Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Segunda, 02 Agosto 2021

'É adequado e oportuno avançar a vacinação do grupo de 50 a 59 anos'

nesio_fernandes_luiz_carlos_reblin_coletiva_sesa Sesa
Sesa

Após a imunização da população idosa com 60 anos ou mais, o Brasil pode fazer a opção por vacinar as pessoas com idade entre 50 e 59 anos, ao invés de priorizar todo o grupo de pessoas com mais de 18 anos e com as comorbidades já estabelecidas no Plano Nacional de Imunização (PNI). A estratégia tem sido defendida pelo secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, conforme ele afirmou em entrevista coletiva nesta sexta-feira (23).

"Nós temos avançado no debate dentro do Conass [Conselho Nacional de Secretários de Saúde] e já apresentamos à coordenação do PNI. Avançar com a vacinação do grupo de 50 a 59 anos é oportuno para o Brasil, vai acelerar a imunização da população", declarou.

São dois os principais motivos. O primeiro, é que esse grupo etário reúne um elevado número de pessoas com comorbidades associadas a maior risco de mortalidade, especialmente cardiopatias e doenças metabólicas. O segundo objetiva a simplificação e a agilização do processo de vacinação. "Na medida em que a gente cria muitos critérios, subgrupos e novas priorizações, a própria operacionalização da campanha passa a ser executada numa velocidade menor, o que dificulta a operacionalização", explicou Nésio.

O secretário afirma, no entanto, que a cobertura total do grupo de 50 a 59 anos deve se dar imediatamente após a imunização das pessoas, de qualquer idade, que sejam portadoras de determinadas comorbidades que oferecem mais perigo de agravamento do quadro de Covid-19.

"Nós entendemos que algumas comorbidades devam estar na primeira linha de priorização da vacinação após ter completado a vacinação das pessoas com mais de 60 anos. As pessoas com doenças raras, por exemplo, com deficiências, principalmente com déficit intelectual, as pessoas com Síndrome de Down e também pessoas com obesidade mórbida devem estar na primeira linha de vacinação após a conclusão da vacinação dos idosos", explanou.

As formas de comprovação das comorbidades, informou o subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, Reblin, é discutida na câmara técnica responsável, que já elaborou uma síntese da documentação necessária a ser exigida para a vacinação prioritária.

"Agora depende da pactuação entre a secretaria estadual e os municípios, através da CIB [Comissão Intergestores Bipartite], que representa os gestores municipais e os gestores estaduais, para finalizar esse roteiro daquilo que deverá servir de base para comprovar que a pessoa tem comorbidade".

Entre os documentos, elencou, estão: laudo do profissional de saúde que acompanha o tratamento do paciente, o prontuário da unidade de saúde onde ele faz o acompanhamento ou a receita dos medicamentos de uso controlado. A CIB, segundo Reblin, deve publicar no início da próxima semana a resolução que vai organizar a vacinação desse grupo.

Prazo maior entre a D1 e a D2

Outra discussão nacional ocorre acerca do prazo entre a aplicação da primeira e a segunda dose da Coronavac, atualmente de 28 dias. "Considerando os estudos já divulgados e os conhecimentos já consolidados na imunologia, o Ministério da Saúde deve considerar ampliar o prazo entre a primeira e a segunda dose também no caso da Coronavac", disse o secretário.

O comitê técnico que assessora o Ministério da Saúde deve colocar em breve essa pauta em discussão junto ao Instituto Butantan, que produz a Coronavac no Brasil, e à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
"Nós entendemos que seja adequada a ampliação segura de pelo menos 14 dias, caso os estudos e o comitê técnico consigam subsidiar essa decisão, o que permitirá que a gente alcance com segurança mais pessoas na primeira dose, e possamos garantir a D2 a toda a população, sem prejuízo da resposta imune alcançada com as duas doses da Coronavac", argumentou Nésio Fernandes.

Veja mais notícias sobre Saúde.

Veja também:

 

Comentários: 1

Cidadão que usa parte do cérebro em Sábado, 24 Abril 2021 18:16

Lamentável o que ocorreu e ainda ocorre neste país mergulhado em "pandemias", tratamos neste caso da "pandemia de ignorância" que optou por aplicar as poucas vacinas que existiam em idosos e outros que já possuíam o direito (ou dever) de permanecer isolados. As vacinas deveriam ter ido para as pessoas que trabalham e pegam ônibus todos os dias, que estão nas padarias, farmácias e supermercados da vida que atendem diariamente os burgueses que estão em "férias remuneradas infinitas" em suas boas casas, contando ainda , muitas vezes, com o trabalho destes pobres representantes da classe trabalhadora que pouco ou nenhum direito têm.

Procedimentos errados Sr. Presidente e Governadores, se a vacinação da comunidade ativa tivesse sido priorizada, hoje as escolas e tudo estaria funcionando perto do normal.

Outra coisa, lockdown de 30 dias (com cesta básica para os realmente necessitados) é muito mais eficiente do que esses "para e volta" que estão fazendo, quebrando todos os pequenos empresários e num futuro próximo virá a conta para estados e municípios.

Lamentável o que ocorreu e ainda ocorre neste país mergulhado em "pandemias", tratamos neste caso da "pandemia de ignorância" que optou por aplicar as poucas vacinas que existiam em idosos e outros que já possuíam o direito (ou dever) de permanecer isolados. As vacinas deveriam ter ido para as pessoas que trabalham e pegam ônibus todos os dias, que estão nas padarias, farmácias e supermercados da vida que atendem diariamente os burgueses que estão em "férias remuneradas infinitas" em suas boas casas, contando ainda , muitas vezes, com o trabalho destes pobres representantes da classe trabalhadora que pouco ou nenhum direito têm. Procedimentos errados Sr. Presidente e Governadores, se a vacinação da comunidade ativa tivesse sido priorizada, hoje as escolas e tudo estaria funcionando perto do normal. Outra coisa, lockdown de 30 dias (com cesta básica para os realmente necessitados) é muito mais eficiente do que esses "para e volta" que estão fazendo, quebrando todos os pequenos empresários e num futuro próximo virá a conta para estados e municípios.
Visitante
Segunda, 02 Agosto 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/