Dólar Comercial: R$ 5,02 • Euro: R$ 6,11
Sexta, 26 Fevereiro 2021

Revista Subversa lança sua segunda edição

revista_subversa_um_imagem_ni Ni

Uma publicação independente de artistas do Espírito Santo e convidados, a Subversa lançou mais uma volume, o #UM, que sucede a edição #zero, de estreia, apresentada em junho deste ano. Ainda em formato totalmente online por conta da pandemia, a Subversa #UM está disponível para ser acessada gratuitamente, contendo reflexões em diversas linguagens como texto, poesia, fotografia, ilustrações e colagens.

Uma das editoras do projeto colaborativo, Amanda Brommoschenkel conta que a obra reúne registros feitos durante a pandemia do coronavírus ou em outras épocas, mas que dialogam com a ideia de registro da memória e resgate de personagens importantes. "A proposta é alinhar produções críticas que tenham a ver com nossa memória e esse momento que a gente vive de tanto caos, tentando recuperar algumas coisas para lembrar que nunca foi fácil, mas que seguimos adiante, trilhando caminhos abertos por outras pessoas tempos atrás. Sem elas não chegaríamos onde estamos hoje", diz.

Luhan Gaba
A edição é aberta com uma provocação: existe humor pejorativo? O tema é abordado em artigo do Cia Fundo Mundo, grupo de circo formado integralmente por pessoas trans. Outro texto da edição, de Yuriê Perazzini, aborda um histórico das articulações e festivais em torno das danças urbanas no Espírito Santo.

A artista Maresia apresenta imagens e textos referentes a um videoclipe lançado durante a pandemia. O graffiti de Luhan Gaba e Kakaw aparece em versões de fotografias e montagens digitais, trazendo para as páginas a arte das ruas.

Na #UM, a poesia vem pelas letras críticas de Elô Carvalho na reflexão sobre a pandemia e o povo preto e periférico, e com versos de Drink Graal, acompanhados das colagens de Nicolly Credi-Dio. O teatro também marca presença com os retratos selecionados por Merivan Báfica e o grupo Con-tato da peça Inventário - o fim de uma época, que traz um recorte do Centro de Vitória nos anos 70, sobretudo a partir das redações dos jornais.

Meirele Goltara apresenta também um ensaio fotográfico com intervenções digitais, e a publicação conta ainda com ilustração de Souris e charge de Mindu Zinek, assim como ilustração e artes da capa feitas por Ni.

Em sua proposta, a revista busca reunir "textos, ilustrações e outros conteúdos de cabeças que compreendem o potencial da arte e da cultura como provocação de pensamentos e atitudes sociais positivas".

Incentivando também o apoio aos artistas independentes, que além das dificuldades de sempre enfrentam a redução das atividades e recursos durante a pandemia, a publicação reúne ao final os contatos e contas dos colaboradores para quem queira entrar em contato ou apoiar financeiramente por seus trabalhos disponibilizados gratuitamente.

Veja mais notícias sobre Cultura.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 26 Fevereiro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection