Quarta, 29 Junho 2022

'Presos doentes e muito magros', descreve Frente Desencarcera do Estado

ProtestoDetentosGrevedeFome_RedesSociais Redes sociais
Redes sociais

Nesta terça-feira (29), familiares de internos da Penitenciária Estadual de Vila Velha 3 (PEVV3) se manifestaram em frente ao Complexo do Xuri. Desde domingo (27), presos fazem greve de fome em protesto à precariedade da comida servida na unidade. A situação se agravou na noite dessa segunda (28), quando a Diretoria de Operações Táticas (DOT) da Polícia Civil foi enviada à unidade.

"Os relatos dizem que não há rebelião, mas os familiares estão sendo impedidos de entrar no complexo, pois todas as visitas da unidade estão suspensas. Ouvimos diversos relatos de tortura e maus-tratos, como revista vexatória, imposição de obrigatoriedade dos presos ficarem nus e sentados no chão quente. Presos doentes e muito magros", diz a Frente Estadual pelo Desencarceramento do Espírito Santo (Desencarcera-ES) nas redes sociais.

A ativista Crislayne Zeferina, integrante do coletivo Beco, também se manifestou sobre a situação na penitenciária. "Desde ontem [28] estamos recebendo vídeos e áudios de familiares desesperados pelo descaso do poder público com a reivindicação dos detentos em alusão à greve de fome que está acontecendo. A Segurança Pública, ao invés de entrar com diálogo e entender o problema dos presos, entrou com a DOT para mostrar que a violência é mais importante que o diálogo", denunciou.

As denúncias contradizem nota da Secretaria de Justiça (Sejus) emitida nessa segunda-feira, alegando que a presença da equipe de Operações Táticas no local era "para compreender as reivindicações e acompanhar a manifestação, a fim de garantir a segurança no ambiente prisional".

De acordo com informações da Frente Desencarcera-ES, a situação, depois, se acalmou. Representantes do Conselho Estadual De Direitos Humanos (CEDH) e da Defensoria Pública foram à penitenciária conversar com os detentos. Já a greve de fome, iniciada há dois dias, continua.

Os presos protestam contra as condições da alimentação servida na unidade, que é gerida por meio de um contrato com a empresa Alimentares Refeições LTDA. A empresa é a mesma que foi investigada pela Sejus em 2018, após a identificação do estoque de alimentos vencidos e prestes a vencer, além de carnes impróprias para consumo.

Eliana Valadares, uma das articuladoras do movimento Desencarcera-ES, informou que vários internos apresentaram quadro de infecção intestinal, com sintomas de diarreia e vômito devido à comida que tem sido servida.

"A Frente Estadual Pelo Desencarceramento vem, há tempo, denunciando essas empresas pela falta de compromisso com a alimentação dos internos. Essa já era uma tragédia anunciada e, até a presente data, nada havia sido feito, então os próprios internos resolveram tomar essa atitude, até que alguma providência seja tomada", declarou.

Veja mais notícias sobre Segurança.

Veja também:

 

Comentários: 1

Tiago Silva em Quarta, 30 Março 2022 07:41

É uma greve legítima, a população vai apoiar, com certeza! Que dure por tempo indeterminado, de preferência até todos irem 'pro saco'.

É uma greve legítima, a população vai apoiar, com certeza! Que dure por tempo indeterminado, de preferência até todos irem 'pro saco'.
Visitante
Quarta, 29 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/