Terça, 24 Mai 2022

Associação denuncia LGBTfobia no Carnaval Capixaba

deborah_porta_bandeira Facebook

A Associação Gold (Grupo Orgulho, Liberdade e Dignidade), ligada à defesa dos direitos humanos e da comunidade LGBTQIA+, publicizou em nota uma denúncia do que considera mais um caso de LGBTfobia no carnaval capixaba. Isso porque a Liga de Escolas de Samba do Grupo Especial do Espírito Santo (Liesge), que havia dado anuência para a criação do Concurso da Corte Real LGBTQI+, aprovado inclusive em edital da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), não vem dialogando sobre a proposta e adia uma resposta sobre o tema, mesmo com a construção do carnaval a pleno vapor.

"Nós chegamos a essa decisão de publicar essa denúncia depois de várias tentativas de dialogar com a liga e a direção de carnaval, que não foram bem sucedidas. Então resolvemos publicar uma carta de desabafo e dizer para a liga que estamos querendo dialogar, pois tentamos há mais de um mês, sem ter uma resposta oficial", diz Deborah Sabará, coordenadora de projetos da Gold e primeira porta-bandeira trans na história dos desfiles das escolas de samba capixabas. Alguns dirigentes do carnaval ofereceram apoio à entidade e à causa, mas manifestaram dificuldades dentro da Liga para abordar o tema.

Deborah explica que, embora a entidade tenha recursos para realizar o projeto, o respaldo da Liesge, que é gestora do carnaval, ao concurso LGBTQIA+, é fundamental. Do contrário, poderia gerar inconvenientes, como o risco da Rainha e outros membros desta família real serem barrados em quadras de escolas ou impedidas de transitar em certos espaços durante os desfiles. "Há todo um direito de ir e vir da Corte do Carnaval, que inclui desfilar antes da entradas das escolas, que também queremos para a Família Real LGBTQIA+", diz a coordenadora da Gold.

Pela Imperatriz do Forte, Deborah Sabará se tornou a primeira porta-bandeira trans no Estado. Foto: Facebook

O caso de transfobia remonta ao ano passado, quando durante as inscrições do Concurso para Família Real do Carnaval Capixaba, a liga rejeitou a inscrição de duas mulheres trans ao posto de Rainha. Após mediação da Gold junto à Liesge, um meio termo foi a criação de uma Família Real LGBTQIA+, como ocorre em outros estados. Porém, por falta de recursos e tempo hábil naquele ano, a saída viável foi criar um posto de Rainha Trans para o concurso de 2020.

Mas para 2021, a associação correu atrás de recursos, e conseguiu acessar o Fundo Estadual de Cultura (Funcultura), para o qual obteve carta de intenção do então presidente da Liesge, Edvaldo Teixeira, manifestando a disposição da entidade em apoiar o evento. Mas este compromisso parece não ter interesse em ser cumprido pela nova gestão da liga, presidida Edson Neto. 

A Gold afirma ter recebido informações de que haveria uma pressão de parte da Prefeitura de Vitória para que não houvesse apoio à iniciativa LGBTQIA+. Deborah Sabará lembra que após quase um ano de gestão, o prefeito Lorenzo Pazolini (Republicanos) ainda não nomeou uma pessoa para a Coordenação de Diversidade Sexual do município, o que reforça a falta de interesse do poder público municipal em relação à questão.

"Vivemos em uma sociedade LGBTfóbica, em que o carnaval e as Escolas de Samba não estão imunes à reprodução da LGBTfobia. O episódio ocorrido neste ano demonstra que a mentalidade dos dirigentes não é muito diferente da mentalidade de dez anos atrás, quando Deborah quase foi impedida de ocupar o posto de porta-bandeira. Sendo assim, a criação da Corte LGBTQI+ representa uma estratégia política de visibilidade para essa população, estimulando o orgulho e autoestima", manifestou a Gold em sua carta pública.

Deborah Sabará: de primeira porta-bandeira trans a ativista LGBT

[Podcast] Coordenadora da Associação Gold fala sobre preconceito, memória das travestis e políticas públicas
https://www.seculodiario.com.br/direitos/deborah-sabara-de-primeira-porta-bandeira-trans-a-ativista-lgbt

Novo aplicativo divulga informações sobre o Carnaval de Vitória

Na coluna: parcerias na música capixaba, dramaturgias femininas, Carmélia transferido, fotografias pomeranas e cinema experimental
https://www.seculodiario.com.br/cultura/novo-aplicativo-traz-informacoes-do-carnaval-de-vitoria

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 24 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/