Dólar Comercial: R$ 5,76 • Euro: R$ 6,79
Sábado, 10 Abril 2021

Agricultores de Itaúnas temem despejo pela Suzano

Desde o ano passado, a região do entorno da estrada que dá acesso a Itaúnas, em Conceição da Barra, norte do Estado, vem sofrendo com uma intensa ocupação de pessoas de fora nas áreas de uso tradicional quilombola que estão sob posse da empresa de celulose Suzano (ex-Fibria e ex-Aracruz Celulose). Movidos pela especulação imobiliária, associações recém-criadas estão loteando e vendendo terrenos, invadindo os territórios já reconhecidos como quilombolas, mas que ainda aguardam a titulação oficial.

Tudo isso vem sendo denunciado pelo movimento quilombola e, no próximo dia 11, está prevista a primeira ação de reintegração de posse na região, em favor da Suzano, para retirar essas pessoas forâneas das áreas ocupadas. Agricultores locais, porém, temem que nesse processo também sejam despejadas famílias quilombolas que atuam há até 10 anos nas chamadas áreas de retomada, onde ocuparam o território tradicional para garantir a sobrevivência e a produção alimentar por meio da agroecologia, dada a morosidade do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na titulação dos territórios quilombolas já reconhecidos, como acontece em todo Brasil.

Retomadas quilombolas plantam alimento onde havia eucalipto. Foto: Coletivo Terra do Bem
Para identificar quem são as famílias quilombolas, a base é um levantamento de 2005, porém, segundo o Coletivo Terra do Bem, que atua com o projeto agroecológico na região, há famílias que voltaram ao território depois disso, a partir das retomadas, e logo não constam nesse registro.

O grupo prepara uma carta com apoio de diversas entidades, para pressionar que as famílias locais sejam mantidas nas áreas de retomada. Segundo o coletivo, são cerca de 70 famílias que vivem e produzem alimentos em uma área de cerca de 200 hectares localizada na antiga fazenda Estrela do Norte, entre Itaúnas e a comunidade quilombola de Angelim.

Lá vem sendo desenvolvido o trabalho de agroecologia, por meio da implantação de sistema agroflorestal, aliando árvores nativas com outras frutíferas, e plantios diversos. Ao longo dos anos, tem sido realizado também o cuidado das nascentes e do Córrego Velha Antônia, e com implantação de saneamento ecológico e construções de casas no modo tradicional, com bioconstrução, e uso de placas solares para obtenção de energia elétrica.

Representantes do coletivo alegam que a retomada nunca teve conflitos com as comunidades do entorno e que a agricultura familiar ali praticada ajuda a abastecer de alimento a vila de Itaúnas. "Estamos sendo tratados como milicianos. Nossa retomada não é invasão. São áreas ocupadas há anos por necessidade, para sobrevivência, não para loteamento e venda", relatou um dos moradores da retomada, que preferiu não se identificar.

A Polícia Civil investiga as diversas associações criadas especialmente no último ano, que vendem lotes na região para pessoas de diversos municípios do Espírito Santo e até de outros estados do Brasil.

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários: 1

Luzinete Pereira Rocha em Quarta, 03 Março 2021 19:44

Olá, li a reportagem,???????fico indignada com isso que tá acontecendo (aliás nunca termina ?) . Como posso ajudar!!?? Sou filha de C.da Barra, minha Mãe (in memórian) Telites Pereira Jatahy, a família dela eles tinham propriedade no Angelim ela foi criada na Vila do outro lado do Rio em Itaunas (onde são as Dunas).Uma longa história. Moro Vitoria-ES.

Olá, li a reportagem,???????fico indignada com isso que tá acontecendo (aliás nunca termina ?) . Como posso ajudar!!?? Sou filha de C.da Barra, minha Mãe (in memórian) Telites Pereira Jatahy, a família dela eles tinham propriedade no Angelim ela foi criada na Vila do outro lado do Rio em Itaunas (onde são as Dunas).Uma longa história. Moro Vitoria-ES.
Visitante
Sábado, 10 Abril 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection