Terça, 21 Mai 2024

Polícia Civil afirma que tiro que atingiu hospital não é de arma da PM

daniel_ribeiro_FotoArquivoPessoal Arquivo Pessoal

A Polícia Civil (PC) informou, em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (26), que o tiro que vitimou fatalmente o paciente Daniel Ribeiro Campos da Silva, que estava internado em um hospital na Avenida Leitão da Silva, em Vitória, não partiu de arma da Polícia Militar (PM). Conforme apontou o superintendente da Polícia Técnica Científica, Carlos Alberto Dal-Cin, a arma da qual o tiro foi disparado era uma .40 de cano curto, "incompatível com o armamento da corporação".

Ainda segundo o superintendente, no ponto de onde provavelmente foi feito o disparo, tinha vários efetivados na direção do hospital, da Leitão da Silva e de viaturas da PM que se encontravam na avenida, além de perfuramentos de vidraça na região. Houve, inclusive, tiros no prédio da Reitoria do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), na Avenida Rio Branco, em Santa Lúcia.

O tiroteio aconteceu na madrugada desse sábado (25) para o domingo (26), na região que compreende Jaburu, Morro da Floresta e Gurigica, no Território do Bem. O comandante da PM, Douglas Caus, informou que a corporação está na região, com a atuação do Batalhão de Missões Especiais (BME) e 30 viaturas, com abordagem de ônibus e veículos considerados suspeitos. Segundo o secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, estão sendo buscadas as motivações do tiroteio.

Celebração ecumênica

Em reunião entre moradores da região onde houve o conflito, o Conselho Estadual de Direitos Humanos (CEDH) e a paróquia Santa Teresa de Calcutá, em Itararé, no Território do Bem, foi definida a realização de uma celebração ecumênica na praça do Cajun de Jaburu, nesta terça-feira, às 19h. As comunidades pretendem realizar ainda esta semana uma manifestação. Moradores que não quiseram se identificar, por medo de represálias, se queixam da violência da PM.

Eles relatam que policiais chegaram ao local, avistaram um grupo de jovens e foram até eles, que fugiram. Entretanto, a PM conseguiu alcançar um deles, que foi espancado e morreu no hospital. Depois disso, segundo os moradores, outros jovens começaram a disparar contra a polícia, culminado na troca de tiros que vitimou Daniel Ribeiro. O paciente, de 68 anos, era aposentado e estava internado há dois anos após ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Daniel foi atingido com um tiro no crânio.

Veja mais notícias sobre Segurança.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 21 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/