Domingo, 19 Setembro 2021

MPF recorre na Justiça Federal em favor de atingidos de Baixo Guandu

rejeito_toxico_rio_doce_leonardo_sa_4 Leonardo Sá
Leonardo Sá

O Ministério Público Federal (MPF) interpôs recurso diante de decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) que indeferiu pedido liminar para impedir prejuízos aos atingidos do município de Baixo Guandu, noroeste do Estado, pelo rompimento da barragem de Fundão, em novembro de 2015, o maior crime ambiental do país, provocado pelas mineradoras Samarco, Vale e BHP Billiton.

O recurso acontece no âmbito de uma ação impetrada no TRF-1 que denuncia uma pseudo comissão de atingidos de Baixo Guandu que vem, desde fevereiro de 2020, atuando de forma irregular junto ao juiz substituto da 12ª Vara Federal de Belo Horizonte/MG, Mário de Paula Franco Junior, favorecendo a abertura de um caminho danoso para o conjunto dos atingidos pelo crime.

A atuação da comissão apócrifa e do juiz confrontam diretamente as determinações do Termo de Ajustamento de Conduta da Governança (TAC-Gov) homologado pelo mesmo Mário de Paula, há três anos, de forma a estabelecer o protagonismo dos atingidos no processo de reparação e compensação pelos danos advindos do rompimento da barragem.

Na ação, o MPF pede que o TRF-1 declare a nulidade de todos os atos processuais praticados nos autos (1016742-66.2020.4.01.3800) pelo juiz substituto, preservando, porém, a continuidade do pagamento de indenizações aos atingidos do município de Baixo Guandu, poupando ainda mais danos às pessoas que foram equivocadamente induzidas a aceitar as ações conduzidas pela comissão e pelo citado juízo.

Ainda em outubro de 2020, o MPF peticionou ao juízo da 12ª Vara – juntamente com os ministérios públicos estaduais do Espírito Santo e Minas Gerais (MPES e MPMG) e com as Defensorias Públicas da União e dos dois estados (DPU, DPES e DPMG) – que as indenizações por ele aprovadas para pagamento aos atingidos dos municípios de Baixo Guandu e em Naque/MG (cidade onde uma comissão apócrifa semelhante também atua) sejam estendidas para todos os atingidos da Bacia do Rio Doce nos dois estados, na condição de adiantamento do valor total das indenizações a serem pagas no futuro, e sem a condição de quitação geral de direitos. 

Doze irregularidades

A primeira sentença do TRF, emitida em fevereiro deste ano, foi contrária ao órgão ministerial, que agora recorre da decisão. No recurso, o MPF volta a reafirmar a nulidade de atos processuais das decisões da primeira instância, referendadas pelo Tribunal, apontando doze razões para a reforma das decisões.

Entre os questionamentos estão: a exclusão do MPF das ações para atuar em defesa dos atingidos; o sigilo ilegal; a legitimidade e a representatividade de supostas comissões que atuam em defesa dos atingidos; o valor indenizatório pactuado; o condicionamento da liquidação do dano por meio de plataforma online; a obrigação de outorga de poderes a advogado; e a limitação temporal, até 31 de outubro de 2020, para os atingidos demonstrarem o direito à indenização à Fundação Renova.

A reconsideração das decisões solicitadas pelo MPF visa preservar direitos dos atingidos nos municípios, considerando que, no termo de compromisso assinado tanto pela Fundação Renova quanto pelas empresas poluidoras, foi assumida a obrigação de reparar integralmente os danos resultantes do rompimento da barragem de Fundão, não havendo perecimento quanto aos direitos e pretensões das pessoas atingidas.

Valor das indenizações

No que se refere ao valor indenizatório pactuado, a despeito de buscar-se celeridade e economicidade processual, para o MPF houve a fixação de valores aleatórios e injustificados, sem qualquer fundamento técnico, em detrimento da necessidade da elaboração de diagnósticos socioambiental e socioeconômico, a fim de mapear e avaliar os diferentes danos decorrentes do desastre.

"Portanto, ainda que se considere R$ 70 mil como suficientes para a compensação dos danos causados a uma família, esse valor não possui nenhuma justificativa técnica. Não cabe a um membro do MPF, nem do Judiciário, considerar um valor como suficiente quando levam em conta um parâmetro que advém do livre pensamento desses atores, e não de critérios técnicos", pondera o procurador regional da República Felício Pontes Jr.

Prejuízos aos atingidos

Sobre a plataforma online para pagamento das indenizações, o MPF volta a reafirmar os prejuízos aos atingidos: o condicionamento da liquidação do dano por meio da plataforma; obrigação de outorga de poderes a advogado; a limitação temporal (até 31.10.2020) para os atingidos demonstrarem o direito à indenização junto à Fundação Renova.

Na petição ao TRF1, o órgão ministerial também manifesta-se de forma contrária às decisões que impuseram assinatura de termo de desistência/renúncia de eventuais pretensões indenizatórias formuladas em ações ajuizadas em países estrangeiros em consequência ao rompimento da barragem de Fundão.

Por fim, também questiona a delimitação de documentos hábeis à comprovação da titularidade ao direito, exigindo que os atingidos tenham documentação de cinco anos anteriores ao fato da tragédia da barragem do Fundão. É contestada ainda a falta de parâmetro técnico para definir os atingidos que fariam jus à indenização. Para o Ministério Público, a relação de vínculo e dependência com o Rio Doce deveria decorrer de estudo técnico específico.

Retorno da Samarco reforça urgência de diversificação da economia capixaba

A decisão do governador Renato Casagrande (PSB) de aceitar o retorno das atividades da Samarco em Anchieta, no sul do Estado, em 2020, foi alvo
https://www.seculodiario.com.br/meio-ambiente/retorno-da-samarco-reforca-urgencia-de-diversificacao-da-economia-capixaba

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários: 4

Manoel Fernando dos em Sábado, 06 Março 2021 05:55

Existem muitas categorias de atingidos que não foram reenquadrada como atingidos. Processo de 3 a 4 anos engavetados.

Existem muitas categorias de atingidos que não foram reenquadrada como atingidos. Processo de 3 a 4 anos engavetados.
Ismael Bessa em Sábado, 06 Março 2021 10:11

Eu reclamo para todos que ainda não receberão principalmente os que mais precisão senhores eles não pedirão para jogar rejeito no rio não eles jogarao agora estão tentando se defender o rio não teve defesa os abitantes ribeirinhos não tiveram escolhas senhores fação a lei valer e só o que todos atingidos queremos

Eu reclamo para todos que ainda não receberão principalmente os que mais precisão senhores eles não pedirão para jogar rejeito no rio não eles jogarao agora estão tentando se defender o rio não teve defesa os abitantes ribeirinhos não tiveram escolhas senhores fação a lei valer e só o que todos atingidos queremos
AVELINO BRAZ DOS SANTOS em Sábado, 06 Março 2021 12:42

Na verdade todos nós moradores das cidades banhadas pelo Rio doce, fomos atingidos, independentemente de que se tenham atividades ligadas diretamente com o Rio. Tenho que comprar água mineral para cozinhar e beber. Mas tb sei que até tomar banho nessa água poderá acarretar danos a nossa saúde no futuro.

Na verdade todos nós moradores das cidades banhadas pelo Rio doce, fomos atingidos, independentemente de que se tenham atividades ligadas diretamente com o Rio. Tenho que comprar água mineral para cozinhar e beber. Mas tb sei que até tomar banho nessa água poderá acarretar danos a nossa saúde no futuro.
Marcio Senna em Sábado, 06 Março 2021 13:41

Pergunta pro juiz substituto se ele sobrevive com 900 reais por mês, porquê é oque a renova está pagando, cortaram metade da indenização mensal, porque esse juiz ai substituto deu a liminar favorável à Samarco, e ninguém ficou sabendo..

Pergunta pro juiz substituto se ele sobrevive com 900 reais por mês, porquê é oque a renova está pagando, cortaram metade da indenização mensal, porque esse juiz ai substituto deu a liminar favorável à Samarco, e ninguém ficou sabendo..
Visitante
Domingo, 19 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/