos a essa desfiguração de uma atitude historicamente nobre.

Na Filosofia Antiga, podemos beber em Platão com sua obra A República, principalmente no livro VII com o Mito da Caverna, para entender a nobreza da atitude política. O fugitivo da caverna, após sofrer em sua saga de libertação, desde o rompimento das correntes até o percurso árduo da subida para sair da caverna, a cegueira do primeiro contato com a luz, dentre outros enfrentamentos, retorna à sua antiga prisão para contaminar seus parceiros da necessidade de conhecimento da verdade para a própria libertação. Atitude política: "se sacrifica" retornando à escuridão, por um caminho difícil e para uma tarefa mais difícil ainda, que é a libertação de quem não se enxerga preso. Embora o resultado de sua nobre atitude o tenha levado à morte, vale a leitura do Livro VII de A República.

Depois de Platão, seu aluno Aristóteles, considerado "O Filósofo", define três formas de governo: monarquia, aristocracia e democracia, destacando que podem acontecer degenerações que as tornariam respectivamente: tirania, oligarquia e demagogia. A partir daí, poderemos entender melhor o que aconteceu na política e, principalmente, em nossa democracia.
A democracia foi definida pelo Filósofo como "poder político dissolvido entre a massa de cidadãos". Isso parece muito bom, mas na prática a teoria é outra, o poder fica na mão dos representantes que vão defender seus interesses e de seus grupos de apoio, como previsto por Aristóteles em sua degeneração para uma demagogia.

A demagogia se tornou tão clara em nosso tempo, que os quase 2.500 anos que nos separam desaparecem. É como se O Filósofo tivesse sido inspirado pelos jornais de hoje, principalmente se verificarmos como verdadeiramente se dá o engajamento dos políticos, tão distante da visão de sacrifício pela coletividade que ele entendia.

Ao invés disso, é uma posição almejada por todos que queiram uma pose privilegiada na sociedade. Além dos altos salários, os privilégios e o uso do poder para proveito próprio ou de grupos de apoio se tornaram vala comum, previsível e aceita passivamente pela sociedade como se fosse o trivial.

Para esperançar tempos melhores é fundamental sermos fiéis aos conceitos e buscar a construção de uma sociedade politicamente amadurecida, que eleja o representante sábio, exija-lhe isenção na administração da coisa pública e se esclareça cada vez mais dos objetivos de vivermos num contrato social que prevê uma representação para os interesses de todos, refutando a politicagem da enganação e os politiqueiros dos interesses menores.

Naturalmente isso não acontecerá facilmente, necessita de um rompimento com nossa cultura que privilegia sempre o sujeito individual, mesmo que em função coletiva, lhe permitindo o exercício de preferências e pessoalidades, da conhecida "lei de Gérson" ou o dito popular: "farinha pouca, meu pirão primeiro".

Outras fontes mais modernas, como Maquiavel e Montesquieu, já contaminados com essa "degeneração" pós idade média, constroem, para o exercício da política, novos olhares que em si esclarecem, justificam e modelam a prática de política que vivemos, valendo uma boa leitura sem deixar de considerar a característica de seus tempos, quando o "sonho" aristotélico já havia acabado.

A Filosofia enquanto reflexão do mundo e de si, se faz ferramenta útil nessa tarefa. Somente o cidadão esclarecido e crítico poderá reconhecer, romper e lutar contra a degeneração da democracia que vivemos. Talvez por isso mesmo, ela esteja constantemente ameaçada de ser excluída das grades curriculares. 

"Como é perigoso libertar um povo que prefere a escravidão!" Nicolau Maquiavel


Everaldo Barreto é professor de Filosofia

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 2

Marcos grillo em Sexta, 27 Novembro 2020 11:08

E pensar que Maquiavel muito contribuiu com seu pensamento na construção do dominio do povo pela escravidâo...

E pensar que Maquiavel muito contribuiu com seu pensamento na construção do dominio do povo pela escravidâo...
Everaldo Barreto Moura em Sexta, 27 Novembro 2020 19:03

Penso que fêz uma leitura da tirania vigente.

Penso que fêz uma leitura da tirania vigente.
Visitante
Quarta, 27 Janeiro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection