Quinta, 20 Janeiro 2022

Congresso aprova projeto que destina recursos para bolsas da educação básica

ufes_leonardo_sa-1089 Leonardo Sá

Parlamentares aprovaram, em sessão do Congresso Nacional, o projeto de lei (PLN) 17/21, que destina recursos para estudantes universitários que atuam na educação básica. A aprovação do projeto era apontada como necessária para o pagamento das bolsas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) e Residência Pedagógica (RP), atrasados há mais de dois meses. Mais de 400 estudantes da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) sofrem com o problema.

A matéria agora vai para sanção do Executivo. O projeto foi aprovado na tarde desta quinta-feira (11), junto com outros nove projetos de lei que abrem créditos especiais e suplementares. Além do PLN 17, apontado como crucial para o pagamento das bolsas, os parlamentares também aprovaram o PLN 31/21, que destina mais R$ 146,9 milhões para a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), com o intuito de garantir a manutenção do pagamento das bolsas até o final do ano.

A aprovação foi comemorada pela União Nacional dos Estudantes (UNE). Representantes da entidade acreditam que as bolsas atrasadas devem ser liberadas nos próximos dias. "Devemos seguir atentos, fortes e em luta em defesa da Capes, dos programas das licenciaturas e da Educação! A UNE somos nós, nossa força e voz", diz nota da entidade.

Essa garantia do pagamento dos valores até o final do ano era uma das reivindicações da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO), presidida pela senadora capixaba Rose de Freitas (MDB). Mesmo com a aprovação do PLN 17 pela CMO no dia 28 de outubro, o acordo era que a votação no plenário só acontecesse se o governo federal garantisse a dotação das bolsas do último trimestre.

Os parlamentares estabeleceram essa condição tendo em vista que os R$ 43 milhões do PLN 17 só seriam suficientes para pagar os valores das bolsas que estão atrasadas, sendo necessária uma suplementação para garantir os pagamentos até o fim do ano. O cumprimento do acordo chegou à CMO nessa quarta-feira (10), por meio do PLN 31/2021.

"O PLN 31/2021 acabou dividido em dois projetos – o 'a' e o 'b' - porque o governo remanejou recursos de emendas do relator, a chamada RP 9. Como o STF (Supremo Tribunal Federal) acaba de proibir a execução de emendas do relator, Rose de Freitas, por cautela, colocou em votação apenas o PLN 31 a, justamente o que contemplava as dotações das bolsas", diz a senadora capixaba.

A aprovação do projeto era apontada pela Capes, responsável pelo financiamento dos programas, como necessária para que as bolsas em atraso sejam pagas. De acordo com a instituição, não havia mais permissão legal para a suplementação orçamentária por ato do Executivo, por isso o crédito precisou ser encaminhado por meio de projeto de lei.

Com o atraso de mais de dois meses, os estudantes realizaram diversas mobilizações nas redes sociais cobrando a votação do PLN 17. Os bolsistas chegaram a se manifestar nas páginas da senadora Rose de Freitas, responsável por pautar a matéria na CMO. Estudantes capixabas também criaram uma página no Instagram, com alunos bolsistas do Pibid e da Residência Pedagógica no Espírito Santo, o Resiste Pibid e RP #ES (@pibid.rp.resiste.es).

"O Pibid e o Residência Pedagógica são programas que visam a inserção do futuro profissional docente, ou seja, das pessoas que cursam os cursos de graduação e licenciaturas nas universidades e institutos federais de todo o país dentro do seu futuro ambiente de trabalho", explicou Mateus Rodrigues Alves, bolsista RP pelo curso de biologia na Ufes de Alegre, em um vídeo publicado na página.

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 20 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/