Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Sábado, 15 Mai 2021

'Trabalhadores invisíveis’ da saúde: como melhorar suas condições de trabalho?

trabalhador_invisivel_saude_1_breno_esaki_agencia_saude_df Breno Esaki/Agência Saúde-DF
Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Os chamados "trabalhadores invisíveis" da saúde somam 2 milhões de profissionais de nível técnico/auxiliar no Brasil, sendo que 1,5 milhão atua, há mais de ano, na linha de frente do combate à pandemia de Covid-19. Eles estão nas cozinhas, nas atividades de limpeza, recepção e segurança de hospitais e outras unidades de saúde, conduzem ambulâncias e macas, enterram os mortos, são técnicos e auxiliares de enfermagem, de Raio-X, de análise laboratorial, de farmácia, agentes comunitários de saúde... somando quase 60 profissões de retaguarda, essenciais para o devido funcionamento do sistema de saúde brasileiro, público e privado, mas que são invisibilizados em seu cotidiano.

Compreender suas condições de trabalho e de saúde no contexto da Covid-19 é o objetivo da pesquisa Os trabalhadores invisíveis da Saúde: condições de trabalho e saúde mental no contexto da Covid-19 no Brasil, realizada por uma equipe de pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) e Centro de Estudos Estratégicos (CEE) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), sob coordenação da pesquisadora Maria Helena Machado.

Os pesquisadores já sabem que, durante a pandemia, esses trabalhadores estão tendo que lidar com a escassez de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), infraestrutura precária, condições de trabalho inadequadas, ritmo de trabalho elevado e estressante, vínculo de trabalho precário, desconforto e desproteção no trabalho, entre outras questões. Mas é preciso investigar mais profundamente esse universo, para atuar de forma a melhorá-lo.

"Desejamos analisar em profundidade as condições de vida, o cotidiano do trabalho e a saúde mental dos trabalhadores de nível médio e auxiliar, o qual denominamos de trabalhadores invisíveis da saúde", afirma Maria Helena.

A coordenadora explica que, a partir dos dados e informações gerados na pesquisa, a proposta é auxiliar as entidades profissionais na fundamentação e formulação de propostas de melhorias para o sistema de saúde, além de ajudar no desenvolvimento de ações estratégicas e políticas públicas, no campo da gestão e condições de trabalho de todos eles.

"Essa legião de trabalhadores da Saúde está cotidiana e diretamente na linha de frente atendendo milhões de contaminados pela Covid-19 e lidando com milhares de óbitos em todo o país. Além disso, está exposta à infecção, sofre com a morte de colegas, e boa parte está desprotegida de cuidados necessários, sem, de fato, ter voz e meios de expressar a real situação no cotidiano do seu trabalho e de sua vida pessoal, no que se refere à saúde física e mental", ressalta Maria Helena Machado.

Coordenadora da pesquisa no Espírito Santo, a enfermeira aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e professora do mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local da Emescam Maria Carlota Resende conta que a invisibilidade é tamanha, bem como a desarticulação social e trabalhista, que chega a ser difícil fazer chegar o questionário aos trabalhadores. "Estamos ampliando o prazo coleta dos dados, pois mesmo as entidades representativas desses trabalhadores não dão retorno sobre o recebimento do questionário", pontua.

A coordenador estadual ressalta que "eles são invisíveis não só dentro do local de trabalho, onde nem são cumprimentados", mas que "socialmente são ainda mais", constata. "Não sabemos sequer se as Organizações Sociais de Saúde [OSSs] fornecem os EPIs necessários", exemplifica.

Sigilo das informações

As informações prestadas são sigilosas e a participação não é obrigatória. No link para o questionário, os organizadores da pesquisa salientam que o trabalhador "pode desistir de participar ou se recusar a responder determinada questão, sem lhe causar prejuízos ou danos, atuais ou futuros, com a instituição promotora e/ou executora da pesquisa, assim como os vínculos de trabalho".

O questionário explora aspectos objetivos e subjetivos sobre como esses trabalhadores lidam com a pandemia em seu dia a dia: se o trabalhador teve Covid-19 e se sente protegido em seu ambiente de trabalho contra o coronavírus; se sofreu algum tipo de violência ou discriminação; o que mudou em sua rotina profissional durante a pandemia e se houve mudança da carga horária de trabalho; se há Equipamentos de Proteção Individual (EPI) disponíveis e se houve treinamento adequado para sua utilização.

Resultados da primeira pesquisa

O estudo com os "invisíveis" é um subproduto da pesquisa Condições de Trabalho dos Profissionais de Saúde no Contexto da Covid-19 no Brasil, que já levantou dados sobre as condições de vida e trabalho de profissionais de nível superior de 15 profissões que atuam diretamente na assistência e no combate à pandemia do novo coronavírus, como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, odontólogos e farmacêuticos.

A pesquisa foi realizada em 2020 e os primeiros resultados foram divulgados no final de março de 2021. A exaustão a que estão submetidos esses profissionais é a constatação mais gritante. E ela não advém apenas da proximidade com o elevado número de casos e mortes de pacientes, colegas de profissão e familiares, afirma os pesquisadores, mas também das alterações significativas que a pandemia vem provocando em seu bem-estar pessoal e vida profissional.
Itamar Crispim/Intec-Fiocruz

A pandemia, ressaltam, alterou de modo significativo a vida de 95% desses trabalhadores. Os dados revelam, ainda, que quase 50% admitiram excesso de trabalho ao longo desta crise mundial de saúde, com jornadas para além das 40 horas semanais, e um elevado percentual (45%) deles necessita de mais de um emprego para sobreviver.

"Após um ano de caos sanitário, a pesquisa retrata a realidade daqueles profissionais que atuam na linha de frente, marcados pela dor, sofrimento e tristeza, com fortes sinais de esgotamento físico e mental. Trabalham em ambientes de forma extenuante, sobrecarregados para compensar o elevado absenteísmo. O medo da contaminação e da morte iminente acompanham seu dia a dia, em gestões marcadas pelo risco de confisco da cidadania do trabalhador (perdas dos direitos trabalhistas, terceirizações, desemprego, perda de renda, salários baixos, gastos extras com compras de EPIs, transporte alternativo e alimentação)", detalhou Maria Helena Machado, que também coordenou esse primeiro estudo.

Os dados indicam que 43,2% dos profissionais de saúde não se sentem protegidos no trabalho de enfrentamento da Covid-19, e o principal motivo, para 23% deles, está relacionado à falta, à escassez e à inadequação do uso de EPIs (64% revelaram a necessidade de improvisar equipamentos em algum momento). Os participantes da pesquisa também relataram o medo generalizado de se contaminar no trabalho (18%), a ausência de estrutura adequada para realização da atividade (15%), além de fluxos de internação ineficientes (12,3%). O despreparo técnico dos profissionais para atuar na pandemia foi citado por 11,8%, enquanto 10,4% denunciaram a insensibilidade de gestores para suas necessidades profissionais.

Desrespeito e fake news

"O estudo evidencia que 40% deles sofreram algum tipo de violência em seu ambiente de trabalho. Além disso, são vítimas de discriminação na própria vizinhança (33,7%) e no trajeto trabalho/casa (27,6%). Em outras palavras, as pessoas consideram que o trabalhador transporta o vírus, e, portanto, ele é um risco. Se não bastasse esse cenário desolador, esses profissionais de saúde experienciam a privação do convívio social entre colegas de trabalho, a privação da liberdade de ir e vir, o convívio social e a privação do convívio familiar", explica Maria Helena Machado.

Esses fatos decorrem de várias questões, por exemplo, a falta de apoio institucional, segundo 60% dos entrevistados. A desvalorização pela própria chefia (21%), a grande ocorrência de episódios de violência e discriminação (30,4%) e a falta de reconhecimento por parte da população usuária (somente 25% se sentem mais valorizados) também afligem os profissionais de saúde.

A pesquisa abordou, ainda, as percepções deles acerca das fake news propagadas ao longo desta pandemia de Covid-19. Mais de 90% dos profissionais de saúde admitiram que as falsas notícias são, sim, um verdadeiro obstáculo no combate ao novo coronavírus. No atendimento, 76% relataram que o paciente tinha algum tipo de crença referente às fake news, como a adoção de medicamentos ineficazes para prevenção e tratamento, por exemplo. A porcentagem expressiva de 70% dos trabalhadores discorda que os posicionamentos das autoridades sanitárias sobre a Covid-19 têm sido consistentes e esclarecedores.

Perfil

O questionário da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) e do Centro de Estudos Estratégicos (CEE) da Fiocruz contemplou, além de médicos, enfermeiros, odontólogos, fisioterapeutas e farmacêuticos, todas as categorias profissionais da área da Saúde, inclusive administrador hospitalar, engenheiro (segurança do trabalho, sanitarista) e um expressivo número de residentes e graduandos da área da saúde, em mais de dois mil municípios. Os dados revelam que a Força de Trabalho durante a pandemia é majoritariamente feminina (77,6%). A maior parte da equipe é formada por enfermeiros (58,8%), seguida pelos médicos (22,6%), fisioterapeutas (5,7%), odontólogos (5,4%) e farmacêuticos (1,6%), com as demais profissões correspondendo a 5,7%. Importante registrar que cerca de 25% deles foram infectados pela Covid-19.

Veja mais notícias sobre Saúde.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 15 Mai 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/