Sexta, 24 Setembro 2021

Vidigal se reúne com coletivo de mães e pede desculpas por agressões na prefeitura

vidigal_maeseficientes_redesociais Redes sociais

O prefeito da Serra, Sergio Vidigal (PDT), se reuniu com o coletivo Mãe Eficientes Somos Nós, nessa quinta-feira (17). O grupo, que luta pela inclusão de crianças com deficiência, reivindicava o encontro, suspenso após terem sofrido agressões de seguranças na prefeitura em abril.

Durante a reunião, o gestor informou que as agressões foram realizadas por funcionários de uma empresa terceirizada e um processo administrativo foi instaurado para apurar a responsabilidade do ocorrido. "O correto seria, se achasse que houvesse algum risco ao patrimônio público, que se chamasse a guarda municipal para proteger o patrimônio público e não agredir ninguém", disse o prefeito.

Em nome do município, Vidigal se desculpou pelo ocorrido. "Talvez a prefeitura pode ter errado de não intervir em tempo hábil. Pode ser que alguém responsável poderia intervir e não interviu [...] Nós não pactuamos com nenhum tipo de agressão", garantiu.

Em uma publicação de Vidigal nas redes sociais, ele informa que a reunião também serviu para alinhar um diálogo mensal entre o coletivo e um representante da gestão. O intuito é discutir as demandas das mães e cuidadoras. "Sabemos que ser mãe não é fácil, nessa situação é ainda mais difícil. Por isso nos colocamos lado a lado, caminhando juntos, buscando as melhores soluções para nossas crianças", disse.

Para a fundadora e coordenadora-geral do coletivo, Lúcia Mara Martins, o encontro foi positivo. "Mães adoeceram por causa daquela situação. Nós suspendemos o diálogo total até que a gente tivesse um pedido de desculpas público pelo ocorrido", explica.

Lúcia afirma que, a partir da reunião, os encontros serão retomados, inclusive para o Grupo Intersetorial de Apoio a Educação Especial do Município da Serra (GIAEEMS), fundado em março.

O objetivo do grupo é criar um espaço de debate entre as cuidadoras de crianças com deficiência e a prefeitura, contando com a participação de representantes das pastas municipais.

"Quem ganha com esse diálogo é a comunidade, mas, principalmente, a própria gestão, porque a gente traz demandas que muitas vezes eles nem se deram conta. Tem muitos lugares que eles conseguem chegar. Nós conhecemos as demandas das famílias, levamos a realidade concreta para a gestão", declara Lúcia.

As agressões

No dia 30 de abril, o coletivo Mães Eficientes Somos Nós publicou uma nota denunciando agressões de seguranças da prefeitura contra integrantes do grupo. As mulheres tentavam entrar na sede do Executivo para se reunir com o prefeito, após saberem que a secretária de Saúde, Sheila Cristina de Souza Cruz, não iria participar de uma reunião virtual agendada desde o dia 12 de março.

As mães relataram que foram recebidas com truculência pelos seguranças, que tentaram impedir que elas entrassem no prédio. "Mesmo em horário de funcionamento, o portão da prefeitura estava trancado e não quiseram abrir, mesmo com as mães estando embaixo de chuva", disseram na ocasião.

Além de terem forçado a porta contra os corpos das mulheres, os seguranças teriam agredido um adolescente autista que tentava defender a mãe. O coletivo enviou uma nota de repúdio ao prefeito.

"Estamos fartas de nos chamarem de mal educadas e grossas quando surtamos em reuniões porque vocês gestores não priorizaram os direitos das pessoas com deficiência. estamos fartas! Por isso, um dos nossos lemas agora é: Se as portas da inclusão não se abrirem, nós as derrubamos!!! E não há ninguém que nos impedirá de lutar pelos direitos dos nossos(as) filhos(as) com deficiência! Podem nos processar, podem nos prender e podem até nos matar. somos sementes e vamos brotar sempre", declara um trecho da nota.

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 24 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/