Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Sábado, 15 Mai 2021

Coletivos capixabas cobram espaços para população em situação de rua LGBTQIA+

gold_reuniao_face Redes sociais

"Não respeitavam meu nome social, me chamavam pelo nome de registro. Eu fiquei lá, mas é um espaço que eu não me senti 100% acolhida". Este é o relato de uma travesti atendida em uma clínica de tratamento para pessoas em situação de rua no Espírito Santo. Falas como essas têm mobilizado entidades capixabas para a reivindicação de um espaço em que pessoas LGBTQIA+ possam ser amparadas e respeitadas.

O local funcionaria como um espaço de tratamento e acolhimento para os usuários, também oferecendo cursos de capacitação e qualificação. "Entendo que é um diálogo necessário e urgente, principalmente durante a pandemia de Covid-19", afirma Viviana Corrêa, presidenta da Câmara Técnica de Monitoramento, Prevenção e Combate à Violência LGBTIfóbica.

O Grupo Orgulho, Liberdade e Dignidade (Gold), que realiza projetos de atendimento à população de rua em Cariacica, Vitória e na Serra, já entrou em contato com deputados estaduais e senadores da bancada capixaba com ideias relacionadas ao assunto.

A coordenadora do Grupo Gold, Déborah Sabará, salientou que, na maioria das vezes, os espaços de tratamento para pessoas em situação de rua se misturam com espaços religiosos, e reforçam os estigmas em relação a essas pessoas.

"Precisa ser criada uma rede com o movimento social para que, ali, LGBTs possam visitar, dialogar e levar capacitação para aquela população", enfatiza.

Viviana Corrêa acredita que um tratamento específico é essencial. "Pessoas LGBTQIA+ em nossa sociedade já sofrem preconceito e discriminação por serem quem são independentemente de classe social, mas a minha percepção é de que isso se acentua na população mais vulnerabilizada", ressaltou.

Protocolo Sanitário 

O Grupo Gold também está desenvolvendo um protocolo sanitário para profissionais do sexo no Espírito Santo. O objetivo é divulgar medidas de proteção para amenizar o contágio da Covid-19 entre pessoas que, sem outra fonte de renda, precisam recorrer à prostituição durante a pandemia.

Esse tipo de protocolo já tem sido divulgado em coletivos de outros estados e inclui a aferição da temperatura dos clientes, o uso de máscara, banhos mais frequentes, dentre outras medidas de higienização. "Nós estamos conversando com prostitutas da Paraíba para incluir outras ideias", conta.

Ações do Governo do Estado

A Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDH), questionada se existe algum projeto de implementação dessas políticas públicas no Espírito Santo, informou que, até o momento, não foi acionada oficialmente sobre as reivindicações, mas "está sempre aberta ao diálogo e monitorando de perto, para que suas ações e articulações atendam à população mais vulnerável".

De acordo com a secretaria, desde o início do programa ES Solidário, em abril de 2020, são realizados repasses de doações para a população LGBT+ em situação de vulnerabilidade, bem como para a população em situação de rua.

Na última terça-feira (7), o governador Renato Casagrande assinou Projeto de Lei (PL) 78/2021, que institui a Política Estadual para a População em Situação de Rua do Espírito Santo (Polepop/ES). De acordo com a SEDH, o objetivo é assegurar os direitos das pessoas que vivem em situação de rua.

Entre seus vários objetivos, como informa, está "o de garantir acesso permanente à água e alimentação de qualidade, estratégias sanitárias, bem como estratégias para a geração de emprego e renda para esta população".

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários: 1

Neylla vs em Domingo, 18 Abril 2021 16:27

Caberia também aos gays em situação financeira boa fazer voluntariado doando $ para cestas básicas, marmitex, materiais de higiene como álcool gel e máscaras... conheço uns que ficam postando vinhos caros, orações e politicagem mas são piores que aqueles a quem tacham de gado. Falo por experiência de já ter ajudado até a comprar ração para os gatos de uma que conheci em um grupo de ajuda animal, além de ter doado aparelho de tv e arranjado várias faxinas.

Caberia também aos gays em situação financeira boa fazer voluntariado doando $ para cestas básicas, marmitex, materiais de higiene como álcool gel e máscaras... conheço uns que ficam postando vinhos caros, orações e politicagem mas são piores que aqueles a quem tacham de gado. Falo por experiência de já ter ajudado até a comprar ração para os gatos de uma que conheci em um grupo de ajuda animal, além de ter doado aparelho de tv e arranjado várias faxinas.
Visitante
Sábado, 15 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/