Sábado, 16 Outubro 2021

​Militante de direitos humanos aponta que sistema é tolerante com Bolsonaro

andremoreira_redessociais Redes sociais
Redes sociais

"Bolsonaro já cometeu uma série inominável de crimes de responsabilidade e dentre eles vários contra a própria segurança nacional nessa história de chamar o Exército e o povo contra os poderes instituídos. O sistema tem sido extremamente permissivo, uma tolerância ilegal com Bolsonaro". A análise é do advogado e militante dos direitos humanos André Moreira (Psol), do movimento "Impeachment Já", que também não poupa críticas ao posicionamento de parte da esquerda no enfrentamento da crise política.

O comentário é feito no momento em que o País vive um clima de guerra com ameaça de uma ruptura do regime democrático por meio de ataques estimulados pelo presidente ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Congresso Nacional, inclusive com o risco de invasão a prédios públicos e confrontos entre grupos governistas e da oposição, principalmente em São Paulo e Brasília, nesta terça-feira (7), quando se comemora o Dia da Pátria. 

O ato representa mais uma investida de Bolsonaro para mostrar força política, em um cenário de denúncias de supostos casos de corrupção por membros do governo e da família presidencial, colocando-o isolado e com o mandato em área de risco. Em Vitória, haverá manifestações da oposição, inserida no Grito dos Excluídos, com uma passeata que sairá da praça Getúlio Vargas até a sede da prefeitura. Os bolsonaristas se concentrarão na Praça do Papa.       

Segundo André, "isso vale para a esquerda capixaba, desvinculada na lógica da política local, numa 'acanalhação' do fazer político, que fica na escolha entre dois males: o menor e o pior. Uma demonstra a falta não só de um projeto para o Espírito Santo, bem como a falta de capacidade total de intervir na realidade política, sento tomada como um apêndice, um satélite do processo político, sem autonomia, presa na armadilha da escolha entre o mal menor e o mal maior".

Ele acrescenta: "Na hora que a população capixaba entender que esse sistema não funciona, a esquerda que se presta ao serviço de ficar gravitando em torno de quem tem decidido as coisas, vai acabar sendo tratada da mesma forma, ou seja, como suspeita pelos trabalhadores, já que tudo faz parte do mesmo esquema".

André acredita que esse distanciamento irá acontecer. "A esquerda no Estado não consegue sair da arapuca entre Casagrande, como se a sua política negacionista cheirosa fosse significativamente diferente, do ponto de vista da política e não da imagem, da de Bolsonaro. Tanto é assim que a Codesa [Companhia Docas do Espírito Santo] está sendo vendida - maior instrumento de desenvolvimento do Espírito Santo -, e o governo do Estado não moveu uma palha", aponta.

A declaração reforça a solicitação dos trabalhadores e empresários da área portuária, que cobram maior envolvimento do governo do Estado e da classe política no processo de privatização da empresa que administra os portos de Vitória e de Barra do Riacho, em Aracruz, norte do Estado. O pleito foi feito em audiência pública realizada no dia 18 de agosto, na Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa, mas permanece sem resposta.

"Na verdade não é Bolsonaro que está nu, não; nu estamos nós, o sistema todo, que não tomou uma providência contra o governo esdrúxulo, mais irresponsável que o Brasil já teve. Por muito menos, Collor sofreu impeachment; Dilma foi objeto de impeachment. Não há o que discutir. O que Bolsonaro faz à luz do dia nos expõe como uma democracia frágil. Estamos nus e não somos bonitos; somos feios, como sociedade é um fato, se a gente não tira Bolsonaro", arremata.

O militante critica a passividade de alguns, que "estão fazendo de conta que daqui a um ano tem eleição; outros dizendo que enquanto ele estiver aí vão continuar com seus esquemas e pretensões de natureza política; outros achando que se ele ficar mal até 2022 garante uma eleição de parte da esquerda".

Para ele, "tudo isso mostra que estamos no campo do sistema, é uma esquerda que não é antissistêmica, ela faz parte disso, e quando o sistema começa a dar sinas de ruir, aceita fiar na função de um grande ombudsman do sistema, de um grilo falante, dizendo que o sistema está ultrapassando demais os limites, está explorando o trabalhador, violento com as pessoas mais pobres, a nossa função basicamente é essa dentro desse sistema".

André aponta uma função minoritária da esquerda "de estar sempre chamando a atenção para o sistema não se desviar demais, se desumanizar demais, quando ele mostra a cara, que é desumana, tenta humanizá-la e não superá-lo. Aí aparece um Bolsonaro, que entra em crise com esse sistema, coloca-o em crise, e não se aproveita a brecha para ampliar a consciência dos trabalhadores sobre as condições e garantias e direito de propriedade e dessa lógica capitalista que é o Estado para poucos, nessa ditadura que é o sistema capitalista".

Ele aponta que a esquerda "procura salvar o sistema e enganar a classe trabalhadora, dizendo que o sistema pode ser palatável, que pode ser melhor, e Bolsonaro é o que tem de pior, quando na verdade ele só é o sistema se manifestando com toda a sua cara. Bolsonaro não está fazendo nada diferente do que ele faz e o que já fez e que estão caracterizados só nessas chamadas, que são crimes de responsabilidade".

André acredita que, "em outras épocas, uma esquerda organizada, um grupo patriótico, teria se manifestado mais fortemente contra ele, com uma grande greve nacional, com reuniões nos bairros para superar o bolsonarismo". E acrescenta: "A sociedade precisa retomar as regras do combate e os partidos políticos não teriam outra coisa a fazer, a não ser seguir. Mas acontece que a esquerda está institucionalizada, e não consegue ir ao banheiro sem pedir licença".

Repúdio

Já o presidente do PCdoB, Neto Barros, vê a situação de guerra contra as instituições provocada por Bolsonaro com muita preocupação. "Manifesto o meu repúdio diante de tanta irresponsabilidade do presidente da República, o que ele está fazendo, e lembro que a gente alertava a sociedade sobre o perigo que ele representava, lá em 2018".
Facebook
Neto Barros concorda que o presidente "está cometendo crime de responsabilidade, como previsto no artigo 85 da Constituição, Inciso 2, na medida em que ele atenta contra o livre exercício do Pode Judiciário", e aponta para a ameaça de golpe, de "uma pessoa que não respeita nenhuma instituição. Acho que ele deveria ser afastado por isso".

No entanto, reforça que Bolsonaro não tem base social para golpe, embora tenha apoios importantes na sociedade. "Eu creio que esse apoio fica estacionado em 20%, 25%, e criminosos atuando em todos os cargos do serviço público federal, estadual, municipal. É gente bandida que defende o que ele defende e lhe dá sustentação. Mas não creio que ele tenha a maioria das Forças Armadas e ainda a Polícia Militar nos estados".

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 5

LUIS MOREIRA em Domingo, 05 Setembro 2021 17:12

O corno genocida já passou de todos os limites, não apenas praticando crimes de responsabilidade, mas também crimes comuns.

O corno genocida já passou de todos os limites, não apenas praticando crimes de responsabilidade, mas também crimes comuns.
Agmarcarioca amigo do mito em Domingo, 05 Setembro 2021 17:52

Inresponsavel foi os governos anteriores o 9 dedos e tam bom que nao socoreu o governo anterior que paralizou o pais,paraquedista do Exercito e muito correto com seus atos e onde vai junta multidao e ate de mulheres ,nao toma galho ,quem esta satisfeito em casa nao proucura na rua,primeira dama e muito correta

Inresponsavel foi os governos anteriores o 9 dedos e tam bom que nao socoreu o governo anterior que paralizou o pais,paraquedista do Exercito e muito correto com seus atos e onde vai junta multidao e ate de mulheres ,nao toma galho ,quem esta satisfeito em casa nao proucura na rua,primeira dama e muito correta
Adoro Gado Burro em Sexta, 10 Setembro 2021 18:57

Kkkkk.

O Corno já arregou!

Kkkkk. O Corno já arregou!
Henrique em Segunda, 06 Setembro 2021 11:35

Chilique de eterno candidato derrotado.

Chilique de eterno candidato derrotado.
Seu Madruga em Segunda, 06 Setembro 2021 22:05

Falar da turma corruPTa que quebrou o país com seu líder de quadrilha Luladrão esse senhor, eterno candidato, psolista, não fala nada. BOLSONARO ATÉ 2026, DEPOIS ELEGEMOS O POSTE QUE ELE INDICAR.

Falar da turma corruPTa que quebrou o país com seu líder de quadrilha Luladrão esse senhor, eterno candidato, psolista, não fala nada. BOLSONARO ATÉ 2026, DEPOIS ELEGEMOS O POSTE QUE ELE INDICAR.
Visitante
Domingo, 17 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/