Sexta, 19 Agosto 2022

Países não cumprirão meta de redução dos gases de efeito estufa até 2020

Não será mais possível reduzir a emissão dos gases poluentes que causam o efeito estufa a ponto de evitar que a temperatura mundial não suba mais do que 2 graus Celsius (ºC) até 2020. O compromisso havia sido firmado em 2010, na África do Sul, entre mais de 190 países, em um conjunto de metas denominado de Plataforma Durban, como informou a Agência Brasil.

 
A meta acordada não era a de diminuir a quantidade global da concentração dos gases, mas sim reduzir o aumento de suas emissões. Sem ações estruturais em suas economias para conseguir mudar o alarmante quadro de crescimento desenfreado dos gases do efeito estufa, o responsável pelo aquecimento global, os países foram no sentido contrário do acordo e, hoje, já emitem mais poluentes na atmosfera do que o previsto para 2020.
 
As informações estão contidas na terceira edição do Relatório sobre Emissões de Gases do Efeito Estufa, divulgada nesta quarta-feira (21) pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). O novo cálculo mostra que a concentração dos gases na atmosfera pode ficar até 14 gigatones (medida utilizada para regular a emissão de gases de efeito estufa) do que estabelecia a meta para 2020, que seria de 44. Atualmente, o índice já ultrapassou em cinco pontos o acordado para daqui a oito anos e chegou a 49 gigatones.
 
Especialistas projetam que, na melhor das hipóteses, se obviamente os países se esforçassem em medidas mais audaciosas, o número poderia ficar em “apenas” 52 gigatones. Em 1990, a emissão de gases atingia o volume de 37. Segundo o relatório, ao invés de diminuir, a presença dos poluentes aumentou, desde 2000, cerca de 20%.
 
Os dados revelam, cada vez mais, a insuficiência dos acordos internacionais de meio ambiente, tais como a Plataforma Durban. A intenção do compromisso firmado há dois anos é que ele substitua, em 2020, o Protocolo de Quioto, oficializado em 1999 e em vigor desde 2005. O acordo estabelecia uma série de metas para reduzir a emissão de gases do efeito estufa em no mínimo 5,2% em relação aos índices de 1990, no período de 2008 a 2012 – o que claramente nem chegou perto de ser atingido.
 
O que se vê, na verdade, é exatamente o contrário. O levantamento das Nações Unidas revela que a distância entre a situação atual, o projetado pelos cientistas e o considerado ideal só aumenta e os índices chegarão a 2020 ainda mais alarmantes. Enquanto os acordos globais ficam apenas na teoria, as grandes economias, em especial os Estados Unidos e a China, relutam em modificar seus padrões de produção, em especial a queima de combustíveis fósseis – hoje responsável por mais de 60% das emissões dos países desenvolvidos.
 
Espírito Santo
 
O Espírito Santo não fica de fora quando o assunto é emissão de poluentes na atmosfera. Envolto na aparentemente eterna expansão de grandes empresas, o Estado está atingindo um novo patamar na emissão de gás carbônico. Em construção no Planalto de Carapina, na Serra, a VII usina de pelotização da Vale e a nova planta da ArcelorMittal – esta líder na emissão de gases na região – vão piorar ainda mais a já maltratada qualidade do ar na Grande Vitória.
 
Até mesmo o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) já admitiu que a poluição do ar na região está acima do limite estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – após diversas denúncias da sociedade civil. A Grande Vitória tinha, tendo como base os anos de 2009 e 2010, um índice de 2.749 quilos de partículas inaláveis emitidos por hora, enquanto o de dióxido de enxofre lançado nos ares da região atingia 3.358 quilos por hora – ambos os gases são causadores de doenças nos moradores. Hoje, os números já aumentaram.
 
Só a ArcelorMittal, maior contribuinte dos altos índices de poluição, por exemplo, emite hoje 11,2 milhões de toneladas de gás carbônico. A partir de 2014, a empresa enviará 19 milhões de toneladas para os ares da região. Os dados são dos Cálculos do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 19 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/