Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Sábado, 15 Mai 2021

No Dia do Trabalho, Nestlé quer 'presentear' categoria com redução de 50% em tíquete

lindamoraes_sindialimentacao Elifas Medeiros/Sindialimentação
Divulgação

Funcionários da Chocolates Garoto, em Vila Velha, podem ter o tíquete-alimentação reduzido em quase 50% a partir do dia 1º de maio, Dia do Trabalho. O sindicato da categoria aponta que cerca de 1,2 mil trabalhadores podem ser afetados pela decisão da Nestlé, agravada por ocorrer durante a pandemia do coronavírus, ao mesmo tempo em que a multinacional, proprietária da fábrica capixaba, prevê aumento contínuo do crescimento das vendas para 2021.

A proposta da Nestlé era reduzir o benefício e, em contrapartida, oferecer indenização de R$ 9 mil, em parcelas, aos trabalhadores atingidos. No entanto, a partir do dia 1º de maio, o vale passaria de R$ 680 para R$ 350. Com a resposta negativa da classe trabalhadora, a empresa também não continuou as negociações do Acordo Coletivo de 2020, arrastando inclusive reajustes salariais.

"É lamentável que isso aconteça em um período pandêmico, quando os funcionários não pararam de trabalhar em nenhum momento, levantam cedo, vão pra fábrica, e colocam as famílias em risco", repudia a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Alimentação do Espírito Santo (Sindialimentação-ES), Linda Morais.

Elifas Medeiros/Sindialimentação
A proposta da empresa era incluir a redução do vale-alimentação nas cláusulas do novo acordo, movimentação que não foi aceita pelo Sindialimentação em nenhuma das duas assembleias realizadas com os trabalhadores. Os encontros foram realizados com voto secreto, acompanhados por representantes da própria Nestlé.

Diante da negativa, a Nestlé também deixou de cumprir com o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), que já tinha sido acordada com os funcionários. "Tratou como se fosse uma moeda de troca. Não faz sentido, porque são dois acordos diferentes. Há mais de 30 anos esses valores são recebidos", critica Linda.

O sindicato decidiu levar o impasse à Justiça, com o objetivo de impedir a redução. A 6ª Vara do Trabalho de Vitória marcou uma audiência para o próximo dia 23 de junho. "O tíquete é um valor que complementa os salários, e ainda estamos em uma conjuntura econômica que tem reflexo no bolso de cada trabalhador, com a alta de preços em produtos básicos, como arroz e feijão", lembra Morais.

O vice-coordenador-geral do Sindialimentações-ES, Júlio Cesar de Souza, ressalta que, apesar de ser um benefício, a proposta também representa uma queda na renda dos funcionários, já que o tíquete integra o salário total. "Em alguns casos, é uma perda de quase 20% do salário. A partir do momento em que se perde esse valor, será preciso tirar 20% do salário para fazer essa complementação", enfatiza.

Dez anos de luta

Além de gerar impacto na renda, a medida de redução pode significar um retrocesso histórico de dez anos em direitos conquistados. "Esse valor não se recupera mais. Há nove, quase dez anos, o nosso tíquete era R$ 355, quer dizer, um valor bem próximo desses R$ 350 que a Nestlé quer pagar. Então, nós demoramos de nove a dez anos para conseguir chegar no valor de R$ 680, e a empresa quer fazer essa retirada", explica Júlio César.

Elifas Medeiros/Sindialimentação

O sindicalista é funcionário da Garoto há 25 anos e viu esses direitos sendo adquiridos lentamente. "Vivi toda essa passagem, desde de quando não tínhamos tíquete, de quando passamos a ter, por luta nossa, dos processos negociais que nos fizeram chegar a esse valor, e agora, infelizmente, essa briga para garantir o que o nosso por direito", enfatiza.

Para ele, a perda não é apenas monetária, mas mostra o esquecimento de uma luta árdua da classe nos últimos anos. "Fazendo um estudo básico, a gente vai demorar, de novo, de dez a onze anos, para conseguir voltar a ter o valor atual", aponta. 

Lucros só aumentam

Na proposta de redução do benefício, a Nestlé justifica que medidas como essas têm sido adotadas desde 2018 visando à competitividade dos negócios no Brasil. "Este ajuste precisa ser feito, para que outras medidas não sejam necessárias", argumenta.

No entanto, não é isso que os números mostram. Em fevereiro de 2021, a Nestlé anunciou um crescimento orgânico de 3,6% em 2020, o maior nível dos últimos cinco anos. Na ocasião, o próprio CEO da multinacional, Mark Schneider, declarou que foi o terceiro ano consecutivo de melhoria no crescimento orgânico, rentabilidade e retorno sobre o capital investido. Neste ano, a multinacional espera um aumento do lucro básico por ação nas moedas constantes, de acordo com seu relatório empresarial.

Para Linda Morais, os funcionários foram responsáveis por esse crescimento e deveriam ser reconhecidos. "Mesmo em um momento tão difícil, tão delicado, o trabalhador garantiu o lucro da empresa. Para nós, é uma grande injustiça e falta de valorização", ressaltou.

O vice-coordenador-geral do Sindialimentação-ES também considera a redução inaceitável. "O que a gente não consegue entender é o motivo, se a empresa, a cada dia, bate recordes e mais recordes de produção. Desde o início da pandemia, os seus acionistas ficaram mais bilionários e eles querem botar essa conta nas costas do trabalhador", protestou Júlio César.

A Nestlé comprou a Garoto em 2002. Dois anos depois, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) chegou a se posicionar contra a fusão. O órgão investiga atos de concentração econômica entre grandes empresas que possam colocar em risco a livre concorrência no Brasil. A empresa recorreu à Justiça e o processo passou por diversas tentativas de acordos para que a compra fosse aprovada. Até agora, porém, nenhuma decisão final foi dada pelo conselho.

Desumanização da economia e problemas sociais

Para o professor do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Maurício Abdalla, a tentativa de redução do benefício por parte da Nestlé não é um problema local. Ele afirma que o assunto extrapola o campo da economia e precisa começar a ser pensado sob a perspectiva do impacto humanitário.

"Esse caso mostra a maneira que o mundo se organiza, concentrando recursos nas mãos de pouquíssimas pessoas, que quanto mais aumentam o próprio lucro, mais aumentam a voracidade, a vontade de tirar do trabalhador", enfatiza.

Marcos de Alarcão

O professor acredita que o caso também é um reflexo das relações políticas dessas empresas, já que a decisão foi tomada com base na Reforma Trabalhista, aprovada em 2017. Na proposta de redução, a Nestlé afirma que "a legislação é clara que na falta do acordo coletivo, a empresa deverá conceder as condições da CLT [Consolidação das Leis do Trabalho], que dentre outras, não têm valor do tíquete-alimentação".

"Isso mostra a mentira quando diziam que a Reforma Trabalhista era para gerar empregos. O que a gente vê são sucessivas notícias de trabalhadores perdendo direitos em função das mudanças legais, aumento do desemprego e deterioração do trabalho", aponta.

Abdalla ressalta que a situação dos trabalhadores capixabas é o exemplo concreto de um fenômeno histórico: a despersonalização da economia. "Não importa o que eles comercializam, trabalham com números, colocando toda a humanidade à mercê dessa transação de valores. Aquela pessoa que fabrica o chocolate, para Nestlé, não é uma pessoa. É um conjunto de números. Se ela pode reduzir um benefício para ter mais lucro, ela irá reduzir, porque o capital não tem cara, rosto nem materialidade. Isso leva a humanidade a pensar para onde está indo", questionou.

Veja mais notícias sobre Sindicato.

Veja também:

 

Comentários: 18

Elifas em Terça, 27 Abril 2021 17:57

A maior empresa de alimentos do mundo, Nestlé, trata com descaso os trabalhadores que fazem sua riqueza, trabalham duro em turnos ininterruptos para que a empresa bata recordes de produção. Está é a paga que essa empresa dá aos trabalhadores, proposta de redução do auxílio-alimentação, calote na PLR - Participação no Lucros e Resultados, que foi prometida e aprovada em assembleia. Uma empresa que só visa o lucro em detrimento da dignidade dos trabalhadores. Por isso o SindialimentaçãoES e os trabalhadores resistem bravamente. #aresistenciacoletiva

A maior empresa de alimentos do mundo, Nestlé, trata com descaso os trabalhadores que fazem sua riqueza, trabalham duro em turnos ininterruptos para que a empresa bata recordes de produção. Está é a paga que essa empresa dá aos trabalhadores, proposta de redução do auxílio-alimentação, calote na PLR - Participação no Lucros e Resultados, que foi prometida e aprovada em assembleia. Uma empresa que só visa o lucro em detrimento da dignidade dos trabalhadores. Por isso o SindialimentaçãoES e os trabalhadores resistem bravamente. #aresistenciacoletiva
Jeferson Peyneau Mancini em Terça, 27 Abril 2021 18:08

Uma empresa que grita aos 4 cantos do mundo que está lucrando, e que vai lucrar ainda mais e mesmo assim quer tirar do trabalhador que usa o ticket pra o alimento pra sua casa, sua família, seu sustento... em um tempo pandemico que estamos vivendo, é no mínimo uma crueldade dessa empresa que só visa lucro acima de tudo.
Nestlé diz que reconhece os seus trabalhadores, mais cadê o reconhecimento?!? Corte de 50% no ticket e ainda o não pagamento da nossa PLR, votada e aceita em assembléia.

Uma empresa que grita aos 4 cantos do mundo que está lucrando, e que vai lucrar ainda mais e mesmo assim quer tirar do trabalhador que usa o ticket pra o alimento pra sua casa, sua família, seu sustento... em um tempo pandemico que estamos vivendo, é no mínimo uma crueldade dessa empresa que só visa lucro acima de tudo. Nestlé diz que reconhece os seus trabalhadores, mais cadê o reconhecimento?!? Corte de 50% no ticket e ainda o não pagamento da nossa PLR, votada e aceita em assembléia.
Rosiane Lopes Carlos em Terça, 27 Abril 2021 18:39

Uma empresa que visa só lucros,e grita (Alimetar faz bem)faz bem a quem?porque nessa padamia ela só lucro e lucro,e tá querendo tirar o alimento do seus próprios trabalhador que nesse momento tão difícil que estamos passando todos vindo trabalhar arriscando suas vidas e de seus familiares,e no final essa multinacional não tem o mínimo de respeito e reconhecimento,querendo cortar 50% do seu ticket alimentação é uma vergonha Nestlé.

Uma empresa que visa só lucros,e grita (Alimetar faz bem)faz bem a quem?porque nessa padamia ela só lucro e lucro,e tá querendo tirar o alimento do seus próprios trabalhador que nesse momento tão difícil que estamos passando todos vindo trabalhar arriscando suas vidas e de seus familiares,e no final essa multinacional não tem o mínimo de respeito e reconhecimento,querendo cortar 50% do seu ticket alimentação é uma vergonha Nestlé.
Samuel Reis em Terça, 27 Abril 2021 18:52

Chega ser uma escárnio com a seus trabalhadores, onde uma empresa de alimentos das maiores do mundo propor contar alimentos dos seus funcionários, onde slogan dele é reconhecer faz bem...
#VergonhaNestlé
#Sindialimentaçao vai denunciar aos quatro cantos do mundo que essa Nestlé mesquinha quer fazer com a classe trabalhadora.

Chega ser uma escárnio com a seus trabalhadores, onde uma empresa de alimentos das maiores do mundo propor contar alimentos dos seus funcionários, onde slogan dele é reconhecer faz bem... #VergonhaNestlé #Sindialimentaçao vai denunciar aos quatro cantos do mundo que essa Nestlé mesquinha quer fazer com a classe trabalhadora.
polyana Magri em Terça, 27 Abril 2021 19:07

Nestlé a maior indústria de alimentação do mundo quer cortar justamente a alimentação em 50% dos seus trabalhadores, aqueles que estão arriscando suas vidas em plena a pandemia para não deixar a gigante Nestlé parar de LUCRAR. Nós merecemos respeito, dê o nosso ticket inteiro e pague nossa PLR que é nossa por direito!

Nestlé a maior indústria de alimentação do mundo quer cortar justamente a alimentação em 50% dos seus trabalhadores, aqueles que estão arriscando suas vidas em plena a pandemia para não deixar a gigante Nestlé parar de LUCRAR. Nós merecemos respeito, dê o nosso ticket inteiro e pague nossa PLR que é nossa por direito!
Polyana Magri em Terça, 27 Abril 2021 19:12

A alimentação está cada vez mais cara, e ao invés da gigante Nestlé aumentar nosso ticket ela quer reduzir. Quem aí consegue fazer uma compra digna no supermercado com 350 reais? É isso mesmo ela quer tirar metade do ticket do pobre trabalhador, aquele que faz a engrenagem , aquele que não para nunca de produzir para trazer seu LUCRO BILIONÁRIO. Respeite e valorize a classe trabalhadora Nestlé .

A alimentação está cada vez mais cara, e ao invés da gigante Nestlé aumentar nosso ticket ela quer reduzir. Quem aí consegue fazer uma compra digna no supermercado com 350 reais? É isso mesmo ela quer tirar metade do ticket do pobre trabalhador, aquele que faz a engrenagem , aquele que não para nunca de produzir para trazer seu LUCRO BILIONÁRIO. Respeite e valorize a classe trabalhadora Nestlé .
Polyana Magri em Terça, 27 Abril 2021 19:12

A alimentação está cada vez mais cara, e ao invés da gigante Nestlé aumentar nosso ticket ela quer reduzir. Quem aí consegue fazer uma compra digna no supermercado com 350 reais? É isso mesmo ela quer tirar metade do ticket do pobre trabalhador, aquele que faz a engrenagem , aquele que não para nunca de produzir para trazer seu LUCRO BILIONÁRIO. Respeite e valorize a classe trabalhadora Nestlé .

A alimentação está cada vez mais cara, e ao invés da gigante Nestlé aumentar nosso ticket ela quer reduzir. Quem aí consegue fazer uma compra digna no supermercado com 350 reais? É isso mesmo ela quer tirar metade do ticket do pobre trabalhador, aquele que faz a engrenagem , aquele que não para nunca de produzir para trazer seu LUCRO BILIONÁRIO. Respeite e valorize a classe trabalhadora Nestlé .
Elzineia em Terça, 27 Abril 2021 19:14

A Nestlé não mantém o compromisso com os trabalhadores, e nem Valoriza aqueles que saem todos os dias e dão seu melhor, cortar 50% do ticket alimentação, é falta de consideração, falta de respeito, e falo mais, isso é maldade pura, só visa lucro, e descaso total com seus trabalhadores, aí vem com discurso que faz o bem para todo mundo, e faz isso, que faz aquilo, o que a Nestlé quer é tirar alimentação de seus trabalhadores.
E ainda não quer pagar a PLR, aceito em acordo coletivo..
#VERGONHAMUNDIAL....

A Nestlé não mantém o compromisso com os trabalhadores, e nem Valoriza aqueles que saem todos os dias e dão seu melhor, cortar 50% do ticket alimentação, é falta de consideração, falta de respeito, e falo mais, isso é maldade pura, só visa lucro, e descaso total com seus trabalhadores, aí vem com discurso que faz o bem para todo mundo, e faz isso, que faz aquilo, o que a Nestlé quer é tirar alimentação de seus trabalhadores. E ainda não quer pagar a PLR, aceito em acordo coletivo.. #VERGONHAMUNDIAL....
Fabiane Gomes Cardoso Lima em Terça, 27 Abril 2021 21:09

A Gigante NESTLÉ, que só pensa cada dia mais no seu próprio bolso, crescendo nas custas dos seus trabalhadores que ela própria insiste em chamar de *COLABORADORES*,em uma época tão difícil e os mesmos à faz crescer cada vez mais e sendo reconhecida, e na hora de sermos reconhecidos, ela insiste em CORTAR 50% do TICKET ALIMENTAÇÃO.
Que vergonha NESTLÉ ?

A Gigante NESTLÉ, que só pensa cada dia mais no seu próprio bolso, crescendo nas custas dos seus trabalhadores que ela própria insiste em chamar de *COLABORADORES*,em uma época tão difícil e os mesmos à faz crescer cada vez mais e sendo reconhecida, e na hora de sermos reconhecidos, ela insiste em CORTAR 50% do TICKET ALIMENTAÇÃO. Que vergonha NESTLÉ ?
Geraldo Medeiros em Terça, 27 Abril 2021 21:43

Logo na pandemia que uma sacola de arroz tá custando quase 30 reias não vou fala nen a carne quer corta o ticket a multinacional Nestlé vem batendo recorde de lucros não tem motivo para uma empresa de alimentação corta a alimentação dos trabalhadores

Logo na pandemia que uma sacola de arroz tá custando quase 30 reias não vou fala nen a carne quer corta o ticket a multinacional Nestlé vem batendo recorde de lucros não tem motivo para uma empresa de alimentação corta a alimentação dos trabalhadores
Gabriel Simões Martins Coelho em Terça, 27 Abril 2021 21:55

A Nestlé e uma empresa que não valoriza seus trabalhadores, essa proposta de reduzir o tíquete alimentação e desumana e pura maldade e crueldade, que lucrar cada vez mais com a desgraça dos seus trabalhadores,país e mães de famílias.
Em Relação a nossa PLR,aprovamos a proposta que foi feita pela própria empresa é até o certo momento ela não cumpriu com a sua obrigação de pagar o que deve aos funcionários, fica usando a PLR para fazer chantagem, só quer pagar se aceitarmos redução de direitos, mas ela tem que compreende que são dois acordos.
Mas isso não vai acontecer, nos vamos lutar e muito para não perde nossos direitos e vamos lutar para receber a nossa PLR, que é nossa por direito.
Esperamos que a justiça seja feita na audiência que esta agendada.
Caso contrário a categoria esta pronta para mostrar o silêncio das máquinas.
E revoltante porque todos trabalhadores em plena pandemia, estão batendo meta em cima de meta é não está tendo o reconhecimento merecido.
Nestlé empresa sem coração!
O nome dos trabalhadores da Garoto/Nestlé e resistência, vamos até o fim em nossa luta.

A Nestlé e uma empresa que não valoriza seus trabalhadores, essa proposta de reduzir o tíquete alimentação e desumana e pura maldade e crueldade, que lucrar cada vez mais com a desgraça dos seus trabalhadores,país e mães de famílias. Em Relação a nossa PLR,aprovamos a proposta que foi feita pela própria empresa é até o certo momento ela não cumpriu com a sua obrigação de pagar o que deve aos funcionários, fica usando a PLR para fazer chantagem, só quer pagar se aceitarmos redução de direitos, mas ela tem que compreende que são dois acordos. Mas isso não vai acontecer, nos vamos lutar e muito para não perde nossos direitos e vamos lutar para receber a nossa PLR, que é nossa por direito. Esperamos que a justiça seja feita na audiência que esta agendada. Caso contrário a categoria esta pronta para mostrar o silêncio das máquinas. E revoltante porque todos trabalhadores em plena pandemia, estão batendo meta em cima de meta é não está tendo o reconhecimento merecido. Nestlé empresa sem coração! O nome dos trabalhadores da Garoto/Nestlé e resistência, vamos até o fim em nossa luta.
Bruno Neri em Quarta, 28 Abril 2021 01:19

Que belo presente a Nestlé quer dar aos seus trabalhadores no seu dia do 1° de Maio. Quer tirar o alimento da mesa de quem gerou seu lucro em plena maior pandemia mundial! Vergonhoso!

Que belo presente a Nestlé quer dar aos seus trabalhadores no seu dia do 1° de Maio. Quer tirar o alimento da mesa de quem gerou seu lucro em plena maior pandemia mundial! Vergonhoso!
Renato figueiredo em Quarta, 28 Abril 2021 01:48

Não existe palavras para expressar tamanha decepção por tudo siso que está acontecendo, uma empresa que mesmo no alge da pandemia não parou momento algum, tem um lucro enorme, nos trabalhadores nos comprometendo a entregar metas e mais metas, e agora esse é o presente que recebemos no dia do trabalhador, a empresa querer cortar quase 50% da nossa alimentação, logo ela, que sempre prega sobre uma boa alimentação, e agora faz sido com os trabalhadores, não aceitaremos corte algum, queremos aquilo que merecemos, isso sim é valorização......

Não existe palavras para expressar tamanha decepção por tudo siso que está acontecendo, uma empresa que mesmo no alge da pandemia não parou momento algum, tem um lucro enorme, nos trabalhadores nos comprometendo a entregar metas e mais metas, e agora esse é o presente que recebemos no dia do trabalhador, a empresa querer cortar quase 50% da nossa alimentação, logo ela, que sempre prega sobre uma boa alimentação, e agora faz sido com os trabalhadores, não aceitaremos corte algum, queremos aquilo que merecemos, isso sim é valorização......
Mara Lira em Quarta, 28 Abril 2021 06:55

O chocolate é considerado por muitos um símbolo de amor, carregado de memórias afetivas familiares, principalmente em épocas como Natal e Páscoa. Para os capixabas, essa relação afetiva com uma empresa como a Chocolates Garoto, sempre foi forte. Um caso incomum de relação entre a sociedade e uma empresa. Neste período de pandemia, em que muitas pessoas devem ficar em casa isoladas, milhares de trabalhadores seguem produzindo e, na falta de alternativas colocam suas vidas em risco, como ocorre na Garoto/Nestlé. O setor da indústria alimentícia segue produzindo a todo vapor e lucrando alto, justamente por causa da pandemia. O necessário lockdown atinge apenas os pequenos, mas grandes indústrias seguem produzindo normalmente. Estamos vivendo um momento no Brasil no qual 19 milhões de brasileiros estão passando fome, resultado dessa crise sem precedentes na história. Uma crise que atingiu economicamente diversos setores. Mas isso não ocorreu com o setor da alimentação. Pelo contrário, produziu a todo vapor e lucrou significativamente. A Nestlé, embora produza chocolate, perdeu qualquer relação com o termo humanidade, na medida em que, em plena pandemia, propõe cortar pela metade o direito à alimentação de seus trabalhadores. Um direito básico e humano em qualquer lugar do mundo. E o faz com requinte de crueldade ao anunciar que reduzirá arbitrária e unilateralmente o tíquete exatamente no dia do trabalhador. São produtos, gestos e datas simbólicas sobre o tempo de desumanização que estamos vivendo onde o lucro está acima de tudo e de todos. Se nos tirarem este direito será pela imposição da força, jamais por covardia. Sigamos resistindo.

O chocolate é considerado por muitos um símbolo de amor, carregado de memórias afetivas familiares, principalmente em épocas como Natal e Páscoa. Para os capixabas, essa relação afetiva com uma empresa como a Chocolates Garoto, sempre foi forte. Um caso incomum de relação entre a sociedade e uma empresa. Neste período de pandemia, em que muitas pessoas devem ficar em casa isoladas, milhares de trabalhadores seguem produzindo e, na falta de alternativas colocam suas vidas em risco, como ocorre na Garoto/Nestlé. O setor da indústria alimentícia segue produzindo a todo vapor e lucrando alto, justamente por causa da pandemia. O necessário lockdown atinge apenas os pequenos, mas grandes indústrias seguem produzindo normalmente. Estamos vivendo um momento no Brasil no qual 19 milhões de brasileiros estão passando fome, resultado dessa crise sem precedentes na história. Uma crise que atingiu economicamente diversos setores. Mas isso não ocorreu com o setor da alimentação. Pelo contrário, produziu a todo vapor e lucrou significativamente. A Nestlé, embora produza chocolate, perdeu qualquer relação com o termo humanidade, na medida em que, em plena pandemia, propõe cortar pela metade o direito à alimentação de seus trabalhadores. Um direito básico e humano em qualquer lugar do mundo. E o faz com requinte de crueldade ao anunciar que reduzirá arbitrária e unilateralmente o tíquete exatamente no dia do trabalhador. São produtos, gestos e datas simbólicas sobre o tempo de desumanização que estamos vivendo onde o lucro está acima de tudo e de todos. Se nos tirarem este direito será pela imposição da força, jamais por covardia. Sigamos resistindo.
Júlio César De soua em Quarta, 28 Abril 2021 09:49

Essa empresa não valoriza seus trabalhadores, e a história conta, empresas que não valorizam seus trabalhadores costumam pagar um alto preço, pois uma categoria desvalorizada fica desmotivada, e isso influencia direto no processo produtivo, o trabalhador é a engrenagem dessa fábrica, somos nós que fazemos essa roda girar, e sem motivação essa roda para, e um trabalhador para estar motivado tem que ter salários e beneficios, nenhum trabalhador se doa sabendo que o seu patrão quer tirar o pão da boca de seus filhos.
Cuidado Nestlé, cuidado com a revolta do proletariado.

Essa empresa não valoriza seus trabalhadores, e a história conta, empresas que não valorizam seus trabalhadores costumam pagar um alto preço, pois uma categoria desvalorizada fica desmotivada, e isso influencia direto no processo produtivo, o trabalhador é a engrenagem dessa fábrica, somos nós que fazemos essa roda girar, e sem motivação essa roda para, e um trabalhador para estar motivado tem que ter salários e beneficios, nenhum trabalhador se doa sabendo que o seu patrão quer tirar o pão da boca de seus filhos. Cuidado Nestlé, cuidado com a revolta do proletariado.
Dhony em Quarta, 28 Abril 2021 10:16

E uma vergonha oq fazem com o trabalhador nesse país , políticos ganha atoa e tira de quem trabalha , agora as empresa tira os direitos dos trabalhadores onde vai para isso ? Volta a escravidão ? O povo tem o poder, nas mãos e só juntamos e para de compra produtos Nestle ,empresa n sobreviver sem o consumidor ,tá na hora de damos o troco ,parem de consumir produtos das empresas q n valoriza seus funcionários ou q acha q n precisa do povo pra si manter, sem povo o Dinheiro n entra e eles entregam em falecia e fato

E uma vergonha oq fazem com o trabalhador nesse país , políticos ganha atoa e tira de quem trabalha , agora as empresa tira os direitos dos trabalhadores onde vai para isso ? Volta a escravidão ? O povo tem o poder, nas mãos e só juntamos e para de compra produtos Nestle ,empresa n sobreviver sem o consumidor ,tá na hora de damos o troco ,parem de consumir produtos das empresas q n valoriza seus funcionários ou q acha q n precisa do povo pra si manter, sem povo o Dinheiro n entra e eles entregam em falecia e fato
Carlos Pinto em Quarta, 28 Abril 2021 11:23

Nestlé, batendo recordes de produção e vendas, é uma das empresas do ramo de alimentação que mais lucrou em plena pandemia. Investimentos milionários sendo feitos, mas isso não pode ser a custa da alimentação de quem produz sua riqueza. A empresa que diz que *reconhecer faz bem* é a mesma que está querendo reduzir a alimentação de seus trabalhadores em quase 50%.
A empresa, mesmo tendo grandes lucros, fez uma proposta de PLR menor, que foi aceita em assembleia de votação pelos trabalhadores e agora se nega a pagar. Uma vergonha. Uma verdadeira falta de respeito com seus trabalhadores.

Nestlé, batendo recordes de produção e vendas, é uma das empresas do ramo de alimentação que mais lucrou em plena pandemia. Investimentos milionários sendo feitos, mas isso não pode ser a custa da alimentação de quem produz sua riqueza. A empresa que diz que *reconhecer faz bem* é a mesma que está querendo reduzir a alimentação de seus trabalhadores em quase 50%. A empresa, mesmo tendo grandes lucros, fez uma proposta de PLR menor, que foi aceita em assembleia de votação pelos trabalhadores e agora se nega a pagar. Uma vergonha. Uma verdadeira falta de respeito com seus trabalhadores.
Josias em Quarta, 28 Abril 2021 13:04

Parabéns aqueles que acharam que a reforma trabalhista iria ser a mágica pra geração de empregos e se matam quando fala do Bozo tava ruim com pt imagina agora nada tá tão ruim que não possa piorar

Parabéns aqueles que acharam que a reforma trabalhista iria ser a mágica pra geração de empregos e se matam quando fala do Bozo tava ruim com pt imagina agora nada tá tão ruim que não possa piorar
Visitante
Sábado, 15 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/