Dólar Comercial: R$ 5,47 • Euro: R$ 6,40
Quinta, 24 Setembro 2020

‘Quem se responsabilizará quando morrer o primeiro aluno e professor?’

majesky_leonardo_sa-8564 Leonardo Sá

"Quem se responsabilizará quando morrer o primeiro aluno e professor?". A provocação foi feita pelo deputado Sergio Majeski (PSB) durante sessão ordinária da Assembleia Legislativa (Ales) desta segunda-feira (10), ao criticar a portaria conjunta das secretarias de Estado da Saúde e da Educação (Sesa e Sedu) com o protocolo sanitário de retorno às aulas presenciais, publicada nesse sábado (8). 

A Portaria nº 1-R, pontuou o parlamentar, não contemplou as proposições feitas no projeto de Lei 382/2020, de sua autoria, com as regras estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e cuja votação em regime de urgência foi negada pelos deputados há duas semanas. "Sem o regime de urgência, a matéria perde o objetivo", disse o parlamentar, reafirmando sua indignação.

A falta de uma descrição objetiva das condições em que será possível o retorno das aulas também foi criticada. "Então aquele regulamento pode ser a qualquer momento, semana que vem, mês que vem. O governo deveria se eximir de criar expectativas de data de retorno de escola e estar preparando muito bem professores e escolas pra quando esse retorno for possível, porque certamente num curto espaço não será possível", sugeriu.

A postura de Majeski está alinhada com o posicionamento da Associação dos Pais de Alunos do Espírito Santo (Assopaes) e da Corrente Sindical e Popular Resistência e Luta, formada por professores e outros atores sociais atuantes na educação pública, ouvidos por Século Diário.

"A responsabilidade pela contaminação e mortes tem que ser colocada nas mãos do governador e dos secretários que assinaram. Não dá pra transferir para comissão local da escola", disparou um dos integrantes da Resistência e Luta, o professor da rede estadual Swami Cordeiro Bérgamo.

"O governo estabelece todo um condicionante de comportamento e transfere para a escola a responsabilidade pelo controle. Vai aumentar a curva de contágio e o número de óbitos e a culpa vai ser da escola que não controlou", argumenta o secretário-geral da Assopaes, Aguiberto de Oliveira Lima.

'Governo diz uma coisa e faz outra'

Em reunião do Conselho Estadual de Saúde, Aguiberto conta que indagou ao secretário Nésio Fernandes e ao subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, sobre qual seria a condição de segurança plena para o retorno das aulas. "Os dois foram enfáticos em dizer que seria seguro quando houver a vacinação em massa da população. No entanto, esse entendimento está contrariado no decreto da Sesa e Sedu, que permite o retorno apenas com um índice menor de contaminações. Esses menos que vão morrer são filhos de quem? Do governador, do secretário de Educação ou de Saúde? Para quem é admitido o risco que se morra?", inquire. "O governo diz uma coisa e faz outra", conclui o secretário-geral.

Na sessão da Assembleia, Sergio Majeski afirmou ainda que o governo deveria se eximir de criar expectativa de retorno. "Não vai voltar em setembro. A menos que as pessoas queiram correr o risco imenso de matar um monte de gente, professores, funcionários, etc.", expôs. "Não há que se falar sobre isso. O que deveria se mostrar à sociedade é como as escolas estão sendo preparadas para o dia que houver a possibilidade de retornar. Como os professores estão sendo preparados em termos tecnológicos, que equipamentos o governo está fornecendo às escolas, isso sim é que deveria estar sendo feito agora e não a especulação de uma possível data". 

"Se nesses cinco meses de isolamento social meia-boca do Brasil não conseguimos fazer com que os adultos mantivessem distanciamento e tudo o que a gente já conhece, como imaginar que crianças e adolescentes farão isso com escolas que, obviamente, ao que tudo indica, não estarão plenamente preparadas?", perguntou o parlamentar. 

No mesmo sentido, Swami destacou que o protocolo estabelecido na Portaria conjunta Sesa/Sedu nº1 "não é seguro, porque as condições da realidade física e de recursos humanos, e a própria dinâmica educacional, de interação, não permitem o rigor que o protocolo sanitário determina".

"Não dá pra criminalizar a familiar que não quiser levar seu filho nas aulas presenciais. Entre a vida e o direito à educação, o que escolher? Qual é o papel do Estado na pandemia? Proteger a vida. E na educação poderíamos construir com a sociedade, as famílias e o Estado uma consciência sanitária coletiva", propõe o educador. "O governo do Estado, através da educação, tem um acesso capilar intenso com as famílias e a população capixaba através dos grupos de WhatsApp. E você não tem nenhuma peça publicitaria informativa de conscientização encaminhada para as escolas repassarem às famílias", critica.

"Não é porque tem UTI livre que eu vou ter que perder um ente querido na minha família. Hoje não se sabe sequer se a imunidade perdura. Tem caso de pessoas pegando pela segunda vez. Os testes são falhos, há pessoas que testam positivo num momento e negativo em outro", relata. "Um ano letivo você recupera, mas a vida não".

"Se sabem que vai ter uma segunda onda e vão ter que fechar as escolas, estão jogando dinheiro público fora, colocando as famílias em risco. Principalmente nos centros urbanos, onde alunos e professores terão que tomar transporte coletivo", ressalta.

Ampla reação da comunidade escolar

"Tem que ter uma grande reação da comunidade escolar de uma forma mais unificada e ampla, para contrapor esse ato irresponsável do governo do Estado pra atender aos interesses da educação privada", conclama o professor.

Aguiberto afirma que a Assopaes está analisando "o melhor remédio jurídico para interpor uma ação no Tribunal de Justiça" contra a portaria. "Há excrescências jurídicas e contradições", salienta.

A Associação já entrou com um mandado de segurança contra o ensino remoto, estabelecido em março pela Resolução 5.447 do Conselho Estadual de Educação (CEE), por entender que ela "desrespeita a isonomia de acesso à nova metodologia da educação remota, principalmente devido à grande exclusão digital de alunos e professores que existe no Estado". O mandado está parado na Justiça, após o desembargador Adalto Dias Tristão intimar a Sedu e o Sindicato das Empresas Particulares de Ensino (Sinepe) prestarem esclarecimentos.

O mandado e o posicionamento contrário à Resolução, na votação ocorrida no Plenário do CEE, avalia Aguiberto, fizeram com que o governo passasse a negar todas as tentativas de comunicação feitas pela entidade no debate sobre aulas remotas e presenciais, inclusive impedindo a participação da Assopaes no Grupo de Trabalho (GT) criado pela Sedu com esse objetivo.

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários: 5

Jane em Terça, 11 Agosto 2020 06:36

Muito bem , as famílias estão de acordo com o seu posicionamento

Muito bem , as famílias estão de acordo com o seu posicionamento
RONALDO CHAGAS VIEIRA em Sexta, 14 Agosto 2020 16:55

Parabéns, Deputado Sérgio Mageski, sempre defendendo a educação. Sou pai de aluno, que nasceu com Trissomia 21, a popular Sindrome de Down. Só vou mandar meu filho pra escola, após a vacina.
Tem 16 anos, pinta telas, já fez exposição de artes...aludida trissomia, não inibe seus atos. Todavia, prefiro que perca o ano, mas preserve a vida.

Parabéns, Deputado Sérgio Mageski, sempre defendendo a educação. Sou pai de aluno, que nasceu com Trissomia 21, a popular Sindrome de Down. Só vou mandar meu filho pra escola, após a vacina. Tem 16 anos, pinta telas, já fez exposição de artes...aludida trissomia, não inibe seus atos. Todavia, prefiro que perca o ano, mas preserve a vida.
Angélica Silva em Sábado, 22 Agosto 2020 20:26

concordo plenamente

concordo plenamente
Caroline da Silva Morgado em Sábado, 29 Agosto 2020 08:49

Bom dia, não consigo entender onde o governo está com a cabeça, para pensar em querer colocar uma data prévia ao retorno das aulas.

Bom dia, não consigo entender onde o governo está com a cabeça, para pensar em querer colocar uma data prévia ao retorno das aulas.
Marcello Dalvi Quintaes em Quarta, 16 Setembro 2020 03:13

As crianças estão em todos os lugares. Menos na escola!

As crianças estão em todos os lugares. Menos na escola!
Visitante
Quinta, 24 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection