Domingo, 19 Setembro 2021

Vitória interrompe distribuição de comida para pessoas em situação de rua

tenda_do_bem_vitoria_elizabeth_nader_pmv Elizabeth Nader/PMV
Elizabeth Nader/PMV

Cerca de 150 pessoas em situação de rua que eram assistidas pelo projeto Tendas do Bem, da Prefeitura Municipal de Vitória (PMV), estão sem garantia de alimentação. Segundo Géssica Muhd, que atuava como mobilizadora social no projeto, o contrato entre a gestão pública municipal e o Projeto Sol, que organizava as Tendas, chegou ao fim e a gestão do Delegado Pazolini (Republicanos) não renovou. Por isso, os atendimentos à população em situação de rua, como distribuição de marmitas, tiveram que ser encerrados no último sábado (9), quando os assistidos foram avisados da situação. 

Eram duas Tendas do Bem, surgidas em abril para buscar garantir a alimentação das pessoas em situação de rua diante da pandemia da Covid-19. Uma ficava na Praça do Papa, na Enseada do Suá. A outra, na entrada da Pedra da Cebola, em Goiabeiras. Além de fornecer marmitas, eram realizados outros serviços, como emissão de documentos para que as pessoas pudessem arranjar emprego ou conseguir algum auxílio, encaminhamento para tratamento de dependência química, entre outros, informa Géssica. 

A notícia do encerramento das Tendas foi recebida com tristeza pelos assistidos. "Infelizmente fiquei incumbida de dar essa informação. Alguns choraram, ficaram desesperados. Para muitos, aquela era a única refeição do dia. Tirar a comida, o alimento de quem não tem nada, é cruel. Falta de sensibilidade. A gestão pública municipal deveria lutar pelos menos favorecidos, e não há mais desfavorecidos do que a população em situação de rua. É bater em cachorro morto, dar tiro de misericórdia, tirar a única coisa que essas pessoas tinham, que é o alimento", desabafa Géssica. 

Segundo a mobilizadora social, na Tenda da Pedra da Cebola eram assistidas cerca de 65 pessoas. Na da Praça do Papa, por volta de 80. Procurada por Século Diário, a Secretaria Municipal de Assistência Social afirmou que vai analisar novas alternativas, mas não falou em prazos para isso, por exemplo. Géssica questiona: "As Tendas irão voltar? Quando irão voltar? Se a proposta for voltar, até lá as pessoas irão comer como?". Para o integrante da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de Vitória, Carlos Fabian de Carvalho, as Tendas do Bem "não eram a política que se desejava na pandemia, e ela foi extremamente precária, mas em tempos pandêmicos ela ainda se fez necessária em função da distribuição de alimentos, da necessidade de matar a fome". 

Fabian destaca que a pastoral entende que há necessidade de que seja garantida uma política municipal de atendimento à população em situação de rua, com atuação de diversas secretarias, garantindo que essas pessoas sejam reconhecidas em sua condição de cidadania. "O problema de encerrar a Tenda do Bem é não colocar nada no lugar. O que a gente observou: a Tenda do Bem foi encerrada e as ações de retirada de moradores de rua de praças e de alguns espaços foi intensificada. Se substituiu a entrega de alimentos por uma ação que já acontecia no governo anterior [gestão de Luciano, do Cidadania], mas de forma mais enérgica ainda, higienista, da Prefeitura Municipal de Vitória". 

Fabian defende que a Tenda deveria funcionar até que uma política integrada fosse implementada. "Mas a escolha da atual gestão, me parece, é que seja retirada de circulação. Nós temos então a intensificação de uma ação de criminalização da população em situação de rua e ação higienista, e foi retirada a única ação que garantia a sobrevivência de parte da população em situação de rua de Vitória", diz. 

O coordenador da Pastoral do Povo de Rua, Júlio César Pagotto, afirma que o grupo vai se reunir ainda esta semana com movimentos sociais que apoiam a Pastoral para pensar ações em prol da população de rua não somente em Vitória, mas em outros municípios, inclusive buscando diálogo com as novas gestões municipais.

Veja mais notícias sobre Direitos.

Veja também:

 

Comentários: 8

Pedro nobre em Segunda, 11 Janeiro 2021 22:07

Esse é o prefeito que os eleitores colocaram lá.
Esse é apenas o começo.

Esse é o prefeito que os eleitores colocaram lá. Esse é apenas o começo.
LUIS MOREIRA em Terça, 12 Janeiro 2021 00:32

É um absurdo e criminoso, uma cidade das mais ricas do país negar alimento para quem passa fome. É uma covardia, até para os animais de rua nós damos comida. A comida precisa ser mantida enquanto não se encontra uma solução para o problema. O desperdício de alimento no Brasil é enorme, isso é inaceitável.

É um absurdo e criminoso, uma cidade das mais ricas do país negar alimento para quem passa fome. É uma covardia, até para os animais de rua nós damos comida. A comida precisa ser mantida enquanto não se encontra uma solução para o problema. O desperdício de alimento no Brasil é enorme, isso é inaceitável.
caio em Terça, 12 Janeiro 2021 10:14

cidade bolsominian tem mais que F.

cidade bolsominian tem mais que F.
FLÁVIO AUGUSTO em Terça, 12 Janeiro 2021 11:10

Aumentar o salário de subsecretário pode, mas alimentar os necessitados, não. Lástimavel!

Aumentar o salário de subsecretário pode, mas alimentar os necessitados, não. Lástimavel!
Luiz Inácio Jesuíno Feijó em Terça, 12 Janeiro 2021 18:21

Ué, porque a Pastoral dos bandidos não assume, são só 150 marmitas por dia. Cade a grana que eles recebem das arquidioceses. Fazer caridade com dinheiro publico e falar mal do poder publico é fácil né? difícil é arregaçar as mangas e ajudar o próximo com seu próprio esforço. Demagogos.

Ué, porque a Pastoral dos bandidos não assume, são só 150 marmitas por dia. Cade a grana que eles recebem das arquidioceses. Fazer caridade com dinheiro publico e falar mal do poder publico é fácil né? difícil é arregaçar as mangas e ajudar o próximo com seu próprio esforço. Demagogos.
Efrem de Brito em Terça, 12 Janeiro 2021 20:04

Parabéns!!! Faço minha suas palavras.

Parabéns!!! Faço minha suas palavras.
marcos em Segunda, 25 Janeiro 2021 09:42

Moro na Vila Rubim, com a Cracolandia 24h debaixo da minha janela, ouço obscenidades (não usamos de palavras de baixo calão na nossa casa mas, de tanto ouvir esses sons que vem da rua a minha neta de três já começou a reproduzi-las), sinto cheiros nada agradáveis, já vi coisas nada agradáveis, já fui ameaçado de morte por um desses desassistidos e sei com um certo desespero que se de fato isso ocorrer não vai dar em nada pois o mesmo me falou que se fosse preso no máximo em dois dias estaria nas ruas de novo e eu na vala. Há moradores de rua e viciados nas ruas, são duas coisas bem distintas. O primeiro, talvez por um infortúnio foi parar nas ruas e o segundo na grande maioria das vezes por escolha própria, têm endereço, famílias que foram destruídas por uma opção pessoal de se drogar e o drogado é na maioria das vezes um criminoso em potencial capaz de fazer qualquer coisa para conseguir a próxima dose, desses viramos reféns. Não deveria ser cortado o benefício da alimentação assim de uma hora para outra, mas sou de opinião que quem dá o peixe também deveria ensinar a pescar.

Moro na Vila Rubim, com a Cracolandia 24h debaixo da minha janela, ouço obscenidades (não usamos de palavras de baixo calão na nossa casa mas, de tanto ouvir esses sons que vem da rua a minha neta de três já começou a reproduzi-las), sinto cheiros nada agradáveis, já vi coisas nada agradáveis, já fui ameaçado de morte por um desses desassistidos e sei com um certo desespero que se de fato isso ocorrer não vai dar em nada pois o mesmo me falou que se fosse preso no máximo em dois dias estaria nas ruas de novo e eu na vala. Há moradores de rua e viciados nas ruas, são duas coisas bem distintas. O primeiro, talvez por um infortúnio foi parar nas ruas e o segundo na grande maioria das vezes por escolha própria, têm endereço, famílias que foram destruídas por uma opção pessoal de se drogar e o drogado é na maioria das vezes um criminoso em potencial capaz de fazer qualquer coisa para conseguir a próxima dose, desses viramos reféns. Não deveria ser cortado o benefício da alimentação assim de uma hora para outra, mas sou de opinião que quem dá o peixe também deveria ensinar a pescar.
Hugo em Segunda, 25 Janeiro 2021 16:15

Perfeito...

Perfeito...
Visitante
Domingo, 19 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/