Quarta, 27 Outubro 2021

Quem vai, quem fica?

Superados os estragos que a pandemia trouxe para a humana raça, as quatro maiores fortunas do mundo se uniram para fabricar aviões mais rápidos que a luz, decolando de um vasto aeroporto afastado dos locais habitados. Leia-se: ex-Floresta Amazônica. Nem o rio sobrou. Não sei se perceberam um pequeno detalhe: decolando, mas não aterrissando. Vai quem quer, ninguém é forçado, e como nos inícios das colonizações do continente americano, vão também os condenados a penas longas ou à pena máxima. Implantam-lhes um minúsculo chip no cérebro - cometendo qualquer delito, Boom! Morte súbita.

*

Os que partem assumem apenas um compromisso - enviar fotos e o máximo de informações sobre o que virem e descobrirem para as autoridades. Fato é que cientistas e técnicos não acharam um jeito de trazer as naves de volta - elas podem vagar no espaço, descer em outros planetas que as aceitem, ficar ou partir - menos na Terra. Estranho é o comportamento humano: nunca faltaram passageiros nas saídas anuais dos aviões intergaláticos, mesmo sem informações precisas quanto às possibilidades de retorno: Em algum momento, mas não sabemos quando nem como...Crianças não estão autorizadas a partir.

*

Em um dia chuvoso, moral abaixo de zero, fui também - os filhos sumiram pelo mundo, nem e-mails respondem; o marido se mandou com uma funcionária pública aposentada, pensão maior que a minha. O médico mandou pelo correio o diagnóstico - último estágio. Não dão mais essas notícias cara a cara. Tem alguém para quem eu possa mandar o resultado dos exames? Um aceno negativo de cabeça. Então enviaremos pelo correio em dois ou três dias…mandaram.

*

Nada posso contar sobre o voo - Anos-luz…quanto tempo é isso? Dormimos, acordamos com as luzes se acendendo, as TVs de bordo chiando à procura de sinais…Primeira refeição servida. As perguntas enchem o ar - Em que ano estamos? Qual o planeta mais próximo? O universo parece um quadro que ficou pendurado na minha sala - tons de azul e caos - o universo em decomposição, pontos de luz nos espiando de longe. Mas de repente...o que é aquela bola vindo em nossa direção? Algum planeta habitado? Ainda não encontraram outras civilizações no insondável deserto intergaláctico, mas não foi também cientificamente comprovado que não existem. Raciocínio simplista: se nem somos uma civilização perfeita, por que seríamos a única?

*

Chegamos perto de alguma estrela e parece o dia amanhecendo na terra: vemos esferas que podem ser estrelas, luas e planetas flutuando ao nosso redor, indiferentes à nossa intromissão. Uma bola esverdeada se aproxima - ou nos aproximamos dela. A voz sem dono soa nos alto-falantes: Planeta Agus 345, Nebulosa Vertical 01D7. Possibilidade de água e oxigênio, a cor esverdeada pode indicar vida vegetal…Abordagem centrífuga em duas horas. Apertem os botões em seus celulares - verde, abordar, vermelho, prosseguir. Boa sorte! Fico me perguntando, porque vermelho tem gênero variável e verde não tem?

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 27 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/