Quinta, 20 Janeiro 2022

Unesco reconhece união homoafetiva como patrimônio mundial

Unesco reconhece união homoafetiva como patrimônio mundial

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de reconhecer, em 2011, a união homoafetiva e a garantia dos direitos fundamentais aos homossexuais, recebeu o certificado MoWBrasil 2018, oferecido pelo Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da  Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura  (Unesco).



A decisão foi inscrita como patrimônio documental da humanidade no Registro Nacional do Brasil. O ex-ministro Ayres Britto, do STF, relator das ações que trataram do tema, representou a Corte durante cerimônia, no último dia 12, no Rio de Janeiro.


Para a presidente do Grupo Orgulho, Liberdade e Dignidade (Gold), entidade que representa a comunidade LGBTI no Estado, Deborah Sabará, a notícia é motivo de comemoração. “Fiquei muito feliz. A decisão é de suma importância para a comunidade LGBTI e também para juízes e juízas que estiveram na votação histórica que aprovou a união homoafetiva no Brasil. Conheci o ministro Ayres Brito em Brasília; ele que fez uma defesa da igualdade na junção de casais homoafetivos. Foi fantástico”, disse Deborah.


Segundo Sabará, que também é a primeira transexual a presidir o Conselho Estadual de Direitos Humanos, vale ressaltar que a comunidade LGBTI ainda aguarda decisão do STF sobre duas ações (ADO 26 e MI 14.733) que podem transformar homofobia em crime. Depois de diversos adiamentos, as matérias foram incluídas na pauta do STF de 13 de fevereiro de 2019. “A violência contra a comunidade, principalmente contra as transexuais, cresceu drasticamente. Os números de assassinatos são grandes. Seria bom que o assunto fosse analisado pelo STF antes de ir para a Câmara Federal ou Senado, que tem um novo perfil de bancada ainda mais conservador”, afirmou.       


“A Constituição é arejadora dos costumes e sabe enterrar ideias mortas”, ressaltou o ministro. “[A decisão do STF] é de proibição do preconceito em função do modo sexual de ser das pessoas”, disse.


Ayres Britto acrescentou que este é um caminho de qualidade civilizatória democrática e humanista. “É caminho sem volta, é descolonização mental".



A presidente do Comitê Nacional da Memória do Mundo da Unesco, Jussara Derenji, destacou que “um caleidoscópio da história está se formando através de novas contribuições das instituições nacionais”.

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 20 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/