Dólar Comercial: R$ 5,62 • Euro: R$ 6,59
Quinta, 01 Outubro 2020

PM reprime manifestação contra ensino remoto na Reitoria da Ufes

manifestacao_earte_creditosAdufes Adufes

Integrantes da comunidade acadêmica protestaram na tarde desta quinta-feira (13), na Reitoria da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), contra o ensino remoto e a forma como o debate sobre sua implantação tem sido conduzido pela Administração Central da instituição de ensino. Ao tentar subir para a sala de reuniões, o diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Sintufes), Welington Pereira, que estava no protesto, foi impedido de forma agressiva por um Policial Militar (PM) que atua no campus. "Ele agiu grotescamente", afirma o servidor. 

Em vídeo que circula nas redes sociais, o PM fala aos gritos frases como "se você passar por cima de mim eu te atropelo aqui" e "você, para mim, é um merda".

"Me mantive na minha, pois quando um PM com arma na mão diz que vai atropelar, ele está te ameaçando de morte. Ele não está com um carro, está com uma arma", afirma Welington.

Os manifestantes cobram um posicionamento da Ufes. "Na universidade, por ser um espaço de discussões, não se pode admitir que um PM tome uma atitude descontrolada, descabida", enfatiza o diretor do Sintufes.

Adufes

A manifestação ocorreu enquanto acontecia a reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) para decidir sobre a criação e regulamentação do Ensino-Aprendizagem Remoto Temporário e Emergencial (Earte). Embora seja virtual, para evitar aglomerações devido à pandemia do coronavírus, o reitor Paulo Vargas e alguns assessores comparecem à sala onde está a estrutura tecnológica para as reuniões, como explica a presidente da Associação dos Docentes da Ufes (Adufes), Ana Carolina Galvão. 

Ela conta que usou seu espaço de fala para denunciar o ocorrido, mas nada foi feito por parte da Administração Central da universidade. De acordo com a diretora da Adufes, Junia Zaidan, após a discussão, os policiais afirmaram que consultariam a universidade para saber se alguém poderia subir. "Depois eles disseram que não foi permitido. Comunicaram também que algum representante da Reitoria desceria para falar conosco, mas isso não aconteceu", relata Junia.

A diretora da entidade afirma ainda que a comunidade universitária sempre teve acesso a todos espaços do prédio da Reitoria e que eles queriam pregar cartazes nos corredores por ser "um espaço simbólico, que representa o espaço de poder".

A manifestação foi organizada pela Adufes, Sintufes e Diretório Central dos Estudantes (DCE). Junia aponta que o ensino remoto é excludente e que não adianta a Ufes querer garantir equipamento e sinal de internet para os estudantes.
Adufes

"As questões são mais amplas. Tem alunos que não têm condições psicológicas de ter as aulas, pois são responsáveis por pessoas com cuidados especiais em casa, muitos perderam a renda durante a pandemia e estão tendo que buscar o trabalho informal, outros são pais e mães de filhos pequenos que não estão podendo ir para a creche", enumera Junia. Quanto à condução das discussões sobre o Ensino-Aprendizagem Remoto (Earte), a diretora da Adufes afirma que foi um debate "para inglês ver", pois as resoluções foram enviadas para os centros em período de férias, sem que houvesse um prazo adequado para análise, e as sugestões não foram acatadas, entre outras queixas. 

Segundo a Ufes, "foi permitido aos representantes da Adufes, do Sintufes e do DCE o acesso ao térreo do prédio, mas não a subida até o terceiro andar, onde está localizada a Sala da Sessões, cuja estrutura tecnológica é utilizada para a realização das reuniões remotas". Ainda segundo a universidade, "quanto ao relato de abuso de autoridade, a Superintendência de Infraestrutura afirma que está apurando os fatos para adotar as medidas que se fizerem necessárias". 

Pessoas com deficiência

A manifestação desta sexta-feira contra o Earte não foi a primeira. No dia seis de agosto, o Coletivo Mães Eficientes Somos Nós, formado por mães, pais e familiares de crianças adolescentes, jovens e adultos com deficiência, também fez um protesto na universidade. Na ocasião, o grupo afirmou que "se um deles [estudantes com deficiência] ficar de fora, não pode se dizer que a universidade cumpre sua missão".
Protesto do Coletivo Mães Eficientes Somos Nós. Foto: Facebook

O objetivo da manifestação, segundo as mães, foi a defesa da permanência dos estudantes com deficiência na Universidade Federal do Espírito Santo. "Que nenhum dos nossos seja deixado para trás!", conclamaram. "Muitos desses estudantes sequer têm apoio e recursos tecnológicos em casa para acessar às aulas virtuais e, mesmo com recursos tecnológicos, muitos não conseguirão acessar as aulas, devido às várias dificuldades enfrentadas neste período de pandemia, já pré-existentes, porém acirradas e potencializadas na crise imposta pela Covid-19", argumentam.

O Earte, afirmam, tem tramitado dentro da Universidade "sem diálogo com os estudantes com deficiência e também com este coletivo". A proposta dos manifestantes foi que o Ensino-Aprendizagem Remoto fosse cancelado e que "o semestre letivo seja retomado apenas quando a crise pandêmica passar".

Earte

A realização de atividades de ensino remoto na graduação e na pós-graduação foi autorizada pela Ufes em sessão do Conselho Universitário realizada nessa quarta-feira (12). A decisão altera a Resolução nº 7/2020, aprovada em seis de abril, para regulamentar a reorganização das atividades acadêmicas e administrativas da Ufes como medida de prevenção à Covid-19, e vetava a substituição das aulas presenciais por aulas em formato remoto.

Segundo a definição do Conselho, as atividades de ensino em caráter remoto poderão ocorrer observando a proposta do Plano de Contingência da Ufes. Também foi regulamentado que o retorno das atividades presenciais, quando possível, deverá ser publicamente divulgado, com antecedência mínima de 15 dias. Na reunião desta quinta-feira, que prossegue nesta sexta-feira (14), o Cepe decidirá sobre a criação e a regulamentação do Earte, o calendário para o semestre especial e a flexibilização das normas acadêmicas. 

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários: 2

Dauri Correia da SilvaDa em Sexta, 14 Agosto 2020 21:38

#ficaemcasa
Para proteger os seus e para garantir que pós retorno das aulas presenciais sua vida acadêmica possa ser concluída.

#ficaemcasa Para proteger os seus e para garantir que pós retorno das aulas presenciais sua vida acadêmica possa ser concluída.
Luiz Alves em Sábado, 15 Agosto 2020 17:58

Agora tudo é impecilho para se voltar à vida normal ou se enquadrar aos novos tempos. Para todas as soluções encontradas, tem o time ´´´do contra´´ para palpitar e tentar atrapalhar. Enquanto os comerciários das farmácias, supermercados, postos de gasolina e vários outros, o pessoal da saúde, construção civil, alguns serviços públicos não pararam nenhum dia sequer; tem uma leva de segmentos na sociedade que acostumaram com a vida lençol e fronha em casa e que parecem não querem voltar a trabalhar. A pergunta que fica é: será que há cidadãos melhores que outros?? Será que a COVID-19 não virou um pretexto político para tumultuarem mais este sofrido Brasil?? Para refletir (de forma neutra e apolítica, por favor).

Agora tudo é impecilho para se voltar à vida normal ou se enquadrar aos novos tempos. Para todas as soluções encontradas, tem o time ´´´do contra´´ para palpitar e tentar atrapalhar. Enquanto os comerciários das farmácias, supermercados, postos de gasolina e vários outros, o pessoal da saúde, construção civil, alguns serviços públicos não pararam nenhum dia sequer; tem uma leva de segmentos na sociedade que acostumaram com a vida lençol e fronha em casa e que parecem não querem voltar a trabalhar. A pergunta que fica é: será que há cidadãos melhores que outros?? Será que a COVID-19 não virou um pretexto político para tumultuarem mais este sofrido Brasil?? Para refletir (de forma neutra e apolítica, por favor).
Visitante
Quinta, 01 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection