Quinta, 11 Agosto 2022

Futuro é agora

Assim como em nível nacional, PT e PSDB apresentaram um desempenho eleitoral que prepara o caminho dos dois partidos para a acomodação em 2014. Nacionalmente, o PT também está um degrau acima dos adversários tucanos na ocupação territorial, assim como no Espírito Santo.



Numericamente os partidos conseguiram – até agora, já que Luiz Paulo Vellozo Lucas disputa o segundo turno em Vitória e pode aumentar o capital do partido se vencer – seis municípios cada. Mas para o PSDB isso não significa empate coisa nenhuma, primeiro porque o partido teve uma redução de 50% de prefeituras, em relação a 2008, enquanto o PT manteve o número de prefeitos eleitos.



O PT, porém, perdeu poder de fogo ao ficar sem a Capital e outra importante cidade da Grande Vitória, Cariacica. Mas manteve, graças a acordos de bastidores, duas importantes cidades polos: Cachoeiro de Itapemirim e Colatina.



No caso do PSDB, o partido não tinha cidades de grande importância política e econômica do mesmo peso desde 2008, mas perdeu Ancheita, que é uma cidade importante e, no mais, não há grandes destaques nas conquistas de domingo passado.



Nacionalmente, o PT ficou com 11,22% dos municípios brasileiros, gerindo um orçamento de R$ 36.510.000. O PSDB, numericamente, conquistou uma porcentagem maior, com 12,27%, mas vai controlar um orçamento menor, de R$ 29.607.000.



Todas essas movimentações e outros detalhes da eleição mostram como será a disputa em 2014. Em Vitória, a situação de Iriny Lopes (PT) na eleição se deve mais à rejeição ao prefeito João Coser do que à prefeitura de Vitória, bem avaliada pela população. O fator “mensalão” também não foi fundamental no desempenho da petista. Até porque os tucanos não souberam explorar o tema com mais competência.



Além disso, há o fator PSB. O partido que em nível nacional começa a virar a noiva do pleito presidencial, comanda o Espírito Santo. É pequeno no Estado, mas fez volume na eleição deste ano, superando, quem diria, o PMDB. Aliás, o fluxo de perda e ganho entre essas duas legendas se deve ao fato de serem as legendas do governador. Em 2008, Paulo Hartung no governo ajudou a alavancar o número de prefeituras do PMDB, Casagrande, agora, naturalmente, fez o mesmo por seu partido.



Dados os pesos e as ocupações territoriais de cada sigla, resta agora saber quem vai casar com quem para a disputa estadual.  E não se enganem, os flertes já começaram.





Fragmentos:



1 – O ex-prefeito Max Filho (PSDB) vem fazendo mistério, mas deve mesmo apoiar a candidatura de Rodney Miranda (DEM) no segundo turno das eleições em Vila Velha.



2 – Mas a expectativa no município sobre os apoios se volta também para o deputado estadual Hércules Silveira (PMDB). Será que ele vai subir no palanque de Rondey para enfrentar Neucimar Fraga (PR)?



3 – O candidato a prefeito de Vitória pelo Psol, Gustavo De Biase, ganhou destaque nacional, com reportagem no jornal Valor Econômico de sábado (6). O respeito que ganhou dos adversários durante a disputa foi a motivação da reportagem com candidato a prefeito mais jovem nas capitais.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 11 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/