Terça, 21 Setembro 2021

Escritora capixaba lança livro ambientado na Guerra Civil Espanhola

fran_bernardes_FotoDivulgacao Divulgação

A jornalista e escritora capixaba Fran Bernardes se lança no mundo da literatura com o romance Margem, seu primeiro livro de ficção. Publicada pela Editora Cousa, a história é ambientada na Guerra Civil Espanhola, que aconteceu de 1936 a 1939 e levou o general Francisco Franco ao comando do país até 1976, impondo um regime político ditatorial fascista. Entretanto, tanto a conjuntura política do Brasil quanto a do Espírito Santo foram alguns dos fatores que influenciaram sua escrita.

O enredo mescla ficção e realidade, sendo relatado aos leitores por um narrador já falecido, assim como em Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. Esse narrador viveu a Guerra Civil Espanhola e tem conexão com os demais personagens, pessoas com quem conviveu na ditadura franquista. Além das aflições causadas pelo fascismo, a história abarca outros temas, com menor destaque, mas não menos relevantes, como a questão do machismo.

Fran Bernardes coloca em debate, por exemplo, os diferentes papéis da mulher na sociedade, desde o de mãe, no sentido familiar, até o da guerrilheira.

A autora viveu seis anos na Espanha, onde fez doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade San Pablo – CEU, e recorda que "ficou fascinada pela história da Espanha", tendo, inclusive, trabalhado em um museu durante uma exposição sobre a Guerra da Independência Espanhola contra as tropas de Napoleão, motivando-a a estudar a história do país.

Segundo a jornalista, mesmo hoje, os espanhóis externam os impactos da ditadura franquista. "Isso impactou a população, os traumas se expressam nos relatos, na arte", diz. Quanto ao Brasil atual, Fran Bernardes afirma que a conjuntura política a instigou em sua obra, bem como a própria história do Espírito Santo, que, conforme destaca, é muito marcada pelas tradições coronelistas.

"A ascensão da extrema direita em nosso país se expressa na eleição de líderes autoritários e na retomada do pensamento reacionário. Nesses tempos turvos, vivemos uma tragédia em nosso Estado e no Brasil como um todo. Avança o retrocesso", lamenta. 

Natural de Linhares, norte do Espírito Santo, Fran acredita que no interior a tradição coronelista é mais forte. "Em Linhares, por exemplo, ainda há muito a questão da concentração de terra, da pistolagem". Outro fator destacado por ela sobre o Espírito Santo é a tradição da extrema direita, com elementos fascistas, sendo um dos estados que mais mata mulheres, negros e integrantes da comunidade LGBTQ+.

A própria história do Espírito Santo, recorda, tem marcas da ação integralista, considerada uma versão brasileira do fascismo. O Estado, rememora, foi um dos sete do Brasil que possuíram núcleos da Frente Integralista Brasileira (FIB).

Margem conta com 50 páginas e está a venda pela loja virtual da Editora Cousa. Também é possível adquirir o exemplar pelo WhatsApp da escritora (27 – 999589142). O livro custa R$ 39,00, já incluso o valor de R$ 10,00 do frete.

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 21 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/