Quarta, 27 Outubro 2021

​Valor fixo na alíquota de ICMS não reduzirá preços dos combustíveis, diz Sefaz

plenario_Senado_Waldemir-Barreto_AgSenado Waldemir Barreto/Ag. Senado

"Há um claro diagnóstico equivocado do problema. O atual aumento do preço dos combustíveis é resultado do aumento do dólar, do preço do barril de petróleo e, sobretudo, da atual política de preços da Petrobras". Assim reagiu a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), em nota, ao questionamento de Século Diário sobre o projeto aprovado na noite dessa quarta-feira (13) na Câmara dos Deputados. A medida estabelece um valor fixo para a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) referente aos combustíveis, como forma de baratear os preços pelos quais os produtos são vendidos ao consumidor final.

A proposta, aprovada por 392 votos, incluindo a maioria da bancada capixaba, contra 71 e duas abstenções, faz parte da estratégia do governo Bolsonaro de direcionar a culpa aos governadores pela alta dos preços e não à política de Paridade de Preços de Importação (PPI), adotada pela Petrobras a partir do governo de Michel Temer (MDB).

Desde a semana passada, govenadores iniciaram uma reação à medida, liderada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), aliado de Bolsonaro, e reforçaram a informação de que as alíquotas do ICMS não foram elevadas na atual gestão e que a inflação dos combustíveis se deve ao câmbio e à elevação no valor do barril de petróleo internacionalmente.

Para a Sefaz, "a proposta não cumprirá seu objetivo de reduzir o preço dos combustíveis, além de ensejar considerável perda de receitas pelos estados. Pelas estimativas feitas pela Receita Estadual, o prejuízo para o Estado pode ser de R$ 435 milhões por ano – sendo que parte desse valor (25%) é dividido com os 78 municípios do Espírito Santo".

Dos 10 deputados do Espírito, votaram favoráveis à medida Amaro Neto (Republicanos), Lauriete (PSC), Norma Ayub (DEM), Ted Conti (PSB), Felipe Rigoni (PSB) e Helder Salomão (PT). Os nomes de Soraya Manato (PSL), Da Vitória (Cidadania), Nucimar fraga (PSD) e Evair de Melo (PP) não constam na folha de votação.

O Comitê Nacional de Secretários da Fazenda, Finanças, Receitas ou Tributação dos Estados e Distrito Federal (Comsefaz) tem tentado reunir esforços de todos os atores envolvidos no sistema (governo federal, estaduais, deputados federais, senadores, sindicatos de postos de combustíveis, distribuidoras e Petrobras) para chegar a uma solução sustentável para o assunto, informa a Sefaz, e ressalta que o ICMS não é o responsável pelos atuais aumentos de preços dos combustíveis. "O ICMS incide sobre esse preço, esteja ele elevado ou baixo, mas não o determina".

A nota da Sefaz esclarece ainda: "A carga tributária é elevada, mas isso é um problema estrutural do País, e não somente do ICMS incidente sobre os combustíveis. Não se discute carga tributária pontualmente, mas sim globalmente. Há um claro diagnóstico equivocado do problema. O atual aumento do preço dos combustíveis é resultado do aumento do dólar, do preço do barril de petróleo e, sobretudo, da atual política de preços da Petrobras", reforçou.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 4

José Salvador em Quinta, 14 Outubro 2021 17:34

O Senado tem que derrubar esse projeto. Os estados estão sendo condenados a pagar o preço do lucro dos acionistas da Petrobras. Parece que a imprensa omite essa verdade, porque será?

O Senado tem que derrubar esse projeto. Os estados estão sendo condenados a pagar o preço do lucro dos acionistas da Petrobras. Parece que a imprensa omite essa verdade, porque será?
Seu Madruga em Quinta, 14 Outubro 2021 18:52

Tem é que privatizar a petrobrás e todas as estatais.

Tem é que privatizar a petrobrás e todas as estatais.
VINICIUS em Terça, 19 Outubro 2021 21:22

Precisa-se estatizar a Petrobrás. De mais a mais, expropriar, nacionalizar e estatizar várias corporações e empresas estratégicas ao desenvolvimento econômico do país e social do povo. Os vendilhões da pátria devem ser atirados na cadeia!

Precisa-se estatizar a Petrobrás. De mais a mais, expropriar, nacionalizar e estatizar várias corporações e empresas estratégicas ao desenvolvimento econômico do país e social do povo. Os vendilhões da pátria devem ser atirados na cadeia!
Jubirá Silvio Picoli em Sexta, 15 Outubro 2021 10:05

Mais um conto do vigário desse governo incompetente.

Mais um conto do vigário desse governo incompetente.
Visitante
Quarta, 27 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/