Dólar Comercial: R$ 5,76 • Euro: R$ 6,72
Sexta, 30 Outubro 2020

Matilde Campilho é um dos caminhos da poesia contemporânea

matilde_Campilho_flip Flip
Flip

Jóquei é um livro que se coloca como um modelo de poesia que não tem a famosa afetação de estilo, ou do que se chama de "grande estilo", pois o livro de Matilde Campilho terá algo mais fluido como modus operandi, uma poesia em trânsito, sem algo carregado como poesia pretensiosa ou muito marcada como literatura formal, e também não se estabelece, em sua poesia, algo como estilização no sentido de forma acabada ou viciada de expressão.

A dicção de Matilde possui poucas afetações ou vícios, em consonância com os caminhos da poesia contemporânea, cuja afetação, talvez, seja o fetiche do cotidiano, mas, aqui em Matilde, isto nos aparece com menos tom marcado, mais fluido, sem a pretensão de uma poesia descritiva, que disfarça no cotidiano uma falsa despretensão.

A poesia de Matilde não se enrijece num gênero de poesia, tem diversos modelos que transitam entre a dicção da carta, da conversa, da anotação, em uma poesia que não se coloca heroica ou num pedestal de gabinete. O que se dissipa, a morte e a experiência de desaparecimento, numa alteridade entre luz e escuridão, tudo flui na poesia de Matilde Campilho.

Jóquei tem um ritmo que se sobressalta, acelera, e também opera nos lapsos das perdas, registros que colocam tanto a vida como o seu fim. O poema, às vezes, se nega, dizendo que não é poema, numa operação, digamos, de metalinguagem, e que coloca o poema como material, esta tendência de alguns poetas de também colocar o poema em perspectiva, isto é, como objeto de análise do próprio poema, um poema que se desdobra em si mesmo para ser reafirmado, como diz Matilde "isto não é um poema", no poema "Príncipe no roseiral".

A prosa ganha uma dicção encurtada, ao passo que o alongamento desta se dá nos versos de Matilde, o caminho do meio se instaura em Jóquei, e os poemas de Matilde, a verticalidade que se coloca no fluxo da prosa, coloca esta para fora de seu alongamento que seria o natural do poema em prosa, um tiro de largada que, geralmente, serve para o poeta exibir o seu fôlego e nadar de braçada, mas que em Matilde tem um ritmo quebrado, de intermitência, acusando a sua contemporaneidade própria. O inaudito produz na prosa de Matilde uma versão renovada do que é um poema em prosa.

O inaudito é um modo de escrita poética que trabalha com a quebra da expectativa, um poema não-linear e que salta como um poema que se coloca em sentidos novos e que ainda não foram experimentados, colocando a poesia de Matilde num pioneirismo de dicção que produz poesia nova e renovada.

Matilde Campilho tem algo de pop, e, além disso, se firma como poeta popular, de linguagem acessível, e ao mesmo tempo, elaborando bem dentro desta proximidade de sua dicção com o mundo real que todos entendem, uma poesia de qualidade e de expressão consolidada. Jóquei brilha por originalidade e tem certo tom acolhedor. Matilde chama o leitor, lhe convida, e agrada naturalmente, sem forçar o leitor tentando agradar, mas agradando por saber o que faz, isto é, o poeta tem que saber escrever. Matilde sabe isto bem e realiza seu trabalho com um ar aprazível.

Matilde adota o gerúndio brasileiro. Jóquei é um mosaico de memórias e vivências, em meio de uma invenção poética que reafirma o mundo real e cotidiano, como disse, sem o fetiche deste cotidiano que alguns poetas brasileiros contemporâneos tentam usar como moda, num fingimento de falta de pretensão, pois eu nunca soube de alguém que faça escrita sem pretensão ao publicar algo, é mentira.

Matilde é uma poeta da observação, produz um documento, seu fascínio pelo Brasil também transborda em Jóquei, ela vê lugares e os registra, coloca esta fotografia poética como um modo de tornar eterno a sua capacidade de flâneur, de vivente do transitório e do efêmero.

Matilde Campilho está em dois lugares, Portugal e Brasil, uma poeta nômade, que pode muito bem ser colocada ao lado de escritores como Valter Hugo Mãe, José Luís Peixoto, Gonçalo M. Tavares e José Eduardo Agualusa, alguns dos renovadores da escrita em Portugal.

POEMAS

COQUEIRAL : O poema brota da saudade, o batimento do coração se acelera, e o verso se desenvolve suave, no que temos : "A saudade é um batimento que rebenta assim/vinte e oito vezes desde/meu ombro tatuado/de desastre até à rosa pendurada em sua boca/E o amor, neste caso específico, é um mergulho/destemido que deriva quase sempre de uma nota/climática apenas para convergir no osso frontal/do crânio do rei da ilusão – terno é o seu rosto/Senhor, os ossinhos do mundo são de mel e ouro.". A ternura para com o rosto da pessoa amada, e cosmovisão que advém deste poema na coda, o amor condensado numa vista de mel e ouro.

ALGUÉM ME AVISOU : A poeta Matilde aqui tem um encontro intenso com seu amante, interlocutor, este que aparece no poema como figura enigmática, mas com a sua presença constante no diálogo extremo que se constitui neste poema, no que temos : "Ele falou que eu precisava voltar/porque eu era sua família/falou que os passarinhos/estavam começando de novo". A poeta diz que este seu amante diz que ela deve voltar, acontecem coisas, e Matilde segue com estas sua sensação : "você precisa voltar ele falou/algumas acácias estão se votando/ao abandono ou ao desespero" (...) "rodando todas as estações/de rádio até achar notícia/não tem notícia de você na cidade/faça-me um favor e volte/está acontecendo uma revolução/querem retirar o primeiro-ministro/de sua cadeira empedernida". O relato é de acontecimentos extremos, de revolução e notícias, no que segue : "ande veja se volta foi o que ele falou/você é minha família é impossível/assistir à transição do inverno/para a primavera sem família perto" (...) "você e eu sempre damos um jeito/de sincronizar nossos batimentos/eu toco quatro vezes na mesa/você acelera quatro vezes o motor/família é isso mesmo : dois caubóis/fintando a gravidade e a monotonia/vai me diga se volta ou se não volta". A importância da família, seu amante diz à Matilde, percorrendo este poema todo, a ideia de retorno, de presença física, no que o poema segue : "ele falou que eu precisava voltar/que talvez eu devesse arrumar/minha mala largar meu emprego/arrume tudo em sua mala/não esqueça sua camisa branca/não esqueça sua flauta de osso" (...) "volte me diga que volta/repare que é a época das migrações/e que você sempre acompanhou/os colibris e os pinguins/já chega de se inscrever/nesse campeonato do desapego/você sempre perde já deveria saber/ele falou que eu deveria voltar". A poeta diz que este seu amante queria combater este desapego dela, é preciso reparar na época das migrações, acompanhar tudo, a ideia de presença e retorno como o leitmotiv no qual o poema se estende todo, no que segue : "você precisa voltar foi o que ele falou/volte por favor meu amor volte pra casa/então eu fiz a mala e foi por isso que eu/voltei – eu voltei porque me chamaram.". E a coda é o retorno de Matilde, uma coda simples, sem efeito de surpresa, cumprindo o que o poema inteiro se propôs.

DESCRIÇÃO DA CIDADE DE LISBOA : O poema descreve a rapariga, expressão lusitana para moça ou menina, e Matilde, uma portuguesa bem brasileira, desata aqui em prosa bem divertida, no que temos : "A rapariga a pensar naquilo, a rapariga ao sol, menina a comer cachorro-quente, menina a dançar na rua, rapariga do dedo no olho, do dedo na árvore." (...) "rapariga a ler jornal, rapariga a beber um líquido chardonnay, rapariga no vão de escada, rapariga a levar na cara. Rapariga aflita, rapariga solta, rapariga abraçada, rapariga precisada.". As descrições se estendem por um universo inteiro, que vai do cotidiano a descrições naturais, no que temos : "Rapariga feita de átomos e sombra. Rapariga de um ponto ao outro e medindo quarenta e dois centímetros, rapariga impávida, rapariga serena. Rapariga apaixonada por igreja quinhentista, rapariga na moto a trocar velocidades a mudar o jeito. Rapariga que oferece à visão o hábito da escuridão e depois logo se vê.". A ideia de visão, e a prosa abrindo um mundo inteiro que habita e dialoga com esta rapariga imaginada por Matilde, no que segue : "rapariga debruçada na cadeira da frente do cinema, rapariga a querer ser Antonioni. Rapariga estável, rapariga de mentira, rapariga a tomar café em copo de plástico, rapariga orgulhosa, rapariga na proa da nau africana. A rapariga a cair no chão, rapariga de pó na cara, rapariga abstêmica, rapariga evolucionista. Rapariga de rosto cortado pela faca de Alfama, rapariga a fugir de compromissos, rapariga a mandar o talhante à merda, rapariga a assobiar, rapariga meio louca.". A criatividade nesta repetição que se move para vários lados, num poema em prosa que vira um caleidoscópio, no que segue : "Rapariga a ostentar decote no inverno, rapariga a olhar pelo canto do olho esquerdo, rapariga a ser homem, rapariga na cama. Rapariga a subir o volume, rapariga a querer ser Dylan, rapariga a cuspir no chão. A rapariga a girar a girar a girar a girar no eixo de uma saia de seda amarela. Amarela da cor de um feixe de luz apanhado numa esquina.". Este poema em prosa que encerra esta aventura da rapariga imaginada por Matilde também elenca o mundo de influências da poeta, as referências da rapariga podem ser as de Matilde, e ser ela mesma.

CONVERSA DE FIM DE TARDE

DEPOIS DE TRÊS ANOS NO EXÍLIO : O poema começa nos descrevendo já uma cena bem interessante, Matilde e seu interlocutor, amante, também aqui num diálogo bem esperto, e que funciona num toque em que o poema serve a sua ideia de amor moderno, em imagens que levam longe, no que temos : "Os garçons empilhando as cadeiras/você me olhando e me pedindo que/fale Por Favor Fale Mas Não Escreva/eu evitando o toque ruim dos ponteiros/do relógio que anuncia a já famosa fuga/de nossos corpos cada um para sua/ponta da cidade – se nosso amor fosse/revólver eu seria o cabo e você a mira". E o poema, neste ponto, entra em enigma matemático, em divagações próprias de poeta, no que segue : "é terrível a existência de duas retas/paralelas porque elas nunca se cruzam/e elas apenas se encontram no infinito/a verdade é que nunca nos interessou/a questão do infinito mas o resto/das ideias matemáticas claro que sim/eu na verdade prefiro mais de mil vezes/sua chávena de chá ficando fria sobre a mesa/enquanto você fala sobre raízes quadradas/enquanto você fala sobre ladrões de figos/enquanto você fala sobre o tropeço da baleia/subitamente eu já nem sei sobre o que você fala". O poema fala da hora do cuco, a ideia de tempo e de momento, no que temos : "pelo sétimo dia é chegada a hora do cuco/e do canto do cuco/portanto eu pego minha bicicleta/e como de costume você faz meu retrato". Esta hora marcada, e o amor que tem seu tempo e diz neste poema a que veio, fuga, explosão, matéria escorregadia, uma ideia original e todo um clima cool e esperto que faz deste poema uma interpretação despojada dos sentimentos amorosos, no que temos : "voltará à mesma hora para o mesmo amor/a mesma mesa a mesma explosão/com toda a certeza a mesma fuga/porque você e eu a gente é feito de matéria/escorregadia, i.e., manteiga, azeite, geleia/e espanto.".

ROMA AMOR : O poema lembra de uma canção, e seu leitmotiv se abre neste diapasão, no que temos : "Seu cabelo está vermelho/você falou/seu cabelo está todo iluminado/de vermelho & luz/I never wanna be/your weekend lover/respondi certeiro/rebobinando 600 dias/Você lembra da canção?/I never wanna be/your weekend lover/suas mãos desenhando a dança". A dança que vem da canção, que segue : "Você fazendo pouco/de tudo o que antes havia/sido chamado de baile/Purple Rain" (...) "E por falar em canções/imagine Maria Teresa/arrumando a casa/arrastando os móveis/na interminável busca/por vestígios de pó/quem sabe se na centésima partícula/não será possível achar/um pedacinho do genoma/do marido morto/Imagine Maria Teresa/de cabeça enfaixada/varrendo varrendo varrendo". A referência musical do poema nos vem, mais uma vez : "És faxinação, amor/Seu cabelo está todo iluminado/de partículas galácticas/sua pele brota toda negra/ameaçando a primeira visão/que o centauro ofereceu/ao menino de 13 anos/quando apontou a concha de ouro". O poema em prosa se estende e dá o exemplo de algo extraordinário, imagina um dançarino suspenso, no que temos : "Amante de final de semana não/meu bem/muito menos de quinta-feira/pense nas crianças/nos avós das crianças/no olho de couro dos tios/das crianças/Veja só/nem todo mundo/tem a possibilidade de ver/entrar em sua família/um dançarino suspenso/constantemente suspenso/entre o rochedo & a flor". A canção retorna e enumera todas as imagens usada neste poema em prosa que este amante então desmonta e coloca tudo no lugar novamente : (...) "I never wanna be/your weekend lover/eu falei/Então você abriu a porta/para interromper a refração/para acabar com a promessa/para fechar o desenho/para expulsar o centauro/para estilhaçar a concha/para calar o príncipe/para colocar o móvel no lugar/e empurrar Maria Teresa/você falou/vai embora/desça as escadas e suma/saia agora/tem alguém chegando aí/de hoje é só segunda-feira.".

POEMAS 

COQUEIRAL

A saudade é um batimento que rebenta assim

vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado

de desastre até à rosa pendurada em sua boca


E o amor, neste caso específico, é um mergulho

destemido que deriva quase sempre de uma nota

climática apenas para convergir no osso frontal

do crânio do rei da ilusão – terno é o seu rosto

Senhor, os ossinhos do mundo são de mel e ouro.

ALGUÉM ME AVISOU

Ele falou que eu precisava voltar

porque eu era sua família

falou que os passarinhos

estavam começando de novo

com aquela entoação estranha

que poderia ser vista como triste

ou como bastante maravilhosa

você precisa voltar ele falou

algumas acácias estão se votando

ao abandono ou ao desespero

e a peixaria foi atacada

por uma enorme inundação

por favor volte veja se volta

esta manhã o taxista ficou

rodando todas as estações

de rádio até achar notícia

não tem notícia de você na cidade

faça-me um favor e volte

está acontecendo uma revolução

querem retirar o primeiro-ministro

de sua cadeira empedernida

querem tocar fogo nas estradas

querem melhorar a estrutura

do sino que marca o meio-dia

na garganta de Antoninho

ande veja se volta foi o que ele falou

você é minha família é impossível

assistir à transição do inverno

para a primavera sem família perto

e como faço para comprar lollypops

se você não estiver me esperando

lá fora do lado de fora em seu carro

brincando com as rotações do motor

enquanto eu fico tamborilando meus

dedos sobre a bancada de madeira

da mercearia onde sempre compro

lollypops de laranja ou de morango

você e eu sempre damos um jeito

de sincronizar nossos batimentos

eu toco quatro vezes na mesa

você acelera quatro vezes o motor

família é isso mesmo : dois caubóis

fintando a gravidade e a monotonia

vai me diga se volta ou se não volta

na semana passada eu reparei

que as plantações de milho

estão começando a se expandir

me diga que isso não te seduz

foi o que ele falou isso mesmo

a plantação que se expande te seduz

ele falou que eu precisava voltar

que talvez eu devesse arrumar

minha mala largar meu emprego

arrume tudo em sua mala

não esqueça sua camisa branca

não esqueça sua flauta de osso

não esqueça não corte seu cabelo

coloque tudo nessa mala

e se tiver tempo me traz sete búzios

volte me diga que volta

repare que é a época das migrações

e que você sempre acompanhou

os colibris e os pinguins

já chega de se inscrever

nesse campeonato do desapego

você sempre perde já deveria saber

ele falou que eu deveria voltar

que no restaurante de dona Célia

estavam servindo um tipo de pão

diferente do habitual

que no parque das diversões

estavam montando um novo esquema

que na cova dos leões já não mora

ninguém absolutamente ninguém

que estão começando uma revolução

você precisa voltar foi o que ele falou

volte por favor meu amor volte pra casa

então eu fiz a mala e foi por isso que eu

voltei – eu voltei porque me chamaram.


DESCRIÇÃO DA CIDADE DE LISBOA

A rapariga a pensar naquilo, a rapariga ao sol, menina a comer cachorro-quente, menina a dançar na rua, rapariga do dedo no olho, do dedo na árvore. Rapariga de braços levantados, rapariga de pés baixos, rapariga a roer unhas, rapariga a ler jornal, rapariga a beber um líquido chardonnay, rapariga no vão de escada, rapariga a levar na cara. Rapariga aflita, rapariga solta, rapariga abraçada, rapariga precisada. Rapariga a fumar charuto, rapariga a ler Forster, rapariga encostada na palmeira, rapariga a tocar piano. Rapariga sentada em Mercúrio ao lado de um leão, rapariga a ouvir discurso de Ghandi, rapariguinha do shopping. Rapariga feita de átomos e sombra. Rapariga de um ponto ao outro e medindo quarenta e dois centímetros, rapariga impávida, rapariga serena. Rapariga apaixonada por igreja quinhentista, rapariga na moto a trocar velocidades a mudar o jeito. Rapariga que oferece à visão o hábito da escuridão e depois logo se vê. Rapariga de ossos partidos, rapariga dos óculos negros, rapariga em camisola de poliéster, rapariga debruçada na cadeira da frente do cinema, rapariga a querer ser Antonioni. Rapariga estável, rapariga de mentira, rapariga a tomar café em copo de plástico, rapariga orgulhosa, rapariga na proa da nau africana. A rapariga a cair no chão, rapariga de pó na cara, rapariga abstêmica, rapariga evolucionista. Rapariga de rosto cortado pela faca de Alfama, rapariga a fugir de compromissos, rapariga a mandar o talhante à merda, rapariga a assobiar, rapariga meio louca. Rapariga a deslizar manteiga no pão, rapariga a coçar um cotovelo, rapariga de cabelo azul. Rapariga a brincar com um isqueiro no bolso, rapariga a brincar com um revólver nas calças, rapariga a nadar, rapariga molhada, rapariga a pedir uma chance só mais uma ao santo da cidade. Rapariga a ostentar decote no inverno, rapariga a olhar pelo canto do olho esquerdo, rapariga a ser homem, rapariga na cama. Rapariga a subir o volume, rapariga a querer ser Dylan, rapariga a cuspir no chão. A rapariga a girar a girar a girar a girar no eixo de uma saia de seda amarela. Amarela da cor de um feixe de luz apanhado numa esquina.


CONVERSA DE FIM DE TARDE

DEPOIS DE TRÊS ANOS NO EXÍLIO

Os garçons empilhando as cadeiras

você me olhando e me pedindo que

fale Por Favor Fale Mas Não Escreva

eu evitando o toque ruim dos ponteiros

do relógio que anuncia a já famosa fuga

de nossos corpos cada um para sua

ponta da cidade – se nosso amor fosse

revólver eu seria o cabo e você a mira

tal como dizia a professora Sofia Jones

é terrível a existência de duas retas

paralelas porque elas nunca se cruzam

e elas apenas se encontram no infinito

a verdade é que nunca nos interessou

a questão do infinito mas o resto

das ideias matemáticas claro que sim

eu na verdade prefiro mais de mil vezes

sua chávena de chá ficando fria sobre a mesa

enquanto você fala sobre raízes quadradas

enquanto você fala sobre ladrões de figos

enquanto você fala sobre o tropeço da baleia

subitamente eu já nem sei sobre o que você fala

porque a forma como seu dente incisivo corta

e suspende toda a beleza da cafeteria

faz com que eu novamente entenda que

pelo sétimo dia é chegada a hora do cuco

e do canto do cuco

portanto eu pego minha bicicleta

e como de costume você faz meu retrato

de cabelo todo desenhado no vento

em jeito de menino que está sempre indo embora

à mesma hora e que amanhã se tudo der certo

voltará à mesma hora para o mesmo amor

a mesma mesa a mesma explosão

com toda a certeza a mesma fuga

porque você e eu a gente é feito de matéria

escorregadia, i.e., manteiga, azeite, geleia

e espanto.


ROMA AMOR

Seu cabelo está vermelho

você falou

seu cabelo está todo iluminado

de vermelho & luz

I never wanna be

your weekend lover

respondi certeiro

rebobinando 600 dias

Você lembra da canção?

I never wanna be

your weekend lover

suas mãos desenhando a dança

no oxigênio daquele julho

e o pó se levantando

desde seus calcanhares

até a nuca de fogo

Você fazendo pouco

de tudo o que antes havia

sido chamado de baile

Purple Rain

seu cabelo está todo iluminado

de vermelho & luz

Você se lembra daquele julho?

uau você falou

sua pele cresce no vaso

da melanina

cada ano mais

E por falar em canções

imagine Maria Teresa

arrumando a casa

arrastando os móveis

na interminável busca

por vestígios de pó

quem sabe se na centésima partícula

não será possível achar

um pedacinho do genoma

do marido morto

Imagine Maria Teresa

de cabeça enfaixada

varrendo varrendo varrendo

até ficar envolta

na nuvem de pó e genomas

que acontece brilhante

no centro da sala

És faxinação, amor

Seu cabelo está todo iluminado

de partículas galácticas

sua pele brota toda negra

ameaçando a primeira visão

que o centauro ofereceu

ao menino de 13 anos

quando apontou a concha de ouro

Gli dei che a mano

nel tempo stesso odiano

você falou

é a forma como maio

bate nas janelas

se refrata na geladeira

vai bater nos azulejos

e se aloja em seus cabelos

respondi é a época

das sementes e das explosões

Amante de final de semana não

meu bem

muito menos de quinta-feira

pense nas crianças

nos avós das crianças

no olho de couro dos tios

das crianças

Veja só

nem todo mundo

tem a possibilidade de ver

entrar em sua família

um dançarino suspenso

constantemente suspenso

entre o rochedo & a flor

Pense nas crianças

e na fé de nossas crianças

Seu cabelo está todo vermelho

você falou

tudo está muito iluminado

I never wanna be

your weekend lover

eu falei

Então você abriu a porta

para interromper a refração

para acabar com a promessa

para fechar o desenho

para expulsar o centauro

para estilhaçar a concha

para calar o príncipe

para colocar o móvel no lugar

e empurrar Maria Teresa

você falou

vai embora

desça as escadas e suma

saia agora

tem alguém chegando aí

de hoje é só segunda-feira.


Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog:
http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 30 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection