Quinta, 26 Mai 2022

Partidos menores querem definir filiação de Manato para formar chapas

carlos_manato_agencia_senado Agência Senado

As tendências cada dia mais favoráveis à reeleição do governador Renato Casagrande (PSB), mesmo sem ser oficializado a candidatura, e a indefinição de outros nomes cogitados como candidatos ao governo nas eleições de outubro, estão levando partidos de menor densidade eleitoral, todos do campo da direita conservadora, a articularem um movimento para pressionar ex-deputado federal Carlos Manato (sem partido) a definir sua filiação. Único pré-candidato declarado ao governo, ele oscila entre o PTB e Brasil 35, siglas integradas por seguidores do presidente Jair Bolsonaro. 

Pretendem, com esse movimento, consolidar nomes de chapas para a Assembleia Legislativa e o Congresso Nacional e mensurar recursos do Fundo Eleitoral, mas encontram dificuldade gerada pela indefinição do pré-candidato, que insiste em estar filiado ao mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro, hoje no PL, mas encontra impedimento, o principal deles fincado pelo ex-senador Magno Malta. 

Coordenador do partido no Espírito Santo, Malta é pré-candidato ao Senado, busca reforços à sua campanha e tenta ampliar a influência em outros campos, que incluem pré-candidatos fora de sua área de atuação, o público evangélico, onde enfrenta crescente desgaste. Rejeita Manato, segundo o mercado político, e tenta aliança com os pré-candidatos ao governo já apontados no mercado. 

No entanto, lideranças políticas credenciadas apontam quatro potenciais candidaturas já colocadas, para afirmar que Malta terá dificuldade. Isso porque, dos nomes apontados para a disputa ao governo, quatro transitam no campo de influência do ex-governador Paulo Hartung.

São as candidaturas do deputado Erick Musso (Republicanos), do prefeito de Linhares, Guerino Zanon (ainda no MDB) e do ex-vice-governador César Colnago (PSDB), além do ex-prefeito da Serra Audifax Barcelos (Rede), que faz uma pré-campanha mais independente, sem deixar o antigo aliado. Nos bastidores políticos comenta-se que Guerino teria sido convidado para formar aliança com o ex-senador. 

O ex-senador está sem mandato desde 2018, derrotado que foi pelos atuais senadores Fabiano Contarato (PT), um dos mais atuantes, e Marcos do Val, eleito pelo PPS, hoje no Podemos. Ele busca reforços à sua campanha e tenta ampliar a influência em outros campos, que incluem pré-candidatos fora de sua área de atuação, o público evangélico, onde enfrenta crescente desgaste. 

Filiações

Paralelamente a essa movimentação, o PTB amplia seus quadros. Neste mês, o major Wallace Vieira, que disputou a eleição para prefeito de Aracruz, assinou ficha do partido, em evento com a participação do coordenador do partido no Estado, subtenente Assis, que desistiu da disputa ao Senado e irá concorrer à Câmara Federal. No último dia 12, o partido filiou a deputada federal Soraya Manato, casada com o pré-candidato ao governo. 

Nesta quinta-feira (20), o ex-prefeito de Cachoeiro de Itapemirim Diego Libar esteve reunido com o presidente regional do PTB, Bruno Lourenço, acertando as bases para concorrer à Câmara Federal.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 1

H. Romeu Pinto. em Sábado, 22 Janeiro 2022 15:38

Senador Marcos do Val, foi eleito pelo Cidadania, não PSB.

Senador Marcos do Val, foi eleito pelo Cidadania, não PSB.
Visitante
Quinta, 26 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/