Quinta, 11 Agosto 2022

Nova eleição à Prefeitura de Itapemirim será no dia 5 de junho

thiagopecanha_nilton_redesociais Redes sociais
Redes sociais
O Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE-ES) definiu, em sessão plenária nesta segunda-feira (11), que a nova eleição à Prefeitura de Itapemirim, no sul do Estado, será realizada no dia 5 de junho. A convocação é desdobramento da cassação da chapa eleita em 2020, formado por Thiago Peçanha Soares e seu vice, Nilton Santos, ambos do Republicanos, acusados de abuso de poder político e conduta vedada.

Os dois se mantinham no cargo por meio de liminar, derrubada em março passado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Com a decisão, Peçanha também ficou inelegível pelo período de oito anos. O ex-prefeito e Nilton Santos foram condenados por distribuição gratuita de bens, nomeações e contratações exageradas de servidores comissionados e estagiários, bem como por veiculação de publicidade institucional em período eleitoral.

No dia 2 deste mês, assumiu o comando da prefeitura o então presidente da Câmara de Vereadores, José Lima (PDT), que já se envolveu em polêmica, ao nomear a mulher Sueli de Andrade da Silva Lima como secretária de Assistência Social e Cidadania e o irmão Isaías de Oliveira Lima para a pasta de Gerência Geral. No lugar dele, tomou posse na presidência do legislativo municipal o vereador Paulinho da Graúna (PSDB).

O novo prefeito deve ser um dos atores do pleito de junho, assim como o adversário de Peçanha em 2020, Doutor Antônio (PP). Foi a coligação dele - formada ainda pelos partidos Avante, PSB, DEM, PSD e Podemos - que impetrou a Ação de Investigação Judicial Eleitoral contra a chapa eleita. O ex-prefeito venceu Doutor Antônio (PP) por uma diferença de apenas 1.541 votos, equivalente a 5,72% dos votos.

Segundo o TRE, houve abuso de poder tanto na modalidade excesso quanto na modalidade desvio, decorrente da utilização da administração pública para promoção de interesses pessoais. A decisão se baseou nas contratações irregulares de servidores efetivados no período eleitoral, bem como pelo uso indevido de meio de comunicação social e de dinheiro público.

O relator do caso no Tribunal Superior Eleitoral, ministro Carlos Horbach, afirmou que as "robustas provas" contidas no processo atestam que as condutas violaram a lisura, a isonomia e a normalidade do pleito de 2020, e confirmam a pratica do abuso de poder político, "uma vez que a máquina pública foi totalmente mobilizada para quebrar o equilíbrio da disputa eleitoral".

Para ele, a divulgação de peças publicitárias em período vedado, com nítida finalidade eleitoral, e a utilização indevida da administração municipal em busca de apoio político, possui gravidade suficiente para caracterizar o abuso de poder político com as consequentes sanções de perda do mandato e de inelegibilidade.

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 1

Luiz Felipe Andrade em Terça, 12 Abril 2022 08:19

Bom dia.
Gostaria de acrescentar que desde a sua posse, o prefeito interino já está inchando a administração da prefeitura de Itapemirim de cabos eleitorais. Diariamente verifica-se publicações de dezenas de comissionados em seu instrumento oficial de informações, o diário oficial do município. E olha que tem concurso público desde 2018 que a administração se recusa a convocar mesmo tendo Termo de Ajustamento de Conduta com o MP que também é omisso. Enfim, nada muda naquele município.

Bom dia. Gostaria de acrescentar que desde a sua posse, o prefeito interino já está inchando a administração da prefeitura de Itapemirim de cabos eleitorais. Diariamente verifica-se publicações de dezenas de comissionados em seu instrumento oficial de informações, o diário oficial do município. E olha que tem concurso público desde 2018 que a administração se recusa a convocar mesmo tendo Termo de Ajustamento de Conduta com o MP que também é omisso. Enfim, nada muda naquele município.
Visitante
Quinta, 11 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/