Dólar Comercial: R$ 5,47 • Euro: R$ 6,40
Quinta, 24 Setembro 2020

Professores reivindicam pagamento do bônus-desempenho referente a 2019

vitor_de_angelo_braco_cruzado_sed_20200812-225142_1 Sedu
Sedu

Justamente no ano mais desafiador já vivido pelo conjunto dos professores em atividade atualmente na rede pública estadual, em função da pandemia de Covid-19, o governo do Estado acena com a possibilidade de não pagar o bônus-desempenho referente ao ano letivo de 2019. 

Geralmente pago no mês de julho, o que se tem até o momento é uma promessa para talvez setembro, outubro ou novembro, segundo relatam alguns profissionais efetivos ouvidos por Século Diário, além do deputado Sergio Majeski (PSB), que oficiou o Executivo com um Requerimento de Informações sobre o assunto. 

"Este ano está sendo de muitos desafios. Na educação, os profissionais estão se desdobrando para conseguir ofertar conteúdo aos alunos com as aulas online, mesmo sem ter os recursos técnicos adequados e treinamento preparatório para viabilizar a necessidade imposta pela pandemia. O pagamento do bônus é referente ao ano de 2019 e certamente dará um reforço importante no orçamento de milhares de famílias", declarou o parlamentar, destacando o valor significativo pago nos últimos dois anos: R$ 33 milhões para 13,7 mil profissionais em 2019 e R$ 41 milhões para mais de 16 mil profissionais em 2018.

"A situação do bônus já é bem desconfortável, porque se você adoece você não pode exercer o direito da falta justificada. Então o bônus só chega praquele professor que vai trabalhar doente. E tem gente que conta com isso", relata a professora Fabiola dos Santos Cerqueira, em Vitória, referindo-se ao desconto de 10% que é feito, no valor total do bônus, a cada falta, mesmo que justificada por lei, como em caso de doença, por exemplo.

"Perdi todo o bônus ano passado por conta de sete ou oito dias de falta justificada pelo falecimento do meu pai. É um bônus punição. E ainda paguei imposto de renda em cima do valor que não recebi", relata o professor Euber Camata Ambrósio, em Guarapari.

"A gente reconhece a dificuldade do Estado pra custear a saúde por causa da pandemia, mas a educação também é prioridade. Muitos professores têm só um telefone pra família inteira, não têm notebook, e tem que usar os próprios equipamentos pra trabalhar", conta o professor Waltecy Medeiros, em Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Estado.

O deputado Majeski recorda ainda um fato ocorrido no final de julho, quando uma professora perguntou sobre o bônus desse ano ao secretário durante uma live em sua rede social, obtendo como resposta uma tentativa de deslegitimação do pagamento neste 2020.

"O objetivo do bônus é valorizar a melhoria do resultado da escola, não compensar uma situação atípica de trabalho como esta que vivemos agora", argumentou Vitor de Angelo.

"Aquilo ali é revoltante. Até quem não conta com ele fica com raiva desse tipo de resposta. É como se estivesse fazendo um favor pra gente. Acho um absurdo não haver um posicionamento da Sedu sobre isso", indigna-se Fabiola, uma das milhares de profissionais que visualizaram as postagens.

"E os DTs ficam numa situação muito mais difícil, pois não têm ao abono [seis dias de faltas justificadas para tratar de assuntos pessoais] e não têm sequer garantia que vão concluir o ano letivo previsto no contrato, porque isso depende da avaliação de um gestor indicado pela Secretaria de Educação. É como se o fantasma da rescisão do contrato rondasse esses profissionais o tempo inteiro e diante disso eles se calam e acabam fazendo o que vem determinado da Secretaria de Educação sem nenhum questionamento", denuncia.

Abonos

O deputado Majeski também é autor de um Projeto de Lei Complementar, em tramitação desde 2019, que visa garantir o pagamento do bônus-desempenho aos professores e servidores da Sedu que tenham faltas abonadas e justificadas pelos casos previstos na legislação vigente. O objetivo é corrigir uma injustiça para que os servidores não sejam penalizados pelas ausências no trabalho consideradas obrigatórias, como, por exemplo, em virtude de licença maternidade e de convocações da Justiça Eleitoral e do Tribunal do Júri.

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários: 6

Aldicea Gomes Pereira em Quarta, 12 Agosto 2020 23:07

Não concordo que as as aulas presenciais sejam retomadas esse ano. Infelizmente foge dos nossos "poderes".

Não concordo que as as aulas presenciais sejam retomadas esse ano. Infelizmente foge dos nossos "poderes".
EDSON TOMAZ DA SILVA em Segunda, 17 Agosto 2020 23:57

Concordo, mina filha não volta.

Concordo, mina filha não volta.
Attila em Quinta, 13 Agosto 2020 15:54

Ir na aula presencial ninguém quer, mas passear no Shopping, ir na lojinha do bairro, dar uma voltinha na praia todo mundo vai de boa.

Bando de hipócritas!!

Ir na aula presencial ninguém quer, mas passear no Shopping, ir na lojinha do bairro, dar uma voltinha na praia todo mundo vai de boa. Bando de hipócritas!!
Lu Malverdi em Sexta, 14 Agosto 2020 02:18

Trabalhei mais ou menos 190 dias letivos no ano de 2019. Contribuí para a aprendizagem dos alunos, melhoria de resultados no Paebes e Enem. Só porque exerci o direto de tirar os meus 6 abonos, ficar doente e acompanhar familiar no trato de doença, mais uma vez sou punida. Não receberei nem um centavo, mesmo assim engrosso o coral: "Quando será o pagamento do bônus desempenho/punição?" "Não era em julho?"

Trabalhei mais ou menos 190 dias letivos no ano de 2019. Contribuí para a aprendizagem dos alunos, melhoria de resultados no Paebes e Enem. Só porque exerci o direto de tirar os meus 6 abonos, ficar doente e acompanhar familiar no trato de doença, mais uma vez sou punida. Não receberei nem um centavo, mesmo assim engrosso o coral: "Quando será o pagamento do bônus desempenho/punição?" "Não era em julho?"
Damian Macedo da Silva em Quarta, 02 Setembro 2020 22:04

Que engraçado , querem tirar o pouco do mérito que o docente que trabalhou o ano inteiro tem , mas cortar os benefícios de deputados , senadores e toda corja de colarinho branco aí não pode né , imagina o corte de todos benefícios que esses que pensam que fazem algo pelo povo fosse cortado , o valor seria facilmente maior do que eles estão querendo negar com esse bônus.Fala sério

Que engraçado , querem tirar o pouco do mérito que o docente que trabalhou o ano inteiro tem , mas cortar os benefícios de deputados , senadores e toda corja de colarinho branco aí não pode né , imagina o corte de todos benefícios que esses que pensam que fazem algo pelo povo fosse cortado , o valor seria facilmente maior do que eles estão querendo negar com esse bônus.Fala sério
Alvaro Tadeu de Andrade em Sexta, 11 Setembro 2020 11:50

Não pagar seria uma injustiça , primeiro porque se refere ao ano anterior , que foram dadas normalmente , segundo porque se fosse este ano de Pandemia deveria ser pago a mais pois , estamos trabalhando mais, utilizando nossa internet, nosso celular,nosso notebook , cumprindo reuniões: Atpc: coordenação,diretoria,centro de midias, aulas centro de midias e acompanhamento de alunos o dia todo pois tem responsavel que liga até as 21;00 e fins de semana para saber sobre atividades de seu filho.

Não pagar seria uma injustiça , primeiro porque se refere ao ano anterior , que foram dadas normalmente , segundo porque se fosse este ano de Pandemia deveria ser pago a mais pois , estamos trabalhando mais, utilizando nossa internet, nosso celular,nosso notebook , cumprindo reuniões: Atpc: coordenação,diretoria,centro de midias, aulas centro de midias e acompanhamento de alunos o dia todo pois tem responsavel que liga até as 21;00 e fins de semana para saber sobre atividades de seu filho.
Visitante
Quinta, 24 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection