Quinta, 26 Mai 2022

'Adesão à Política Nacional tem caráter simbólico, na prática, não muda nada'

populacao_rua_nacional_josecruz_abr José Cruz/ABr

O Estado aderiu à Política Nacional para População em Situação de Rua, que busca estabelecer um regime de colaboração mútua para execução de ações integradas. Entretanto, para a Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de Vitória, embora o documento preveja a intersetorialidade, uma das pautas que defende, a "adesão à Política Nacional tem caráter simbólico, na prática, não muda nada".

A Política Nacional exige ação intersetorial das áreas de Direitos Humanos, Segurança Pública e Justiça, Trabalho e Emprego, Desenvolvimento Urbano e Habitação, Assistência Social, Educação, Segurança Alimentar e Nutricional, Saúde, Cultura, Esporte e Lazer. Mas, segundo o coordenador da Pastoral, Júlio César Pagotto, o documento não prevê destinação de verba federal específica para as políticas públicas com foco na população em situação de rua.

Portanto, não se difere da Política Estadual para a População em Situação de Rua, sancionada em abril de 2021. A falta de verba própria para essas ações, aponta Júlio, impossibilita, inclusive, a intersetorialidade das atividades. "As políticas acabam ficando restritas à assistência social, por meio do Sistema Único de Assistência Social [Suas], que também não tem uma porcentagem mínima garantida para a população em situação de rua, pois cada município tem uma realidade diferente", diz.

Diante dessa situação, tanto a Política Nacional quanto a Estadual "viram quase uma carta de intenções". O agente de pastoral informa que o Espírito Santo somente pôde aderir à Política Nacional por ter criado o Comitê de Acompanhamento e Monitoramento da Política Estadual Para a População em Situação de Rua, após sanção da Política Estadual.

O Comitê tem como meta equacionar, na dimensão estadual, questões relativas à população em situação de rua, como políticas de moradia e abrigamento temporário; realizar diagnósticos, planos de ação, protocolos, fluxos integrados que servirão para atenção à população de rua para os órgãos estaduais e servindo de referência para os municípios; estimular os municípios a aderirem à política estadual para a população em situação de rua; e assessorar os municípios na elaboração e implementação das políticas.

Entretanto, o agente de pastoral tem ressalvas quanto à composição do Comitê, que ainda está em fase de implementação. Ele será composto por nove representantes do poder público. Da sociedade civil é garantida a participação de um representante do Movimento da População em Situação de Rua, além de outras organizações não definidas, no quantitativo de até três. A Pastoral do Povo de Rua defende a paridade.

"O olhar da sociedade civil é diferenciado. Ela está mais próxima da população, tem a força dos movimentos de base. A paridade equilibra o debate com o poder público, cujos representantes estão atrelados às instituições por eles representadas", destaca, alertando que os municípios devem construir também seus comitês para discutir a política para pessoas em situação de rua.

'Política estadual para população de rua tem que ter adesão das prefeituras'

Pastoral do Povo de Rua alerta que lei aprovada na Assembleia só será efetivada com coordenação entre Estado e municípios 
https://www.seculodiario.com.br/direitos/politica-estadual-para-populacao-de-rua-tem-que-ter-adesao-das-prefeituras

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 26 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/