Sexta, 19 Agosto 2022

Entidade denuncia escape de emissões de minério em Tubarão

Entidade denuncia escape de emissões de minério em Tubarão

O Movimento Pó Preto apresentou uma nova denúncia sobre as emissões fugitivas da Vale ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema). O problema diz respeito ao escape de emissões durante o abastecimento de navios na Ponta de Tubarão, registrado por entidades da sociedade civil organizada. O problema é constante e já virou motivo de reclamação entre velejadores e banhistas da Praia de Camburi, em Vitória.



A denúncia, registrada com o n°354/2012, é apenas mais uma entre tantas manifestações da sociedade contra poluição da região. Nela, a entidade afirma que as emissões fugitivas registradas nesse final de semana e na manhã desta segunda (15)  são do carregamento do navio no Porto da Companhia Vale/AS. 

Segundo as entidades, há imagens denunciando o escape de minério na Ponta de Tubarão também em agosto e em setembro deste ano. 
 
Para a Associação de Amigos da Praia de Camburi (AAPC) e para o Movimento Pó Preto, as imagens contradizem a afirmação do Iema de que as emissões fugitivas estão controladas na Ponta de Tubarão. Eles cobram monitoramento contínuo da região para garantir o controle desta emissão e a mitigação dos impactos ambientais gerados. “Quem registrou foi o cidadão! O cidadão fazendo o dever do órgão ambiental”, alertou a AAPC. 
 
As entidades que acompanham o problema da poluição do ar no Estado não acreditam mais no monitoramento atmosférico realizado pelo Iema na Ponta de Tubarão. O órgão realiza o monitoramento desde 2002, e afirma que as emissões estão controladas, o que para as entidades deixa a desejar no controle e fiscalização do carregamento de navios na área.

 
Segundo os dados do próprio órgão, aumentou em 46% o pó preto que chega à região da Ilha do Boi. As entidades cobram a não concessão da Licença de Operação (LO) à Vale, no projeto da 8º usina, até que os problemas sejam, de fato, sanados. Em agosto deste ano o Movimento Pó Preto já havia alertado que mesmo com as medidas consideradas eficazes pelo Iema para conter a emissão atmosférica produzida pela Vale, o material particulado continua chegando às casas do bairro, como apontou o monitoramento realizado no Hotel Senac. 

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 19 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/