Quinta, 26 Mai 2022

Movimento de caminhoneiros reforça grupo contrário a Jair Bolsonaro

Claudio_-da_Costa_Oliveira_divulgacao Divulgação

A ameaça de mais uma paralisação dos caminhoneiros autônomos, nesta quarta-feira (11), comunicada pelo Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Espírito Santo (Sindicam-ES), chega no mesmo dia em que é organizada uma caravana para percorrer o Brasil, com o objetivo de lançar candidatos às assembleias legislativas e à Câmara Federal, com reflexos negativos para o presidente Jair Bolsonaro.

A bandeia de luta da caravana, segundo Cláudio Oliveira, engenheiro aposentado da Petrobras, diretor do Conselho Nacional de Transportes Rodoviários de Carga (CNTC) e pré-candidato a deputado federal pelo PSD, é exigir o fim dos Preços de Paridade de Importação (PPI), o principal responsável pela alta dos preços dos combustíveis, reestatização das empresas estratégicas, como a BR Distribuidora e Vale, e campanha para "desfazer a mentira de que a Petrobras está quebrada".

O grupo é formado, em sua maioria, por ex-apoiadores do presidente e se afirma como apartidário, insatisfeito pelo não cumprimento de compromissos assumidos em 2018, entre eles a fixação de um preço mínimo do frete. Eles se juntam aos caminhoneiros contra as seguidas elevações nos preços dos combustíveis, a mais recente anunciada nesta quarta-feira (11), de 8,8% para o óleo Diesel, insumo básico do setor.

Segundo Cláudio, "caminhoneiros por si só não param, pois isso só acontece quando não existe carga para transportar". Ele explica que a movimentação anunciada no Espírito Santo ainda não tem uma dimensão nacional, opinião reforçada pelo presidente da Associação de Transportes no Brasil, José Roberto Stringasci, um dos organizadores da caravana, que sairá de Curitiba no próximo dia 20, devendo chegar ao Espírito Santo no final de junho.

Comunicado do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Espírito Santo (Sindicam-ES) divulgado nessa terça-feira (10), aponta o início da greve e afirma que "a situação dos autônomos ficou insustentável" com o reajuste no valor do combustível. Para Cláudio Oliveira, essa movimentação merece apoio, mas ressalta a necessidade de maior apoio institucional, a fim de que o caminhoneiro autônomo tenha segurança, já que ele depende da carga que lhe é oferecida para transportar.

Representante no Espírito Santo do grupo que organiza a caravana, Cláudio Oliveira informa que a iniciativa foi idealizada pelo deputado federal Nereu Crispim (PSD-RS), presidente da Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas, apoiador do presidente Jair Bolsonaro, decepcionado com a gestão. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, ele afirmou que o presidente e o ministro da Economia, Paulo Guedes, só trabalham para banqueiros e investidores da Bolsa de Valores.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 2

Breno em Quinta, 12 Mai 2022 15:19

O senhor é um petista Roberto Junquilho!

O senhor é um petista Roberto Junquilho!
Eli em Sábado, 14 Mai 2022 07:14

Apoiaram o bozo é agora viram a besteira que fizeram com a gasolina cara. Mas pelo menos se arrependeram pior é aqueles que estão cegos e ainda apoiam o desgoverno.

Apoiaram o bozo é agora viram a besteira que fizeram com a gasolina cara. Mas pelo menos se arrependeram pior é aqueles que estão cegos e ainda apoiam o desgoverno.
Visitante
Quinta, 26 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/