Terça, 21 Mai 2024

Marcos do Val terá que tirar do ar 'fake news' contra Jean Wyllys

marcos_do_val_agencia_senado Agência Senado

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ordenou ao senador Marcos do Val (Podemos) que retire do ar as postagens difamatórias que fez contra o ex-deputado federal Jean Wyllys, vinculando-o a Adélio Bispo, responsável pelo atentado ao então candidato presidencial Jair Bolsonaro em 2018.

A postagem foi feita em 27 de abril, anunciando que o senador iria convocar Wyllys para prestar esclarecimentos sobre o caso. Segundo informou a coluna de Ancelmo Gois em O Globo, a decisão da juíza Marcia Santos Capanema, do 5º Juizado Especial Cível, ordenou a retirada das postagens em até 48 horas.

"Mais uma vitória contra caluniadores e difamadores: dessa vez contra um dos piores deles", disparou Jean no Twitter nesta quinta-feira (6). O ex-deputado entrou com ações judiciais no TJ-RJ contra uma série de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e seus filhos Carlos e Eduardo.

Facebook

A informação divulgada por Do Val se baseava em um depoimento de Luciano de Sá, o Mergulhador, que teria escutado um elogio de Bispo a Wyllys durante uma conversa informal. "Jean Wyllys seria o mandante da tentativa de assassinato do presidente Jair Bolsonaro?", insinua o subtítulo do post de Marcos Do Val.

Na época, o ex-deputado, que renunciou ao mandato após ameaças e foi viver no exterior, anunciou que havia acionado os advogados para processar jornalistas e parlamentares que estavam difundindo as informações falsas, sem citar diretamente Do Val.

"Esse é o típico comportamento de ratos acuados. Ratos acuados costumam atacar. E o governo Bolsonaro está acuado, os ratos do governo Bolsonaro, incluindo ele mesmo, estão acuados graças à sua incompetência na gestão da Covid-19. E acuado por causa das denúncias da própria Polícia Federal em relação ao envolvimento dos filhos de Bolsonaro com o crime organizado", afirmou o ex-deputado em vídeo que respondia aos ataques.

Curiosamente, Marcos Do Val foi um dos 32 senadores que votou contra o Projeto de Lei 2630/2020, conhecido como PL das Fake News, que visa a combater as notícias falsas nas redes sociais. O projeto foi aprovado no Senado com 44 votos a favor e segue em tramitação na Câmara dos Deputados, onde ainda não foi votado.

"Entendo que o PL atual possui pontos sensíveis e que podem tolher a liberdade de expressão prevista no Artigo V de nossa Constituição Federal, além de possibilitar a perseguição política e ideológica e dar muito poder às plataformas moderarem conteúdo", afirmou o Marcos Do Val em junho, antes da votação do projeto.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 2

BRUNO em Quinta, 06 Agosto 2020 20:00

É TRISTE VER COMO O ESPÍRITO SANTO ELEGEU UM SENADOR DA REPÚBLICA DESSE NÍVEL.

É TRISTE VER COMO O ESPÍRITO SANTO ELEGEU UM SENADOR DA REPÚBLICA DESSE NÍVEL.
Sandra em Sexta, 07 Agosto 2020 13:08

É um absurdo.
Alem de estar senador, o cargo eletivo para o qual foi eleito, para atuar com decência, em representação ao povo que lhes confiou essa atribuição, é, também, servidor publico de carreira, na condição de militar, no entanto engrossando a lista de crimes dessa natureza. É uma vergonha. É inacreditável. Aposto que nenhum dos seus eleitores ajudou elege-los pra desempenhar um papel desse, no mínimo, imoral, alem de ilegal.
Sempre tive meu pé atrás sobre comprometimento, principalmente, por parte de determinados candidatos.
Que vergonha!!!!

É um absurdo. Alem de estar senador, o cargo eletivo para o qual foi eleito, para atuar com decência, em representação ao povo que lhes confiou essa atribuição, é, também, servidor publico de carreira, na condição de militar, no entanto engrossando a lista de crimes dessa natureza. É uma vergonha. É inacreditável. Aposto que nenhum dos seus eleitores ajudou elege-los pra desempenhar um papel desse, no mínimo, imoral, alem de ilegal. Sempre tive meu pé atrás sobre comprometimento, principalmente, por parte de determinados candidatos. Que vergonha!!!!
Visitante
Terça, 21 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/