Dólar Comercial: R$ 5,76 • Euro: R$ 6,72
Sexta, 30 Outubro 2020

Risco extremo

As medidas anunciadas para o feriado de Corpus Christi e o alerta do governador Renato Casagrande sobre o risco extremo que representa o avanço do coronavírus no Espírito, ainda não foram suficientes para provocar a redução de pessoas nas praias, supermercados e outros pontos de aglomeração. A interação pessoal em alguns locais muito pouco difere de dias normais. E não são. É preciso endurecer as ações.

O período é crítico, a curva ascendente da contaminação mostra que ainda se está longe de uma fase mais tranquila. No Espírito Santo, 42 municípios estão com risco moderado, 36 com risco alto.

Segundo especialistas, o Brasil está no pior momento da pandemia e o Estado não é exceção. Nesse contexto, e seguindo o exemplo de outros centros urbanos, as medidas deveriam ser mais rígidas desde agora.

Estamos em uma situação que é agravada pela falta de um programa coordenado pelo governo federal, que transformou os esforços para conter a Covid 19, a doença provocada pelo coronavírus, em um embate político-ideológico, estimulando aglomerações e outros casos de desobediência civil, ignorados por quem de direito.

Desse modo, só por meio de amplas negociações, o governo federal concordou, em 6 de maio, com a ajuda financeira a estados e municípios, a fim de compensar a queda na arrecadação. A primeira parcela, apesar da emergência, só foi liberada no último dia 9, mais de um mês depois de a medida ser aprovada. Contribui para cobrir brechas na máquina pública, mas perde a consistência por não fazer parte de um programa com objetivos específicos.

O governador Renato Casagrande anunciou medidas de restrição máxima de circulação de pessoas, uma forma de lockdown, que poderão ser implementadas quando a ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ultrapassar 90%, válidas por pelo menos 14 dias. 

Exemplos que vêm de fora do País e o atraso com que o Brasil iniciou o enfrentamento ao coronavírus, devidamente comprovado, demonstram que, na fase atual, as medidas anunciadas pelo governador deveriam ser estendidas. Não basta querer sensibilizar a população anunciando um risco que está por vir, quando na realidade ele já está às portas e demonstra celeridade significativa, como mostram os dados oficiais, com quase mil mortos e apontando para cima.

As medidas anunciadas para o feriadão, se estendidas, certamente resultarão em controle mais efetivo da doença, com redução dos níveis de contaminação, embora, de outro lado, gerem críticas de setores descompromissados com a proteção da sociedade. O risco já é extremo e assim precisa ser considerado.

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 30 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection