Dólar Comercial: R$ 5,31 • Euro: R$ 6,00
Sábado, 11 Julho 2020

Teste realizado no Estado atesta que sacolas biodegradáveis não se decompõem

Um teste realizado no Espírito Santo, com sacolas biodegradáveis usada no Brasil e em Portugal, pelo Jornal Hoje, da Rede Globo, apontou que as sacolas plásticas biodegradáveis vendidas nos supermercados não se decompõem.  O teste foi feito sob o acompanhamento do professor de ecologia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes),Luiz Fernando Schettino.



Na prática, apontou o teste, a informação que consta na embalagem de que bastariam 180 dias para que a sacola biodegradável se decompusesse no solo não é verdadeira.



Enterradas em um vaso no dia 20 de janeiro de 2012 e expostas ao sol e à chuva, as sacolas não se decompuseram. Em entrevista ao jornal, Schettino se mostrou surpreso e preocupado. Segundo ele, é preciso que os órgãos se certifiquem se realmente a sacola é biodegradável é oriunda de material orgânico.



Já a sacola biodegradável produzida na Europa, segundo o teste, apresentou grande diferença da brasileira. A informação é que enquanto a europeia se decompôs em pedacinhos que praticamente sumiram na terra, a brasileira quase não se decompôs.



Segundo o secretário de Meio Ambiente da Serra, Cláudio Denicoli, que luta pelo fim da cobrança de sacolas plásticas no município, as biodegradáveis podem se decompor em até 180 dias, porém, somente se estiverem em condições especiais de umidade e concentração de oxigênio, o que não ocorre nos aterros do País e do Estado. Assim, para ele, as sacolas biodegradáveis não estão desempenhando seu papel de beneficiar o meio ambiente: primeiro porque não desempenha seu papel de decomposição, segundo porque a sua cobrança está proporcionando o despejo de lixo de forma inadequada.  Ele cobra o realinhamento do acordo que cancela a doação de sacolas plásticas na Grande Vitória.



Em Vila Velha, a cobrança pelas sacolas plásticas nos supermercados de Vila Velha foi proibida no último dia 26 de julho, após sanção do prefeito Neucimar Fraga (PR) a projeto aprovado no Legislativo municipal. A nova lei determina que é de responsabilidade dos supermercados, hipermercados, padarias e estabelecimentos atacadistas e varejistas congêneres a distribuição gratuita de sacolas plásticas convencionais, biodegradáveis ou de papel destinadas às embalagens das mercadorias vendidas nos estabelecimentos mencionados.



A Câmara da Serra também deve aprovar projeto nesse sentido. Em Vitória, apesar de tramitarem projetos contra a cobrança, ainda há divergências entre os vereadores.

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 12 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection