Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Segunda, 21 Junho 2021

A poesia ultramarina de Sophia de Mello Breyer Andresen

Sophia_de_Mello_Breyner_redesociais Redes sociais
Redes sociais
No livro Navegações, de 1983, a poeta Sophia de Mello Breyner Andresen continua com a parte de sua poesia de temática política, e se concentra num tipo de consciência política em que o mar, seu eixo poético supremo, vem com toda a carga histórica.

Sua poesia, neste livro, novamente se depara e enfrenta a realidade histórica do evento político como fonte de uma poesia que reforça imagens clássicas das viagens ultramarinas portuguesas.

Nesta jornada ultramarina, aparecem poetas do cânon português como a grande origem da linguagem lusófona que foi Luís de Camões, este que fora o autor incontornável para a poesia portuguesa do clássico livro Os Lusíadas.

Por sua vez, Navegações é um livro que traz descobertas, esta busca das navegações portuguesas por territórios a serem explorados é, também, a produção de um éthos.

Este éthos é uma busca de uma vida plena, que ultrapassa o próprio fenômeno histórico, algo que culmina em imagens como a do marinheiro, e que nos remete a experiências de alto-mar, a vida no mar que se expande defronte à própria riqueza da natureza.

Aqui temos uma aventura que transcende marcadores socioculturais e convenções ideológicas. Poemas breves compõem este espaço de descrição desta experiência direta, isto é, sem a mediação de limitadores artificiais, estamos aqui diante da natureza pura em alto-mar.

A suspensão ideológica é o resultado da abordagem poética de Sophia neste livro, e, então, a ausência completa de um programa político neste livro, a epifania produzida visa o coletivo, mas não aprisiona a experiência poética num marcador cultural ou político específico, existe neste livro um tipo de liberdade absoluta.

No seu livro, Ilhas, de 1989, há também o tema da viagem, com as paisagens culturais e geográficas indo além de Portugal e da Grécia, poemas de diversas abordagens, como o que fala do Palácio Mocenigo em que se instala o poeta inglês Lord Byron.

Ainda temos um poema chamado Veneza, e vemos o contato do Oriente com o Ocidente, o que se descreve no primeiro encontro entre europeus e japoneses no poema Os biombos Namban.

E o poema mais visceral aparece, neste livro, em Não te esqueças nunca, em que Treblinka, na Polônia, e Hiroshima, no Japão, são o centro imagético que queima a visão diante da desumanidade da guerra, que no século XX atingiu um nível de barbárie sem precedentes na História humana.

E neste livro Ilhas há, por fim, este eixo temático da viagem que mistura História, poemas que descrevem lugares, como o citado do Palácio Mocenigo, poemas sobre viajantes, e o poema Carta (s) a Jorge de Sena, que fala de um emigrante, que é o retrato de um português legítimo do século XX.

DE NAVEGAÇÕES

LISBOA: A poeta Sophia se abre a Lisboa ao passo que a cidade se abre em seu poema, no que temos : "Digo :/"Lisboa"/Quando atravesso – vinda do sul – o rio/E a cidade a que chego abre-se como se do seu nome nascesse". Lisboa que nasce de seu próprio nome, se expande neste poema, no que vem : "Abre-se e ergue-se em sua extensão nocturna/Em seu longo luzir de azul e rio/Em seu corpo amontoado de colinas -/Vejo-a melhor porque a digo/Tudo se mostra melhor porque digo/Tudo mostra melhor o seu estar e a sua carência/Porque digo/Lisboa com seu nome de ser e de não-ser". A sensação da poeta é que ao dizer o nome de Lisboa esta se fixa no poema e em sua realidade, no que temos : "Enquanto o largo mar a Ocidente se dilata/Lisboa oscilando como uma grande barca/Lisboa cruelmente construída ao longo da sua própria ausência/Digo o nome da cidade/- Digo para ver". Aqui o sentido da visão se dá através de dizer o nome Lisboa. A poeta faz ver ao dizer o nome desta cidade.

AS ILHAS: A navegação aqui se dá no percurso do poema até a visão das ilhas : "I : Navegámos para Oriente -/A longa costa/Era de um verde espesso e sonolento". A descrição marítima e de seu clima se abre e a poeta coloca os versos nesta paisagem que toma a sua visão : "Um verde imóvel sob o nenhum vento/Até a branca praia cor de rosas/Tocada pelas águas transparentes". As ilhas, então, finalmente aparecem, e o poema celebra : "Então surgiram as ilhas luminosas/De um azul tão puro e tão violento/Que excedia o fulgor do firmamento/Navegado por garças milagrosas" (...) "E extinguiram-se em nós memória e tempo". Ao fim, diante deste evento, findam-se memória e tempo.

III: A poeta se volta ao luzir da madrugada, no que vem : "À luz do aparecer a madrugada/Iluminava o côncavo de ausentes/Velas a demandar estas paragens". As paragens e a escuridão dão um clima ao poema, e segue : "Aqui desceram as âncoras escuras/Daqueles que vieram procurando/O rosto real de todas as figuras/E ousaram – aventura a mais incrível -/Viver a inteireza do possível". Neste tatear da realidade da vida, em sua busca, aqueles que buscaram a face real das coisas conseguiram viver a inteireza do possível, aqui podemos falar da vida plena ou da plenitude como dom e desiderato.

V: A poeta segue em sua visão total da vida, e esta busca no poema revela e alcança este dom ou faculdade de ver a verdade, aqui a exposição do visível em sua forma plena e inteira é, propriamente, o que temos como o verdadeiro : "Ali vimos a veemência do visível/O aparecer total exposto inteiro/E aquilo que nem sequer ousáramos sonhar/Era o verdadeiro".

VII: A poeta Sophia abre as singraduras da navegação, e o poema aqui se enuncia : "Outros dirão senhor as singraduras/Eu vos direi a praia onde luzia/A primitiva manhã da criação" (...) "Eu vos direi a nudez recém-criada/A esquiva doçura a leve rapidez/De homens ainda cor de barro que julgaram/Sermos seus antigos deuses tutelares/Que regressavam". As origens são evocadas, uma realidade nua, que acabou de ser criada, com homens ainda mal saídos da terra, sob deuses tutelares, aqui se descreve poeticamente a criação.

VIII: A poeta, mais uma vez, se coloca em seu sentido da visão, aqui podemos dizer que ela vê com o olho de seu espírito, e que a dá o dom da poesia, e de sua descrição rica, no que vem : "Vi as águas os cabos vi as ilhas/E o longo baloiçar dos coqueirais/Vi lagunas azuis como safiras/Rápidas aves furtivos animais/Vi prodígios espantos maravilhas/Vi homens nus bailando nos areais/E ouvi o fundo som de suas falas/Que já nenhum de nós entendeu mais". Existe algo que ainda não se entende, a poeta, então, bebe na mitologia, um de seus eixos temáticos : "Vi o rosto de Eurydice das neblinas/Vi o frescor das coisas naturais/Só do Preste João não vi sinais/As ordens que levava não cumpri/E assim contando tudo quanto vi/Não sei se tudo errei ou descobri". E de tudo que a poeta viu, nem ela mesma pode mensurar ou entender exatamente o que viu.

DE ILHAS

A PRINCESA DA CIDADE EXTREMA OU A MORTE DOS RITOS: Aqui a poeta faz uma viva descrição que tem o clima oriental e mitológico, como se estivesse contando uma lenda, no que temos : "Quando o palácio do rei do Estio foi invadido/Isô princesa da Cidade Extrema/Inclinou gravemente a cabeça pequena/E em seu sorriso de coral os dentes brilharam como grãos de arroz". A riqueza dos versos é compatível com todo o requinte que envolve a temática : "Quando levaram sua colecção de jades/O seu leito de sândalo/O sorriso franziu sua narina fina/Suas pestanas acenaram como borboletas" (...) "Quando levaram suas jarras vermelhas seus livros de estampas" (...) "Ela continuou flexível e serena/Suas pestanas aplaudiram como leques pretos/Seus lábios recitaram a sentença antiga :". A poeta agora enuncia a filosofia da princesa, que faz um breve provérbio, no que vem : "Aquele que é despojado fica livre". E esta princesa se vê, qual seu provérbio, na surpresa que este poema oferece : "No lago viu-se/Ela mesma era/Flexível e brilhante como seda/Fresca e macia como jade/Colorida e preciosa como estampa" (...) "Serena como seda dormiu nessa noite sobre esteiras" (...) "Porém a aurora do tempo novo despontou na cidade". E a princesa acorda de seu transe, no que vem : "Quando ela acordou/O cortejo das mãos não acorreu/A mão que acende o incenso/A mão que desenrola o tapete/A mão que faz cantar a música das harpas/A longa subtil mão precisa que pinta o contorno dos olhos/A mão fresca e lenta que derrama os perfumes". E a poeta Sophia aqui discorre sobre os limites dos dons humanos, remetendo ao mundo dos deuses, no que temos : "Mão nenhuma invoca o espírito dos deuses/Protectores do tecto/Mão nenhuma dispõe o ritual antiquíssimo que introduz/O fogo linear do dia/Mão nenhuma traça o gesto que constrói/A forma celeste do dia". E a princesa, acordada, agora terá que dar conta sem o concurso da divindade, com as suas próprias forças e dons, no que segue o poema : "As vozes dizem :" (...) "Ergue-te sozinha/Não és ídolo não és divina/Nenhuma coisa é divina" (...) "Como seda no chão cai desprendida/Assim elas esvaída/Quando a si torna não torna à sua imagem". O poema segue, então, e os deuses aparecem, mas a princesa está em si e em seus próprios desafios, como é a vida : "Suas mãos tacteiam o ar/Muito alto ouve ranger o céu/São os deuses rasgando suas sedosas bandeiras de vento" (...) "Para não ouvir o silvo dos gumes acerados/Mergulha no lago até ao lodo/Depois flutua muitos dias/No centro da corola que formam/Os seus largos vestidos espalhados".

NÃO TE ESQUEÇAS NUNCA: O poema descreve o mundo antigo e divino, no que vem : "Não te esqueças nunca de Thasos nem de Egina/O pinhal a coluna a veemência divina/O templo o teatro o rolar de uma pinha/O ar cheirava a mel e a pedra a resina/Na estátua morava tua nudez marinha/Sob o sol azul e a veemência divina". Agora, ao fim, o desencanto, terra sem deuses, as cidades da desgraça da guerra, em seus extremos : "Não esqueças nunca Treblinka e Hiroshima/O horror o terror a suprema ignomínia".

OLÍMPIA: A mitologia, mais uma vez, predomina como tema na poesia de Sophia, no que temos : "Ele emergiu do poente como se fosse um deus/A luz brilhava de mais no obscuro loiro do seu cabelo". Todo o clima do mundo antigo e a paisagem aqui se dão no poema, e segue : "Era o hóspede do acaso/Reunia mal as palavras/Foram juntos a Olímpia lugar de atletas/Terra à qual pertenciam/Os seus largos ombros as ancas estreitas". O casal então se dispersará, e o poema abre como o mar em seu canto : "Ela viu-o depois ficar sozinho em plena rua/Subitamente jovem de mais e como expulso e perdido" (...) "Porém na manhã seguinte/Entre as espalhadas ruínas da palestra/Ela viu como o corpo dele rimava bem com as colunas/Dóricas" (...) "De qualquer forma em Patras poeirenta/No abafado subir da noite/Tomaram barcos diferentes" (...) "De muito longe ainda se via/No cais o vulto espesso baloiçando esguio/Que entre luzes com as sombras se fundia" (...) "Sob a desprezível indiferença/Não dela mas dos deuses". A existência habita aqui em meio a uma indiferença, que também vem dos deuses.

A ESCRITA: O poema de Sophia descreve aqui a vida nababesca do poeta inglês Lord Byron, que podia desfrutar de seu grande espaço, de suas salas, e de seu tempo livre, no que temos : "No Palácio Mocenigo onde viveu sozinho/Lord Byron usava as grandes salas/Para ver a solidão espelho por espelho/E a beleza das portas quando ninguém passava" (...) "Sem dúvida ninguém precisa de tanto espaço vital/Mas a escrita exige solidões e desertos/E coisas que se veem como quem vê outra coisa". A relação dos grandes espaços, da solidão e dos vazios, com a criatividade, também aparecem neste poema de Sophia sobre Byron, no que temos : "Podemos imaginá-lo sentado à sua mesa/Imaginar o alto pescoço espesso/A camisa aberta e branca/O branco do papel as aranhas da escrita/E a luz da vela – como em certos quadros -/Tornando tudo atento".

ESTÁTUA DE BUDA: A descrição da vida de Buda inicia o poema, a sua renúncia, e o poema termina com a visão de sua estátua no museu, no que temos : "Os belos traços o inchado beiço a narina fina/O torneado corpo e sua/Beleza tão carnal de magnólia e fruto/Em tão longínqua latitude representam/O príncipe da perfeição e da renúncia" (...) "Antes do museu/Em sua frente/Oscilavam sombras e luzes enquanto deslizava/O rio das preces".

DEDICATÓRIA DA SEGUNDA EDIÇÃO DO CRISTO CIGANO A JOÃO CABRAL DE MELO NETO: A poeta Sophia aqui se volta, mais uma vez, a seu amigo e também poeta, o brasileiro João Cabral de Melo Neto, no que vem : "I - João Cabral de Melo Neto/Essa história me contou/Venho agora recontá-la/Tentando representar/Não apenas o contado/E sua grande estranheza/Mas tentando ver melhor/A peculiar disciplina/De rente e justa agudeza/Que a arte deste poeta/Verdadeira mestra ensina". E o poema exato e frio da dicção cabralina, também não deixa de alucinar, e a poeta cita Cesário Verde, como uma possível comparação, no que temos : "II – Pois é poeta que traz/À tona o que era latente/Poeta que desoculta/A voz do poema imanente" (...) "Nunca erra a direcção/De sua exacta insistência/Não diz senão o que quer/Não se inebria em fluência" (...) "Mas sua arte não é só/Olhar certo e oficina/E nele como em Cesário/Algo às vezes se alucina" (...) "Pois há nessa tão exacta/Fidelidade à imanência/Secretas luas ferozes/Quebrando sóis de evidência".

CESÁRIO VERDE: A poeta Sophia aqui faz um poema como se Cesário Verde descrevesse a sua própria dicção poética, num poema bem curioso, no que temos : "Quis dizer o mais claro e o mais corrente/Em fala chã e em lúcida esquadria/Ser e dizer na justa luz do dia/Falar claro falar limpo falar rente". O mesmo tema da fala fria que, em seguida, alucina, dita no poema anterior, aqui se repete, no que vem : "Porém nas roucas ruas da cidade/A nítida pupila se alucina/Cães se miram no vidro da retina/E ele vai naufragando como um barco". E a vida urbana e decadente toma a poesia de Cesário, por fim : "Amou vinhas e searas e campinas/Horizontes honestos e lavados/Mas bebeu a cidade a longos tragos/Deambulou por praças por esquinas" (...) "Fugiu da peste e da melancolia/Livre se quis e não servo dos fados/Diurno se quis – porém a luzidia/Noite assombrou os olhos dilatados" (...) "Reflectindo o tremor da luz nas margens/Entre ruelas vê-se ao fundo o rio/Ele o viu com seus olhos de navio/Atentos à surpresa das imagens".

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 21 Junho 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/