Domingo, 14 Julho 2024

Médicos do Estado pleiteiam vaga no CFM para 'democratizar o setor'

marcelo_pedro_redes Redes Sociais

Marcelo Dalla e Pedro Paulo Herkenhoff são os médicos do Espírito Santo que disputam vagas de membro efetivo e suplente no Conselho Federal de Medicina (CFM) pela chapa 3, na eleição marcada para os dias 7 e 8 de agosto deste ano. Com esses nomes, um grupo de médicos inicia um movimento visando contribuir para mudar a forma de atuação do órgão, que envolve os conselhos regionais, a maiorias da ala conservadora, inclusive no que se refere às ações políticas em defesa da democracia e "transparência das finanças do CFM".

Nessa terça-feira (25), o grupo, ligado à Associação Brasileira de Médicas e Médicos pela Democracia (ABMMD), lançou um manifesto no qual, depois de enfatizar que "vem crescendo, entre médicas e médicos, um sentimento de indignação que clama por mudanças, reforçamos o nosso compromisso com a ética e a ciência e em prol da saúde coletiva".

O médico, professor e ex-governador do Estado Vitor Buaiz, integrante do grupo, ao trazer apoio à chapa 3, afirma ser necessário fazer "uma abordagem mais ampla da situação em que o país vice hoje".

"As entidades nacionais, como OAB [Ordem dos Advogados do Brasil], ABI [Associação Brasileira de Imprensa] e CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil], sempre se manifestaram desde a época da ditadura como um país democrático, soberano, e nós não vimos, nos últimos anos, que o CFM se apresentasse em defesa dessa democracia. Pelo contrário, andou muito tempo, e mais recentemente, na contramão da história. Não adianta nós falarmos da necessidade em humanizar a medicina, mas de tratar os nossos pacientes como seres humanos".

A reflexão de Vitor Buaiz se harmoniza com o documento coletivo, que destaca: "As últimas gestões do CFM se caracterizaram por posições e iniciativas em defesa de uma suposta autonomia médica, endossando medidas distanciadas das evidências científicas, baseadas em crenças propagadas no meio digital e alienadas da segurança dos pacientes, dos princípios éticos e das próprias bases da medicina".

Segundo o manifesto, "um dos grandes desafios contemporâneos da humanidade é o de garantir informação bem fundamentada para o público. Entretanto, há cada vez mais notícias falsas divulgadas não só na mídia, mas também na deep web, as quais criam mentiras, orientadas por interesses espúrios, que disseminam a intolerância, o negacionismo e a resistência ao diálogo".

No Brasil, prossegue o documento, "essa verdadeira tragédia também atingiu a categoria médica, a qual individual e coletivamente, organizou-se em grupos com o explícito objetivo de combater a ciência, as vacinas e outros atos que contrariam a boa prática médica, com graves efeitos sobre a saúde pública".

O manifesto ressalta ainda que "a emergência da pandemia por Covid-19 explicitou a existência de uma parcela da categoria médica pautada pela negação da ciência e das evidências científicas, que tenta justificar condutas absolutamente questionáveis com argumentos enviesados, tais como a defesa de um modelo de 'autonomia médica' individual, baseada em crenças e propagadas no meio digital, alienada da segurança dos pacientes e dos princípios éticos que são a base da medicina".

A Constituição Federal de 1988 é citada para abordar a conquista do direito universal à saúde, sob a responsabilidade do Estado, por meio de governos sucessivos, que é o Sistema Único de Saúde (SUS), e destaca as transformações ocorridas nas relações entre Estado e sociedade nas últimas décadas, com "impactos sobre a prática médica, tais como a desvalorização e a precarização do trabalho dos profissionais, afetando o importante vínculo com os pacientes, tão necessário para as boas práticas na atenção à saúde".

Outras questões levantadas são a "presença do capital financeiro especulativo nas operadoras de planos e seguros privados de assistência à saúde e da intermediação lucrativa do trabalho médico acentuada com o crescimento de fundos de investimento que vêm adquirindo hospitais por todo o país, impondo pressões e exigências descabidas aos médicos, com alta carga de trabalho extenuante, gerando frustrações, desalento e risco de adoecimento físico e mental. É o caso da Síndrome do Esgotamento Profissionas/Síndrome de Burnout, cada vez mais comum em nosso meio".

Metas do grupo

Resgate da dignidade e ética, valorizando o trabalho médico, com a garantia de condições adequadas para seu bom exercício e em defesa de uma medicina baseada na ciência;

Defesa do aperfeiçoamento profissional, conforme estabelecido na Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS) do SUS, que visa contribuir para a organização dos serviços, através da qualificação e da atualização e transformação das práticas em saúde;

Apoio para a criação de um plano de carreira no SUS, agora em estudo na Comissão para Discussão e Elaboração de Proposta de Carreira no Âmbito do Sistema Único de Saúde (CDEPCA/SUS), criada pelo Ministério da Saúde;  

Valorização da responsabilidade social e pública do exercício da Medicina;

Retomada da representação dos médicos e médicas nos Conselhos de Saúde, contribuindo para a formulação de políticas públicas junto aos outros segmentos do controle social;

Defesa incondicional do SUS, seus princípios e diretrizes, e de que os recursos do Orçamento da União, aprovados a cada ano, sejam destinados prioritariamente para as unidades públicas de saúde, alicerces das políticas de proteção social no país, em busca da equidade e do direito à saúde para todas e todos; 

Apoio a pesquisas éticas, com ênfase naquelas com valor social e científico, que possam ser aplicadas à saúde pública;

Rigorosa fiscalização da propaganda médica, de medicamentos e procedimentos de saúde, para a garantia da segurança dos pacientes;

Protagonismo ativo no contínuo aperfeiçoamento dos currículos médicos, junto com o Conselho Nacional de Saúde e com os Ministérios da Saúde e da Educação, e rigorosa fiscalização das faculdades de medicina;

Democratização das atividades do CFM, com viabilização de amplos debates com a categoria e com instituições científicas da saúde coletiva e da bioética em relação a temas polêmicos e sensíveis; 

Independência e autonomia do CFM em relação a partidos políticos e a governos.

Veja mais notícias sobre Saúde.

Veja também:

 

Comentários: 1

Eulalia Enise Cardoso em Quarta, 10 Julho 2024 22:51

Amei essa proposta!
Parabéns aos médicos signatários!
Eulália Enise

Amei essa proposta! Parabéns aos médicos signatários! Eulália Enise
Visitante
Segunda, 15 Julho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/