Quinta, 11 Agosto 2022

Hartung vai se filiar ao PSD e pode concorrer à Presidência

paulo_hartung_leonardo_sa-2-4 Leonardo Sá
Leonardo Sá

O ex-governador Paulo Hartung deu mais um passo à frente nas articulações para emplacar a pré-candidatura a presidente da República, confirmando matéria divulgada por Século Diário em primeira mão, no dia 3 deste mês. Nesta quinta-feira (10), o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, ex-prefeito de São Paulo, selou a filiação de Hartung ao partido, que passa a ser mais um nome para compor a chamada terceira via.

Hartung colocou seu nome à disposição de Kassab para disputar o Palácio do Planalto, caso Rodrigo Pacheco (MG), presidente do Senado, desista. Na cúpula do PSD, há quem considere o ex-governador um nome mais competitivo. A filiação deve ser oficializada ainda neste mês. Ele também continua cotado, porém, como possível candidato ao Senado.

Na semana passada, Kassab citou Paulo Hartung e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que trocaria o PSDB pelo PSD para concorrer à presidência, projeto que não avançou, fortalecendo as pretensões do ex-governador, que, desde 2018, quando desistiu da reeleição ao Palácio Anchieta, começou a articular um projeto nacional, inicialmente, com a pré-candidatura do apresentador de TV Luciano Huck.

Caso sejam confirmadas as negociações, o quadro eleitoral sofrerá alteração, com a entrada de um nome com sustentação no mercado financeiro e em setores produtivos, o qual Hartung é um dos integrantes, como presidente executivo dos Instituto Brasileiro da Árvore (Ibá), além de político experiente. A pré-candidatura de Pacheco não deslanchou e só pontua pouco acima de 1%, segundo os últimos levantamentos. 

Hartung já declarou recentemente que não iria mais disputar cargo eletivos, mas mantém ativo seu campo de influência no Estado. O ex-governador vem sedimentando terreno no campo nacional desde que desistiu da reeleição, temendo uma derrota para o atual governador, Renato Casagrande (PSB), por conta da baixa avaliação de sua gestão, em especial a greve da polícia, ocorrida em 2017, e da insatisfação dos servidores públicos em geral. Na base dessas questões, a política de arrocho fiscal do governo, que afetou a área social e o funcionalismo público, mas, de outro lado, agradou o capital financeiro.

O ex-governador vem se notabilizando por meio de palestras e de artigos publicados em veículos de imprensa de circulação nacional, em defesa de uma política de arrocho fiscal e sem ênfase em programas sociais. Ligado a poderosos grupos empresariais, desde que era governador do Estado, defende a política de incentivos fiscais, que teve grande crescimento durante sua gestão.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 1

Seu Madruga em Quinta, 10 Fevereiro 2022 21:14

Não sei se rio ou choro ao ver essa manchete. KKKKKKK

Não sei se rio ou choro ao ver essa manchete. KKKKKKK
Visitante
Quinta, 11 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/