Sexta, 22 Outubro 2021

​Assembleia tem sessão tensa com politização da pandemia por bolsonaristas

bruno_assuncao_leonardo_ales Leonardo Sá/Ales

"Baixe o dedo. Não tenho medo do senhor. A sua farda não me mete medo. O senhor precisa de um tratamento psiquiátrico imediatamente", disse o deputado Bruno Lamas (PSB), ao repreender o também deputado Capitão Assumção (Patri) na Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (17). A sessão ordinária foi marcada por um clima de tensão, registrado também no dia anterior, em decorrência da politização do combate à pandemia da Covid-19 promovida por parlamentares seguidores do presidente Jair Bolsonaro.

Bruno e Assumção estavam na sessão híbrida, com outros deputados presentes no plenário, e presidida pelo deputado Marcelo Santos (Podemos), que foi obrigado a chamar seguranças para evitar que os ânimos ficassem mais acirrados. A agressão ocorreu quando Bruno Lamas falava em um aparte concedido pelo líder do governo, Dary Pagung (PSB). Com o dedo em riste, Assumção aproximou-se do deputado com palavras ofensivas.

"O senhor faz a pior oposição que eu já vi na minha vida. É uma oposição destrutiva. É a oposição que aponta o dedo. Uma oposição que agride a deputada Iriny [Lopes, PT] a todo momento", declarou Bruno Lamas.

Tudo começou com uma discussão em torno da nota de repúdio, de autoria de Lamas, aprovada pelo legislativo estadual na sessão dessa terça-feira (16), com os votos contrários somente de Assumção e Torino Marques (PSL). O documento condena a atitude agressiva de um grupo de manifestantes favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro, que foram até a casa onde mora Anna Venturim Casagrande, 88 anos, mãe do governador Renato Casagrande (PSB).

Para Assumção, o episódio foi apenas uma "representação teatral do governador". Ele argumentou que não houve agressão ou insultos à Dona Anna, como relatou a nota, e que o protesto foi "pacífico". Acrescentou que iria requisitar as imagens de uma câmera da Prefeitura de Vitória instalada no local para comprovar a veracidade de suas declarações.

Em sua fala anterior, Assumção se referiu várias vezes a Bruno Lamas com a seguinte frase, ao negar que ele e os bolsonaristas tenham ofendido a mãe do governador: "O deputado que me antecedeu". Bruno reagiu: "Eu tenho nome, deputado. Me chamo Bruno Lamas Silva. Respeite a minha fala, que eu não tenho medo do senhor, não. O senhor está vendo fantasmas em pleno meio-dia. Entre a sua palavra e a palavra do governador, eu confio na do governador", afirmou Bruno.

O deputado do PSB criticou a atitude do colega: "Quero dizer ao Capitão Assumção que não tenho dificuldade nenhuma para dialogar. Ele citou várias vezes um deputado que o antecedeu. Eu tenho nome e ele é Bruno Lamas Silva!", reiterou.

Neste momento, Assumção tentou interromper Bruno, que pediu a garantia da sua fala à Mesa Diretora. "Senhor presidente, garanta a minha fala, por favor", mas Assumpção insistia, ao elevar o tom de voz.

"Ninguém tem medo de grito aqui, não, capitão! A sua fala não nos assusta. O que queremos é respeito ao contraditório. Queremos é paz, sem grito, sem ameaças. Ninguém citou o seu nome na nota. O senhor vê fantasma ao meio-dia e com a luz acesa. Tenha paciência e respeite os seus colegas. Aliás, este parlamento tem paciência até demais para com o senhor", desabafou.

"Não se pode perder o respeito, nem de uma parte e nem de outra. Estou aqui como presidente e não permitirei que nós passemos do limite", declarou Marcelo Santos. Dary Paung, por sua vez, lembrou que "vivemos um momento em que precisamos ter muita calma e equilíbrio".

O deputado Hércules Silveira (MDB), ressaltando que não queria entrar no conflito e sim defender a paz, disse, com base na frase de "um pensador: "Tem muito inteligente em dúvida; tem muito idiota com muita certeza", afirmou, completando em seguida: "Não tenho palavras para isso que está acontecendo".

Desde o último domingo, quando teve início no Estado os anúncios sinalizando necessidade de quarentena para conter a transmissão do coronavírus, grupos bolsonaristas vêm intensificando, em todo o País, as manifestações contra as medidas adotadas por governadores, que contrariam a política do governo federal, apontada como desastrosa e responsável pela situação de guerra no país e colapso no sistema de saúde.

A falta de uma coordenação central, a ineficiência do Ministério da Saúde e o descaso em relação à vacinação em massa colocam o Brasil entre os mais atrasados do mundo no controle da doença, com aumento vertiginoso do número de mortos. Na sessão da Assembleia dessa terça-feira, os deputados oposicionistas Capitão Assumção e Torino (PSL) protestaram contra a quarentena, exibiram dados desatualizados sobre a pandemia, e elogiaram a política do governo federal.

Repúdio

A nota apresentada por Bruno Lamas foi submetida ao Plenário e aprovada pela maioria dos parlamentares para ser publicado no Diário do Poder Legislativo (DPL).

Em momento algum cita o nome dos parlamentes que estiveram na casa da mãe de Renato Casagrande. Destaca, no entanto, que "o ato cívico teve palavras e atitudes agressivas e ofensivas, que avançaram sobre a intimidade e vida privada da vítima, causando-lhe violência psicológica".

O documento lembra que a vítima é mulher e pessoa idosa, e cita a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006) e o Estatuto do Idoso (Lei 10.741/2003).
"Buscaremos sempre abolir a impunidade e acabar com todas as formas de violência praticada contra a mulher, como ocorreu no evento ocorrido no último domingo na porta da residência da senhora Anna Venturim Casagrande. Reiteramos que continuaremos lutando para que ações aflitivas como essa, que causam dor e sofrimento psicológico à mulher idosa, não continuem ocorrendo em nosso país", diz a nota lida por Bruno Lamas.

'Lado eleitoreiro'

Antes do ataque de Capitão Assumção a Bruno Lamas, o discurso estava sob a responsabilidade de Dary Pagung. Ele elogiou a coragem do governador pelas medidas de restrições anunciadas no dia anterior, para evitar uma calamidade na saúde pública diante do crescimento da pandemia do novo coronavírus no Espírito Santo. "Parabenizo o governador e o secretário Estadual da Saúde [Nésio Fernandes] pela atitude que tomaram. Atitude corajosa, que visa salvar vidas. Precisamos defender a economia, mas em primeiro lugar vem a vida. Sem a vida, só nos resta orar e pedir para ir para o céu".

Para Dary Pagung, quem critica a quarentena em todo o Estado decretada pelo governador Casagrande "só vê um lado; o lado eleitoreiro". Segundo ele, este não é o momento de eleição: "É o momento de defender vidas, não se trata de defender o bem e o mal. A decisão que o governador tomou foi difícil. Se ele esperasse mais 14 dias para tomar tal decisão, o que essa oposição iria falar?".

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 2

LUIS MOREIRA em Quarta, 17 Março 2021 19:44

Esse Assunção foi um bom deputado federal, agora fica fazendo palhaçada para aparecer. Uma pena que tenha baixado tanto o nível. Deveria honrar a farda que veste, ao invés de ficar fazendo baderna.

Esse Assunção foi um bom deputado federal, agora fica fazendo palhaçada para aparecer. Uma pena que tenha baixado tanto o nível. Deveria honrar a farda que veste, ao invés de ficar fazendo baderna.
Seu Madruga em Quinta, 18 Março 2021 10:18

Trabalho essencial é todo trabalho que leva o pão diário para mesa de sua família. Qual a pessoa tem capacidade de determinar se o meu ou seu trabalho é essencial? Vá lá na casa do “não essencial” e fale para os filhos dele que o trabalho do pai/mãe não é essencial.

Trabalho essencial é todo trabalho que leva o pão diário para mesa de sua família. Qual a pessoa tem capacidade de determinar se o meu ou seu trabalho é essencial? Vá lá na casa do “não essencial” e fale para os filhos dele que o trabalho do pai/mãe não é essencial.
Visitante
Sexta, 22 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/