Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Segunda, 02 Agosto 2021

‘É responsabilidade do Espírito Santo proteger esse patrimônio mundial’

rebio_sooretama_aerea_br_101_leonardo_mercon_instituto_ultimos_refugios Leonardo Merçon/Últimos Refúgios

Em tempos pandêmicos, nunca foi tão urgente pautar o planejamento das atividades humanas sob a perspectiva da proteção da floresta. Estudos sobre o montante necessário de investimentos em pesquisa e conservação ambiental, por parte das nações mais ricas do mundo, mostram que bilhões de dólares aplicados anualmente equivalem a fatias ínfimas dos orçamentos militares de nações tradicionalmente beligerantes, como os Estados Unidos, e dos custos da atual pandemia de Covid-19 ao conjunto dos países.

Quanto tempo levará para que esses estudos se tornem políticas públicas globais, nacionais, estaduais? Quantas milhões de pessoas a mais o novo coronavírus terá que ceifar? Quantas novas pandemias terão que surgir? Quanto sofrimento a mais a humanidade e o planeta precisa atravessar?

No Espírito Santo, um caso emblemático mostra que muito discernimento ainda precisa ser despertado entre os gestores públicos, os líderes dos grandes conglomerados empresariais e a sociedade civil. No processo de licenciamento da duplicação da BR 101, que corta o Estado de norte a sul com seus mais de 460 km, a concessionária vencedora da licitação se recusa a prover uma solução sensata para proteger a Reserva Biológica (Rebio) de Sooretama.
Leonardo Merçon/Instituto Últimos Refúgios
Com seus magníficos 27 mil hectares de floresta primária, a Rebio forma, juntamente à contígua Reserva da Vale, 50 mil hectares de verde, biodiversidade, água e serviços ecossistêmicos únicos. É o maior fragmento de Mata Atlântica de Tabuleiro do país. Não há nada igual em toda a extensão de planícies ocupada pelo bioma. Do alto de uma torre de observação e fiscalização, os olhos se enchem de um verde sem fim nos quatro ponto cardeais, e o coração se enche de uma esperança indescritível, que só experiências intensas como essa podem proporcionar.

Pois eis o paradoxo insustentável: no projeto de duplicação da rodovia apresentado pela Eco 101 não há previsão de medidas que de fato assegurem a proteção desse tesouro natural, de importância fundamental não só para o Espírito Santo e o Brasil, mas para o mundo. A falha foi evidenciada após iniciado o processo de licenciamento no ambiental junto ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), mas, passados sete anos, não foi possível chegar a um consenso. As soluções técnicas apontadas pelo Ibama e por cientistas não são aceitas pela concessionária. 

Proteção 

O Ministério Público Federal (MPF) e a Assembleia Legislativa estão intervindo, forçando uma decisão que libere o licenciamento das obras na porção norte da rodovia. Decisão que, reafirmam cientistas, deve partir do pressuposto que a rodovia, que nunca deveria ter sido instalada no meio do maciço florestal, não deve ser duplicada naquele trecho, devendo-se retirar o fluxo pesado de carros para um desvio fora da zona de amortecimento da Reserva, mantendo no local apenas uma movimentação mais local e comunitária.

Expoente desse pensamento e conhecedor da Rebio Sooretama muito antes do imbróglio, o biólogo, Doutor em Genética, Conservação e Biologia Evolutiva e professor da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Aureo Banhos é taxativo: "é responsabilidade do Espírito Santo proteger esse patrimônio mundial".

Para isso, elenca, "é preciso planejar melhor o modal rodoviário do Estado, removendo os grandes vetores rodoviários de áreas prioritárias para a manutenção da biodiversidade e serviços ecossistêmicos". O ideal, aponta, "é transferi-los para áreas degradadas e economicamente pobres, onde esses vetores poderão inclusive gerar oportunidades para recuperar e desenvolver a economia da região".

Já nas áreas prioritárias para conservação, deve-se privilegiar estradas menores, voltadas à mobilidade das comunidades, escoamento da produção local e o turismo agrícola e de contemplação a natureza, contexto em que se encaixam perfeitamente as chamadas estradas-parque, que já existem no país em alguma bem-sucedidas iniciativas. "Com toda a certeza, a BR-101 é o pior caminho para Sooretama", afirma, principalmente uma BR-101 duplicada no trecho que corta a reserva.

"Terra dos Animais da Floresta"

O nome, lembra Áureo Banhos, remete à "Terra dos Animais da Floresta", como se traduz, da língua tupi, a palavra Sooretama. Numa publicação em rede social, o cientista conta sucintamente a história do surgimento da Rebio, que é anterior à instalação da estrada, na década de 1960. Após a inauguração da ponte sobre o Rio Doce, em Colatina, em 1923, diversos ambientalistas e pesquisadores do porte de Augusto Ruschi, Patrono da Ecologia do Brasil, e Álvaro Aguirre, se dedicaram a criar mecanismos de proteção para a densa floresta que cobria o norte do Espírito  Santo, sendo dessa época os estudos que embasariam a criação de muitas outras unidades de conservação no Estado.

Na década de 1940, duas unidades de conservação criadas a partir desses estudos, o Parque de Reserva, Refúgio e Criação de Animais Silvestres Sooretama (transformado em  Reserva Biológica em 1969) e o Parque Estadual Barra Seca, seriam unidas em 1971 ampliando a área da Rebio Sooretama. 

Leonardo Merçon/Instituto Últimos Refúgios

Desde a década de 1940, a legislação não permitia que uma rodovia cortasse o coração da floresta. "Essa rodovia causa uma alta mortandade de animais atropelados, não somente de médios e grandes vertebrados terrestres ameaçados de extinção, como onças e antas, mas também de animais arborícolas, como macacos e preguiças, e inclusive animais voadores, como a maior águia do mundo, a harpia", ressalta Áureo Banhos.

Na Reserva de Sooretama, conta, foi registrada a maior diversidade de morcegos vítimas de atropelamentos no mundo. "É um passivo impossível de evitar, qualquer que seja a medida de mitigação feita no eixo dessa rodovia no interior da Reserva Biológica de Sooretama", assinala.

Mas os atropelamentos, explica, são uma parte dos problemas, que vão além e incluem, principalmente, a perda de habitat para a biodiversidade, e a poluição promovida pela rodovia (restos da estrutura da própria estrada, resíduos de combustíveis e da carga química transportada pelos veículos, lixo, guimbas de cigarros e faíscas dos veículos, ruído do tráfego). Problemas, salienta, que afetam a biodiversidade por quilômetros de distância na floresta a partir da estrada.

"No meu ponto de vista, o principal problema é que esse tipo de empreendimento é um vetor de ocupação humana na paisagem, incluindo o estabelecimento de outros empreendimentos e até outras estradas, potencializando todos os outros problemas, concorrendo pelos recursos naturais e rivalizando com a proteção da reserva", afirma, citando a redução da água para a biodiversidade, o favorecimento ao desmatamento, à caça e às queimadas, o uso de agrotóxicos no ambiente, a poluição industrial e o lançando efluentes domésticos urbanos. "Uma situação impossível de controlar", acentua.

Um exemplo inquestionável desse enredo, salienta, é o surgimento do município batizado com o mesmo nome da Reserva, anteriormente apenas um pequeno distrito de Linhares, fato ocorrido, certamente, devido à intensificação da ocupação humana proporcionada pela BR-101. "A região agrícola cresceu e se emancipou se beneficiando dos serviços ambientais prestados pela proteção das reservas, mas o crescimento acelerado da região impacta negativamente a prestação desses próprios serviços", expõe.

A duplicação da estrada, sentencia, só irá piorar a vulnerabilidade da reserva, que poderá não ser mais "a terra dos animais da floresta. "Estamos sobre ombros de gigantes que, por esses atos no passado, nos permitiram hoje conhecer uma amostra do que era biodiversidade de toda a região. E só nos resta agora garantir que as gerações futuras também possam se beneficiar desse legado. Mas a rodovia BR-101 definitivamente não é o caminho para isso", adverte.

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários: 4

Luiz Alexandre Oxley da Rocha em Domingo, 09 Mai 2021 17:31

A Eco 101 é parceira do Governo Federal... quer proveitar a pandemia para "passar a boiada"! A ALES tem o dever de fiscalizar a obra e colocar o ES no mapa dos grandes centros defensores da vida! Tanto em relação a pandemia quanto em defesa da "terra dos animais da flores"! Essa "boiada" não pode passar!!

A Eco 101 é parceira do Governo Federal... quer proveitar a pandemia para "passar a boiada"! A ALES tem o dever de fiscalizar a obra e colocar o ES no mapa dos grandes centros defensores da vida! Tanto em relação a pandemia quanto em defesa da "terra dos animais da flores"! Essa "boiada" não pode passar!!
Clebson Coutinho Bazoni em Segunda, 10 Mai 2021 13:41

Entendo a preocupação.
Mas tendo em vista a construção de um desvio, da BR 101 no entorno da reserva, talvez traria um impacto ambiental muito maior, seriam 21 km. A maís, custando milhões de reais.
Não seria melhor uma compensação ambiental.
Ex. Se for usado 4 alqueires da reserva, por que não, uma doação ou compensação de 10 vezes a mais,que seria 40 alqueires. Aumentando assim a áreas da reserva.
Conheço os dois lados.
A leste, muito pantano.
A oeste, muitas propriedades produtivas ladeiras e curvas.
Se a eco 101. Der 100 alqueires ainda ficaria no lucro.
E claro fazendo as pontes verdes, para passagem dos animais arboricolas e os túneis para os repteis etc. e alambrados ao longo do trecho, evitando assim a morte dos animais por atropelamento.

Entendo a preocupação. Mas tendo em vista a construção de um desvio, da BR 101 no entorno da reserva, talvez traria um impacto ambiental muito maior, seriam 21 km. A maís, custando milhões de reais. Não seria melhor uma compensação ambiental. Ex. Se for usado 4 alqueires da reserva, por que não, uma doação ou compensação de 10 vezes a mais,que seria 40 alqueires. Aumentando assim a áreas da reserva. Conheço os dois lados. A leste, muito pantano. A oeste, muitas propriedades produtivas ladeiras e curvas. Se a eco 101. Der 100 alqueires ainda ficaria no lucro. E claro fazendo as pontes verdes, para passagem dos animais arboricolas e os túneis para os repteis etc. e alambrados ao longo do trecho, evitando assim a morte dos animais por atropelamento.
Gilson Peterle Vieira em Segunda, 10 Mai 2021 14:00

Em países desenvolvidos isto já teria sido resolvido, com base no que disse o colega Clebson, porém ambientalistas medíocres acham que gastar bilhões a mais pra fazer um contorno na reserva, resolveria o problema. Só acho que isto poderia ficar a cargo do governo federal e não da concessionária, até porque quando terminar a concessão, que garantias teremos de que haverá verbas para a manutenção das benfeitorias que ali forem feitas?

Em países desenvolvidos isto já teria sido resolvido, com base no que disse o colega Clebson, porém ambientalistas medíocres acham que gastar bilhões a mais pra fazer um contorno na reserva, resolveria o problema. Só acho que isto poderia ficar a cargo do governo federal e não da concessionária, até porque quando terminar a concessão, que garantias teremos de que haverá verbas para a manutenção das benfeitorias que ali forem feitas?
Júlio FB Junior em Quinta, 13 Mai 2021 19:24

Este trecho da Rod. BR 101 me faz lembras da Trans Amazônica BR395, que também existe sua necessidade , mas impactua o meio ambiente .bem estas questões de corredores , para proteger anais eu correto! É Necessário. Creio que está briga terminará Judicialmente a favor da Eco pois o jogo maior são interesses financeiros . Nosso país enfrenta uma crise de desonestidade, tudo subindo deliberadamente , e nada se faz . Bem sem discutir outras questões , devemos lembras as Autoridades que: a Biodiversidade trás vida a humanidade! Creiam que protegendo este trecho , beneficiarão as gerações futuras.

Este trecho da Rod. BR 101 me faz lembras da Trans Amazônica BR395, que também existe sua necessidade , mas impactua o meio ambiente .bem estas questões de corredores , para proteger anais eu correto! É Necessário. Creio que está briga terminará Judicialmente a favor da Eco pois o jogo maior são interesses financeiros . Nosso país enfrenta uma crise de desonestidade, tudo subindo deliberadamente , e nada se faz . Bem sem discutir outras questões , devemos lembras as Autoridades que: a Biodiversidade trás vida a humanidade! Creiam que protegendo este trecho , beneficiarão as gerações futuras.
Visitante
Segunda, 02 Agosto 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/