Quinta, 27 Janeiro 2022

Karla Coser e religiões de matriz africana denunciam Gilvan por racismo religioso

88B4E994-63FE-46E6-941C-9EA45333EEA9 Reprodução

A vereadora de Vitória Karla Coser (PT) irá acionar o Ministério Público do Espírito Santo (MPES) e a Corregedoria da Câmara de Vitória pela prática de racismo religioso por parte do vereador Gilvan da Federal (Patri), que na sessão desta segunda-feira (29) ofendeu as religiões de matriz africana. O Centro Nacional de Africanidades e Resistência Afro-Brasileira no Espírito Santo (Cenarab-ES) também se posicionou, afirmando que irá registrar Boletim de Ocorrência (BO).

Durante a sessão, Gilvan subiu na tribuna e mostrou detergente e bucha, que, segundo ele, seriam utilizados "para limpar a mesa e pedir orações a Deus para nos livrar de todo o mal", referindo-se à benção feita por mães de santo no plenário da Câmara durante a sessão solene em homenagem ao Dia da Consciência Negra, na última sexta-feira (26), proposta por Karla Coser. 

Leonardo Sá
O vereador também mostrou uma bíblia, que afirmou ser sua "arma principal". Gilvan classificou a benção das mães de santo como "uma afronta a Deus", dizendo que "praticamente fizeram uma macumba". E acrescentou: "vão dizer que isso é cultura, mas não é não. Cultuaram aqui dentro. Vão dizer que o estado é laico, que pode se fazer Umbanda, macumba, o que for. Pode, mas tem lugar apropriado", disse.

Gilvan prosseguiu com os ataques às religiões de matriz africana dizendo que elas "não falam o nome de Deus" e defendeu que nem ao menos deveria existir o Dia da Consciência Negra. As ofensas por parte do vereador foram refutadas somente por Karla Coser e Camila Valadão (Psol). Os demais vereadores se omitiram. Davi Esmael (PSD) afirmou que "apesar de apresentar discordância sobre como as coisas são feitas, é de direito dela [Karla Coser] a realização da sessão", não se opondo à pratica de racismo religioso dentro da Casa de Leis que preside.

Karla Coser destacou que Gilvan "destilou ódio, racismo religioso e incapacidade de compreensão. Afirmando ser católica, a vereadora falou "ter capacidade de estar em um espaço com as mães de santo e yabás, abençoando este plenário, assim como pastores vêm aqui abençoar, assim como padres vêm aqui abençoar".

Camila Valadão afirmou que a atitude do vereador "é mais uma expressão do racismo religioso, lamentavelmente pregado muitas vezes por pessoas que estão na igreja e que deveriam ser exemplo de tolerância e amor, mas sobem na tribuna para usar a imunidade parlamentar para cometer crimes".

A vereadora Karla Coser salienta que, mensalmente, há cultos religiosos na Câmara, além da leitura de versículos bíblicos na abertura e encerramento das sessões, mas nunca ninguém se opôs a isso.

Mobilização

O Centro Nacional de Africanidades e Resistência Afro-Brasileira no Espírito Santo (Cenarab-ES), que busca fortalecer as comunidades tradicionais, impulsionando sua organização, irá registrar BO contra Gilvan da Federal por racismo religioso. A mãe de santo Vera Sion de Oyá, que coordena o Cenarab em Vitória, repudia as falas do vereador.
Divulgação

"A Câmara é uma Casa de Leis, é lugar nosso, lugar público. As palavras dele cortaram meu coração. O que minha ancestralidade passou eu continuo passando. Isso um dia tem que acabar. Um homem desse, que se diz religioso, que se diz evangélico, vem nos atacar, e nós, negros, não podemos nos calar", diz.

O Movimento da Juventude de Terreiro do Espírito Santo se organiza para fazer uma manifestação em frente à Câmara nesta sexta-feira (3). A coordenadora, Ana Karolina da Fonseca de Oliveira, informa que a reunião para organização será nesta terça-feira (30). "Ficamos chocados com ele desacatando as religiões de matriz africana, os negros e uma mulher", referindo-se ao fato de Gilvan ter agredido verbalmente a vereadora Karla Coser.

Durante a sessão, após ter sua fala apontada como racista por ela, o vereador disse que se fosse ao seu casamento, que acontece nesta semana, iria "com um mandado de prisão para prender os convidados, tudo ladrão do Lula", o que fez a vereadora questionar se aquilo era uma ameaça. Karla destaca que em uma sessão ocorrida na última semana, Gilvan afirmou que chegaria em seu casamento com um fuzil.

‘Vamos bater na porta do poder público e cobrar’, diz pai de santo

Povos de matriz africana protestaram em Jacaraípe e pediram providências do poder público contra intolerância religiosa
https://www.seculodiario.com.br/direitos/vamos-bater-na-porta-do-poder-publico-e-cobrar

Veja mais notícias sobre Política.

Veja também:

 

Comentários: 1

Fabio A em Quarta, 01 Dezembro 2021 01:16

Kkkk Gilvan zoando a esquerda, e eles caem direitinho , e fazem mídia espontânea p ele.

Kkkk Gilvan zoando a esquerda, e eles caem direitinho , e fazem mídia espontânea p ele.
Visitante
Quinta, 27 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/