Dólar Comercial: R$ 5,31 • Euro: R$ 6,00
Quarta, 15 Julho 2020

Mesmo com Covid-19, setores econômicos têm aumento no faturamento

ceasa_ceasa Ceasa
A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus não impediu que alguns setores econômicos no Espírito Santo apresentassem variação positiva no faturamento de março a 15 de maio de 2020, quando comparado ao mesmo período de 2019. O setor de Hortifrutigranjeiros foi o que teve a principal alta, de 29,4%, seguido por Transporte, com 28,2%, Minimercados, 26,6%, e Carnes e Pescados, 26,4%.

Esses dados estão na edição número 4 do Boletim da Receita Estadual: Impactos econômicos da Covid-19, disponibilizado publicamente no site da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e desenvolvido por auditores fiscais da Receita Estadual.

Outros setores que registraram aumento no faturamento de março a 15 de maio de 2020 foram o de Bebidas (20,9%), Alimentos (20,1%), Supermercados (18%), Produtos Farmacêuticos (14,7%), Insumos Agropecuários (10,3%) e Panificação (9,4%).

Outros segmentos registram impactos negativos em seu faturamento, conforme destaca o boletim, ao comparar a emissão de NFC-e (Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica) com o mesmo período de 2019.

Os mais impactados foram Calçados (-63,8%), Joias e Relógios (-62,2%) e Vestuário (-58,2%). Também apresentaram queda Artigos de Ótica (-54,1%), Material Esportivo (-46,2%), Restaurantes (-43,7%), Cama, Mesa e Banho (-39,9%), Cosméticos (-38,5%), Móveis (-30,5%) e Combustíveis (-21,5%).

"Os dados identificados pelos auditores fiscais com base nos documentos fiscais eletrônicos confirmam a previsão de elevação do faturamento, durante a pandemia, dos setores de consumo essenciais como alimentação, bebidas e medicamentos", comenta o auditor fiscal e diretor do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual (Sindifiscal), Geraldo José Pinheiro.

"Em setores em que o consumo pode ser adiado, foi constatada redução substancial no faturamento, em especial no caso dos combustíveis, diretamente afetados pelas regras de distanciamento social que impõem diminuição da circulação de veículos", argumenta.

Ainda segundo o auditor, a arrecadação de tributos estaduais no mês de maio deste ano apresentou queda em torno de 30%, (números que serão confirmados nesta semana), contemplando assim os fatos geradores ocorridos no mês de abril - período integralmente afetado pelas regras de isolamento social e permissão de funcionamento exclusivamente de atividades essenciais.

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 15 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection