Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,22
Sábado, 19 Setembro 2020

AfirmAção Rede de Cursinhos representa Estado em evento internacional 

AfirmAção Rede de Cursinhos representa Estado em evento internacional 

A AfirmAção Rede de Cursinhos Populares, ONG capixaba que atua na área de educação popular e que integra também o coletivo do movimento negro, representou o Espírito Santo no I Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos: Brasil, Estados Unidos, Equador, Colômbia e África do Sul, realizado em São Paulo no último final de semana.


Os representantes do cursinho participaram de uma mesa sobre educação e população negra, propondo ações em defesa ao sistema de cotas. Segundo Lula Rocha, que coordena a rede Afirmação, a Coalizão é “o nosso quilombo contemporâneo, onde buscamos aglutinar forças para enfrentar os ataques que o povo negro vêm sofrendo e seguir tramando nossas lutas por libertação neste país”.


A AfirmAção Rede de Cursinhos Populares esteve presente na mesa sobre "educação e população negra" e propôs a constituição de um grupo de trabalho para seguir na discussão sobre o tema e construir ações conjuntas, sobretudo em defesa do sistema de cotas raciais nas universidades.


“Apesar do Governo Bolsonaro e seus apoiadores insistirem na negação do racismo, inclusive com a indicação de um presidente da Fundação Palmares que ataca o Movimento Negro, renovamos o nosso compromisso de denunciar o quanto racismo e os quase quatrocentos anos de escravização ainda produzem desigualdades no Brasil e apontar saídas para superação desse quadro”, explicou.


O Encontro Internacional da Coalizão Negra Por Direitos: Brasil, Estados Unidos, Equador, Colômbia e África do Sul tem como objetivo reunir lideranças das organizações do movimento negro que têm promovido ações conjuntas para articulação com o legislativo e assegurar os direitos humanos da população negra no Brasil. Além das ações de incidência na política nacional, a Coalizão Negra por Direitos tem articulado apoio internacional e denúncias em organismos de direitos humanos e em fóruns internacionais.


Criada em 2019, a Coalizão é formada por mais de 100 entidades entre coletivos e ONG’s, como a rede de cursinhos Uneafro, a ONG Criolo, o Movimento Negro Unificado, o Instituto Marielle Franco e a Coordenação Nacional Quilombola. O evento encerrou o mês da consciência negra, em São Paulo, com dois dias de programação que discutiu o racismo e desafios da população negra no Brasil e no mundo. 


A delegação Capixaba contou com a presença da AfirmAção Rede de Cursinhos Populares, Círculo Palmarino, Coordenação Nacional das Comunidades Rurais Quilombolas/ES e Núcleo de Mulheres Negras do Espírito Santo.


Polêmica no Governo


Na semana passada, causou polêmica a nomeação do jornalista Sérgio Camargo como presidente da Fundação Cultural Palmares, que tem como um de seus preceitos “promover a preservação dos valores culturais, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira”.


“Ele nega a existência do racismo no Brasil, fala isso com a boca cheia e todas as letras, e diz que é preciso acabar com o movimento negro. É muitíssimo grave ter nesse espaço alguém que nega algo que é inegável. É um debate ultrapassado. O Brasil é um país que sofre com o racismo. As teses que contestam isso não são sérias. Há racismo no Brasil, há violência racial, há diferenças estruturais entre as populações negras e não negras”, diz Douglas Belchior,  professor de História, militante do movimento negro há mais de 20 anos e representante da Coalizão Negra por Direitos, que completa: “É fundamental a organização do movimento negro no Brasil. Querem que a gente acredite que o racismo não existe.”


Douglas estende críticas às políticas de segurança pública estaduais e nacional. “São trágicas pro povo negro brasileiro. Porque reafirma a lógica de militarização de suas ações e de papel violento e repressivo das polícias, e regulador do sistema judiciário, penal e carcerário, como um espaço de aprisionamento de pobres e sobretudo de negros”, argumenta ele, que ressalta os números da mortalidade da população negra brasileira:


O evento


Os debates na última sexta-feira (29) começaram com as mesas “Desafios do enfrentamento ao racismo hoje” e “Conjuntura Nacional, Internacional e Resistência Diaspórica”. Durante a tarde, ocorreram as rodas de conversa com os temas “Terras, território e moradia – segregação espacial e cidadania nega”, “Encarceramento e política de drogas” e “Saúde da população negra”. O dia foi fechado com mais três rodas de conversa: “Racismo religioso”, “Feminicídio, LGBTfobia e a luta por garantia do direito à vida” e “Educação e a população negra”.


O segundo e último dia do encontro teve as mesas “Resistências à violência do Estado e ao genocídio negro: extermínio, encarceramento, pacote Moro. 

 

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 19 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection