Sexta, 12 Julho 2024

Desistência de Vidigal na Serra reforça palanque a prefeito pelo PSB

bruno_lamas_tatibeling_ales Tati Beling/Ales

A decisão do prefeito Sergio Vidigal de não concorrer à reeleição na Serra pode alterar a correlação de forças políticas no maior colégio eleitoral do Espírito Santo e colocar em xeque a aliança do partido do governador Renato Casagrande, o PSB, com o PDT, liderado no Estado por Vidigal, que indicou seu chefe de gabinete, Weverson Meireles, para entrar na disputa. Esse gesto, para o mercado político, quebra a obrigatoriedade de aliança entre os dois grupos e reforça a pretensão do PSB municipal de ter candidato majoritário na eleição de outubro.

Até agora, o nome cogitado é do secretário estadual de Ciência e Tecnologia do governo, Bruno Lamas, ex-vereador e ex-deputado estadual, que em 2020 concorreu para prefeito, mas ficou em quinto lugar, com 5,1% dos votos. Ele já assinou no livro de pré-candidaturas e aguarda o avanço das articulações. 

Bruno tem um novo pretendente ao mesmo cargo, o procurador federal aposentado e ex-vereador pelo PT, Bento Deodato. Nesta sexta-feira (5), ele assina a ficha de filiação ao PSB, depois de manter contatos com lideranças do partido, incluindo Márcia Lamas, presidente da direção municipal e mãe de Bruno.

"Conversei com Márcia Lamas e foi muito boa a conversa sobre a conjuntura da Serra. Ela reforçou o convite para eu me filiar ao PSB", informa Bento. Acrescenta que já se reuniu com Bruno, apontando o contato como "excelente".

"Ele manifestou sua satisfação em meu interesse e reforçou o convite para eu me filiar ao partido e me franqueou a candidato a qualquer cargo seja no executivo ou na Câmara Municipal, dependendo essa definição do desenrolar do processo de pré-campanha", garante Deodato.

No mercado local, a análise é de que o PDT tratava o apoio do PSB como incondicional, em retribuição à aliança com Casagrande em 2022. Com o recuo do prefeito, porém, faz surgir uma dúvida: o compromisso do governador é com Vidigal ou com o PDT?

Para lideranças políticas, o PSB tem a chance de demarcar território no maior município do Estado, e esse movimento teria agora o aval da executiva estadual, que com o palanque de Vidigal, pretendia reivindicar a vice na Serra. Seja com Bruno Lamas, Bento Adeodato ou outro nome que possa aparecer, a defesa é que o partido não fique muito tempo sem protagonismo, sob risco de encolher, como registrado com outras legendas.

Procurado por Século Diário, Bruno Lamas não retornou ao contato.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 13 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/