Dólar Comercial: R$ 5,62 • Euro: R$ 6,67
Segunda, 26 Outubro 2020

Sugestão Netflix: Tatu

Suspense nigeriano baseado na obra do prolífico escritor Dr. Abraham E. Nwankwo, o filme mistura elementos de suspense com as clássicas histórias de feiticeiros africanos.

O nome do filme deriva da protagonista, que ao nascer é oferecida pelos aldeões ao deus Buru. Sua mãe, ciente da maldade encarnada dos cultos, faz um acordo com o feiticeiro pela custódia da filha. Tatu pode ficar com a mãe até a completar a maioridade, quando deve ser levada para os sacerdotes locais.

Para protegê-la e inibir seus poderes mágicos herdados por nascimento e destino pelas forças ocultas, a mãe coloca-a num convento da cidade, imaginando que assim a filha não chamaria atenção. Ao completar a maioridade, o feiticeiro vai atrás de sua parte no acordo de anos atrás e, evidentemente, Tatu não retorna à vila.

O feiticeiro irado ordena que seus lacaios anões joguem a mãe no poço, deixando-a apenas com o mínimo para sobreviver. Como o combinado foi quebrado, o feiticeiro usa seus poderes para encontrar a escolhida do deus Buru. A menina já demonstrava não ter aptidão para vida religiosa, o que facilitou o trabalho do feiticeiro, que encontra seu paradeiro com mais facilidade.

À medida que ela se expõe, sua identidade real é descoberta pelo namorado Wally e também pela madre superiora e, como consequência, Tatu é expulsa do convento. Ela se refugia na casa de Wally e, pressentindo o mal que se aproxima pede ajuda a ele, que busca o contato de conhecidos ligados à Igreja Católica.

Um dos padres conheceu Tatu no seus primeiros dias de orfanato, mas admitiu que pouco conhecia do culto e o único que poderia ajuda-los a combater a magia era o padre Hanno, antigo conhecido de sua mãe. O casal volta para o convento para uma reunião com o padre Hanno e a madre superiora, agora que tudo está esclarecido sobre seu passado, o padre alerta sobre os perigos de seu protetor e irmão no ritual de holocausto que está ligado diretamente a ela por união espiritual. Qualquer deslize pode revelar seu paradeiro, por isso deve permanecer sob proteção.

Diferente do cinema americano, onde os personagens tradicionalmente maus são relativizados, com comportamento humano e em alguns casos até bons, neste filme os personagens são maus à moda tradicional, quer dizer muito maus.

O filme poderia ser muito melhor se tivesse resolvido alguns problemas simples na parte técnica e também na escolha dos atores que são péssimos. Excetuando estes defeitos, o filme é bom. 

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 26 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection