Dólar Comercial: R$ 5,76 • Euro: R$ 6,79
Sexta, 16 Abril 2021

História de Jardim da Penha é contada nos muros de escola

WhatsApp-Image-2020-12-24-at-16.45.571 Divulgação
Os muros da escola municipal Álvaro de Castro Mattos, em Jardim da Penha, Vitória, ganharam cores, desenhos e história. Em comemoração aos 50 anos da instituição, os 1.000 metros de paredes que cercam o centro de ensino, criado no ano seguinte à fundação do bairro, receberam um mutirão de pintura do coletivo de artistas Cores que Acolhem, com o projeto Jardim da Gente.

Em 2019, cumprindo meio século de Jardim da Penha, o grupo passou para os muros dos armazéns do IBC os desenhos feitos por crianças sobre o que desejavam para o futuro do bairro. Neste ano, foi a vez de trazer para outros muros a memória sobre o bairro de ocupação recente, mas que hoje é o segundo mais populoso da Capital, com cerca de 30 mil habitantes.

O produtor cultural Stefan Marques, um dos responsáveis pelo projeto, conta que o trabalho começou a partir da escuta da própria comunidade do entorno, sobre os elementos mais marcantes do bairro que desejariam ver nas pinturas. "Foi um trabalho de escuta dos moradores, trabalhando o pertencimento e a autoestima da comunidade", diz. Por conta da pandemia do coronavírus, todo processo foi realizado por meio de enquetes feitas pela internet com sistematização das respostas.

Depois disso, foi hora de colocar a mão na massa, ou melhor, o pincel na tinta - e a tinta no muro. A primeira fase de pintura durou 15 dias e a segunda seis, tendo como intervalo um período chuvoso. O resultado você confere na sequência de fotos a seguir.

O primeiro mural com um grande e colorido pavão pintado, faz referência ao nome do bairro, Jardim da Penha, como um amplo jardim de onde se podia avistar de qualquer ponto o Convento da Penha. O painel seguinte faz referência às 106 primeiras casas construídas no bairro e ao Clube 106, existente até hoje, criado pelos moradores como alternativa de lazer. No mesmo painel aparece também a tradicional feira livre, que acontece semanalmente aos sábados.

Outro mural traz pintura da Rua da Lama, destacada como um polo gastronômico e cultural do bairro. No seguinte, uma representação das praças com públicos de diferentes idades, desde crianças até idosos, e irônicos ícones: uma grande bússola junto a um suposto mapa. Afinal, quem nunca se perdeu entre as ruas e praças de Jardim da Penha?

Há ainda uma segunda fase dos murais que traz a Praia de Camburi e seus diversos elementos, como os barcos ancorados, o Pier de Iemanjá, os esportes praticados, a estátua de Mauricio de Oliveira e os elementos do calçadão. Além da pintura nos muros, o projeto também enfeitou as calçadas da escola, desenhando uma reconstituição do primeiro traçado do calçadão de Camburi.

Na entrada do colégio Álvaro de Castro Mattos, ainda há um painel geométrico feito pelo diretor da escola, o artista plástico Israel Scárdua, que compõe a cena junto com a pintura do emblema de 50 anos da escola.

Mas além dos muros da escola, as pinturas ainda se estenderam até a Praça Aníbal Antero Martins, onde se localiza a Igreja Católica São Francisco. Lá foram feitas outras pinturas que remetem a elementos naturais e paisagísticos, além de registrar um jogador de bocha, esporte muito praticado na praça.

A elaboração das artes teve curadoria de Caio Cruz nos muros e Kelvin Koubik nas artes feitas na praça, além de contarem com apoio dos artistas Cláudio Tripa, Roger Jackson e do próprio professor Israel Scárdua e uma equipe de três ajudantes.

Para o ano que vem, o projeto Cores que Acolhem promete muitas novidades. O grupo assumirá o Instituto TamoJunto, que será transformado no Instituto de Cultura e Responsabilidade Social (Icores), presidido por Zuleica Faria, funcionando como organização da sociedade civil com planos de apoiar e realizar projetos culturais com foco especial em jovens e nas comunidades periféricas.

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários: 2

Joao em Sexta, 25 Dezembro 2020 14:16

Estudei no ACM, agora ando por Belém do para, estudávamos e curtiamos esse bairro, tinha gente de todo canto na escola, bairro vizinhos. 1984 quando cheguei aí.

Estudei no ACM, agora ando por Belém do para, estudávamos e curtiamos esse bairro, tinha gente de todo canto na escola, bairro vizinhos. 1984 quando cheguei aí.
Eduardo José Ramos Cabral Coelho ( Daizé) em Sábado, 26 Dezembro 2020 21:52

Tinha um campo de futebol atrás da Escola " O Guaraní' onde saíamos com os pés sujo de preto pois a terra era de mangue. A diretora da Escola era D. Zuleica , mãe dos alunos e hoje professores Ana Márcia e Luiz . Não poderíamos deixar de falar da Mercearia de Dona Mercedez e o bar do Kiabai. Tínhamos o conjunto dos bancários e o Gemini. E as disputas de futebol das " casinhas" contra o Gemini e outras vezes contra o Simetal que ficava em frente a Ufes, na entrada para o bairro onde também tinha o campo de futebol do Simetal.

Tinha um campo de futebol atrás da Escola " O Guaraní' onde saíamos com os pés sujo de preto pois a terra era de mangue. A diretora da Escola era D. Zuleica , mãe dos alunos e hoje professores Ana Márcia e Luiz . Não poderíamos deixar de falar da Mercearia de Dona Mercedez e o bar do Kiabai. Tínhamos o conjunto dos bancários e o Gemini. E as disputas de futebol das " casinhas" contra o Gemini e outras vezes contra o Simetal que ficava em frente a Ufes, na entrada para o bairro onde também tinha o campo de futebol do Simetal.
Visitante
Sexta, 16 Abril 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection